Associação das Filhas de Maria

práticas religiosas e a construção de corpos femininos e castos em Diamantina/MG (1875-1902)

Autores

  • Sandra Asano

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i07.20128

Palavras-chave:

Diamantina. Século XIX. Filles de la Charité. Associação das Filhas de Maria. Dispositivos disciplinares.

Resumo

O presente artigo buscou dar visibilidade à presença das Filles de la Charité no projeto romanizador da Igreja Católica em Minas Gerais, na Diamantina do século XIX, mediante a análise de suas ações pastoral e educacional, expressa na criação da Associação das Filhas de Maria (1874). Considerou-se seu funcionamento e os dispositivos disciplinares que buscavam internalizar o modelo normativo de mulher cristã pelo controle de seu sexo e de sua sexualidade. Instituição cujos enunciados encontravam-se presididos pela representação de mulheres que circulava naquela sociedade, as quais, para se tornarem “boas e exemplares mães de família”, deveriam cumprir sua “missão” de “guardiãs da moral e da religião”, o que demandava a renúncia de si, o devotamento ao outro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Asano

Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em História na Universidade de Brasília ”“ UnB, coordenadora do Núcleo de Fotografia do Jornal Correio Braziliense e professora do curso de História na Faculdade Projeção/Brasília.

Referências

ALGRANTI, Leila M. Honradas e Devotas: mulheres da colônia. Estudos sobre a condiçãofeminina. Tese de doutoramento, São Paulo: FFLCH/USP, 1991.

ARIÈS, Philippe. A História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro: LTC, 1981.

Arquivo do Colégio da Providência (ACP), Atas da Associação das Filhas de Maria, Mariana. Manuscrito, fls. 21-22 1899-1901.

Arquivo do Colégio Nossa Senhora das Dores (ACNSD), Atas da Associação das Filhas de Maria. Manuscrito, f.253. Diamantina, 1874-1901.

BARROS, Roque Spencer. “Vida religiosa”,In: HOLANDA, Sérgio B. de. (dir.). HGCB. São Paulo/Rio de Janeiro: Difel, Tomo II, vol. 4, 1971.

BIASE, Paola Gaiotti de. “De uma cidadania a outra: o duplo protagonismo das mulheres católicas”. In: BONACCHI, Gabriella e GROPPI, Ângela (orgs.) O dilema da cidadania: direitos e deveres das mulheres, São Paulo: Unesp, 1995.

Casa Provincial do Rio de Janeiro. 100 anos de caridade no Brasil. Rio de Janeiro: Companhia das Irmãs de Caridade de São Vicente de Paulo ed., 1949.

CASTORIADIS, Cornélius. A instituição imaginária da sociedade, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

DELUMEAU, Jean. História do Medo no Ocidente. 1300-1800. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

DODIN, André. St Vincent de Paul et la charité. Paris: Aux Éditions du Seuil, 1960.

DUBY, Georges. Eva e os padres: Damas do século XII, São Paulo: Cia das Letras, 2001.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. V. 1, Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: o nascimento das prisões. Petrópolis: Ed. Vozes, 1987.

GARRETAS, Milagros Rivera. Nombrar el mundo en femenino: Pensamiento de las mujeres y teoria feminista. Barcelona: ICARIA Editorial, 1994.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2001.

GUILLAUMIN APUD MUNIZ, Diva do Couto Gontijo. “Sobre as professoras de "antigamente” que eram“feias” e usavam "óculos". In: Revista Eletrônica Labrys, 2002.

IGLÉSIAS, Francisco. “Minas Gerais”, In: HOLANDA, Sérgio Buarque de (dir.). HGCB, 4ª ed., Rio de Janeiro/São Paulo: Difel, Tomo II, vol. 02, 1979.

JODELET, Denise (org.) As representações sociais, Rio de Janeiro: Ed. Edurj, 2001.

Jornal O Piriruca. Comemorativo do centenário do Colégio Nossa Senhora das Dores, Diamantina, número 28. fl. 3, set. de 1967.

LAURETIS, Teresa de. “Tecnologias do gênero”. In: HOLANDA, Heloísa Buarque de Org.). Tendências e Impasses. O feminismo como crítica da cultura, Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

MARTINS, Júnia Maria Lopes e MARTINS, Marcos Lobato. “O Colégio Nossa Senhora das Dores de Diamantina e a educação feminina no norte/nordeste mineiro (1860-1940)”, In: Educação em Revista, Belo Horizonte (17): 11-19, jun., 1993.

MUNIZ, Diva. “O Império, o piano e o ensino da ‘miserável música’ em Minas Gerais no século XIX”. In:BOTELHO, Cléria da Costa e MACHADO, Salete (orgs.). Imaginário e História. Brasília: Paralelo 15/SãoPaulo: Marco Zero, 2000.

MUNIZ, Diva. Do lar para a escola e da escola para o lar. Mulheres e educação em Minas Gerais no século XIX. São Paulo: FFLCH, 1997.

PASSERON, Jean Claude. Pedagogia e Poder. Teoria e Educação. Porto Alegre: Pannonica Ed., v. 5, 1992.

PATERMAN, Carole. O contrato sexual, São Paulo: Paz e Terra, 1993.

PRIORE, Mary Del. Ao Sul do Corpo. Condição feminina, maternidades e mentalidades no Brasil Colônia.Rio de Janeiro: Ed. José Olympio; Brasília: Edunb, 1993.

REDIER, Antoine. São Vicente de Paulo: o Apóstolo da Caridade. Rio de Janeiro: Ed. Vecchi, 1953.

ROCHA, Campos. Memórias do Collégio N. S. das Dores e Orphanato de N. S. da Saúde de Diamantina. Belo Horizonte: Imprensa Nacional, 1919.

SCOTT, Joan.”Gênero: uma categoria útil de análise histórica”. In: Educação e Realidade, v.. 15, n. 2, Porto Alegre: FACED/UFRS, 1990.

SWAIN, Tânia Navarro. “De Deusa a Bruxa: uma história de silêncio” In:Revista Humanidades, volume 9, número 1994.

SWAIN, Tânia. Epistemologia feminista plural. Corpos sexuados, identidades nômades. Conferência proferida na Faculdade Cora Coralina: 7/3/2000.

Downloads

Publicado

2011-02-07

Como Citar

ASANO, Sandra. Associação das Filhas de Maria: práticas religiosas e a construção de corpos femininos e castos em Diamantina/MG (1875-1902). Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 07, 2011. DOI: 10.26512/emtempos.v0i07.20128. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/20128. Acesso em: 12 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.