Espaços de memória

uma luta por memória, verdade e justiça no Brasil e na Argentina

Autores

  • Julia Gumieri UFMG

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i20.19857

Palavras-chave:

Burocracia. Insulamento. Ditadura.

Resumo

Este trabalho visa contribuir para a reflexão histórica sobre os processos de reparação do legado de violações de direitos humanos cometidos durante a última ditadura militar no Brasil e na Argentina. Face aos deveres do Estado ”“ estabelecidos dentro do conceito de justiça de transição ”“ e à elaboração de políticas de memória, destacamos a iniciativa da memorialização como instrumento destas políticas reparatórias que tem se consolidado em ambos países diante das necessidades de implementação de mecanismos que garantam a efetividade do direito à memória, à verdade e à justiça. Em diálogo com este contexto, apresentamos a idealização de dois espaços de memória ”“ o Memorial da Resistência de São Paulo e a Escuela de Mecánica de la Armada em Buenos Aires ”“ como espaços públicos cujo propósito social é estabelecer um vínculo entre as experiências do passado e da vida cotidiana atual, facilitando o conhecimento do que se sucedeu através da documentação histórica levantada por pesquisas, por meio da arte e de atividades culturais. Nestes espaços, a partir da elaboração de discursos de memória e da necessidade de fundamentar caminhos para transmitir mensagens sobre o passado repressivo às novas gerações, as experiências ganham caráter coletivo e intensidade política sob a proposta do não esquecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, Marcelo Mattos et. al. O Memorial da Resistência de São Paulo e os desafios comunicacionais. Revista Anistia Política e Justiça de Transição/Ministério da Justiça. Brasília, n. 3, jan. / jun. 2010.

ARTURI, Carlos S. O debate teórico sobre mudança de regime político: o caso brasileiro. In: DOSSIÊ TRANSIÇÃO POLÃTICA. Revista de Sociologia e Política. Curitiba, n. 17, nov. 2001.

BAGGIO, Roberta Camineiro. A incompletude da transição política brasileira e seus reflexos na cultura jurídica contemporânea: ainda existem perseguidos políticos no Brasil. Revista Anistia Política e Justiça de Transição/Ministério da Justiça. Brasília, n. 3 jan. / jun. 2010.

BAUER Caroline Silveira. Um estudo comparativo das práticas de desaparecimento nas ditaduras civil-militares argentina e brasileira e a elaboração de políticas de memória em ambos os países. Tese de doutorado. Departamento de História: UFRS, Departament d´Història Contemporà nia: Universitat de Barcelona, 2011.

BRANDÃO. Priscila. Argentina, Brasil, Chile e o desafio da reconstrução das agencias nacionais civis de inteligência no contexto de democratização. Tese de Doutorado em Ciência Política. UNICAMP. 2005.

BRITO, Alexandra Barahona de. Justiça transicional e a política de memória: uma visão global. Revista Anistia Política e Justiça de Transição/Ministério da Justiça. Brasília, n. 1, jan. / jun. 2009.

CATELA, Ludmila da Silva. Em nome da pacificação nacional: anistias, pontos finais e indultos no Cone Sul. In: D’ARAUJO; CASTRO (orgs). Democracia e Forças Armadas no Cone Sul. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2000, p. 293-313.

________. “Territorios de memoria política. Los archivos de la represión en Brasil”. In: Los archivos de la represión: documentos, memoria y verdad. Madri/Buenos Aires: Siglo XXI, 2002, p. 15-84. (Coleção Memorias de la represión).

CIURLIZZA, Javier. Entrevista à Revista Anistia Política e Justiça de Transição. Entrevistador: Marcelo Torelly. Revista Anistia Política e Justiça de Transição/Ministério da Justiça. Brasília, n. 1, jan. / jun. 2009.

COMISIÓN NACIONAL SOBRE LA DESAPARICIÓN DE PERSONAS. Informe Nunca Más, set. 1984. Versão online: http://72.52.96.202/nuncamas/web/investig/articulo/nuncamas/nmas0001.htm.

D´ARAUJO, Maria Celina. Política e corporativismo militar no Brasil. Trabalho apresentado no 1º Encontro Nacional da Associação Brasileira de Defesa (ABED). Universidade Federal de São Carlos. 19 a 21 de setembro de 2007. Disponível em: < http://www.arqanalagoa.ufscar.br/abed/Integra/Maria_Celina_27-8-07.pdf>.

FICO, Carlos. A negociação parlamentar da Anistia de 1979 e o chamado “perdão aos torturadores”. Texto não publicado. Disponível em: .

GRECO, Heloísa. Dimensões fundacionais da luta pela anistia. Tese de doutorado. Departamento de História: UFMG, 2003.

GUEMBE, María José. Reabertura dos processos pelos crimes da ditadura militar Argentina. Sur. Revista Internacional de Direitos Humanos. São Paulo, vol.2, n.3, dec. 2005.

JELIN, Elizabeth. ¿De qué hablamos cuando hablamos de memorias?. In: Los trabajos de la memoria. Madrid/Buenos Aires: Siglo XXI, 2002. (Coleção Memorias de la represión).

KIRCHNER, NÉSTOR. Entrevista a Revista Puentes. Entrevistadora: Gabriela Cerruti. N. 11, maio 2004.

LVOVICH, Daniel; BISQUERT, Jorgelina. La cambiante memoria de la dictadura. Discursos sociales y legitimidad democrática. Buenos Aires: Biblioteca Nacional/UNGS, 2008.

MEMORIAL DA RESISTÊNCIA DE SÃO PAULO. Secretaria de Estado da Cultura. Governo do Estado de São Paulo. São Paulo, s/d. Material de divulgação. Disponível em: <http://www.nucleomemoria.org.br/imagens/banco/files/documentos/Memorial_Resistencia_Folder.pdf>.

MÉNDEZ Juan. Entrevista a Sur. Revista Internacional de Direitos Humanos. Entrevistadora: Glenda Mezarobba. São Paulo, vol. 4, n. 7, 2007.

MEZAROBBA, Glenda. 2008. Entrevista ao Jornal da Unicamp. Entrevistador: Paulo Cesar Nascimento. Unicamp, 3 a 9 de novembro. p. 09.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Comissão de Anistia. Ações educativas da Comissão de Anistia. Relatório de Gestão 2007 ”“ 2010. Brasília 2010.

MONTERO, Ana Soledad. Justicia y decisión en el discurso presidencial argentino sobre la memoria (2003-2007). Confines. México, vol. 4, n. 7, jan.maio 2008.

PADRÓS, Enrique Serra. Usos da memória e do esquecimento na História. Revista Literatura e Autoritarismo: o esquecimento da violência. Santa Maria, n. 4, p. 1-13, 2001. Disponível em < http://w3.ufsm.br/grpesqla/main.php?op=conteudo_8>.

SAIN, Marcelo Fabián. Democracia e Forças Armadas: entre a subordinação militar e os “defeitos” civis. In: D’ARAUJO; CASTRO (orgs). Democracia e Forças Armadas no Cone Sul. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2000, p. 21-55.

SOARES Inês Virgínia Prado; QUINALHA, Renan. Lugares de memória no cenário brasileiro da justiça de transição. Revista Internacional de Direito e Cidadania, n. 10, p. 75-86, junho/2011.

VEZZETTI, Hugo. Sobre la violencia revolucionaria. Buenos Aires: Siglo Veintiuno de Argentina Editores, 2009.

Downloads

Publicado

2012-08-17

Como Citar

GUMIERI, Julia. Espaços de memória: uma luta por memória, verdade e justiça no Brasil e na Argentina. Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 20, p. 49–74, 2012. DOI: 10.26512/emtempos.v0i20.19857. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/19857. Acesso em: 16 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê

Artigos Semelhantes

1 2 3 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.