Explosões conservadoras

atentados de extrema-direita na distensão da ditadura civil-militar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v1i38.34446

Palavras-chave:

Extrema-direita. Atentados. Abertura da ditadura.

Resumo

O artigo trata dos ataques à bomba e de outras ações praticadas, em Fortaleza, por um grupo de extrema-direita chamado Movimento Anticomunista (MAC), no ano de 1980. O engajamento de vários atores sociais na defesa da democratização do País, no período, deu margem à estruturação do “mito da sociedade democrática” que, em peso, resistiu ao arbítrio da ditadura civil-militar. Não obstante, os integrantes do MAC eram todos civis, de classe média, universitários, o que possibilita observar que, mesmo quando perdia popularidade, no final da década de 1970, a ditadura ainda contava com algum apoio social. Os extremistas acabaram presos quando tentavam expandir a atuação para outros estados do Nordeste. A ditadura civil-militar buscou capitalizar com o desbaratamento do MAC.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMATO, Gabriel. Memórias de rodonista: lembrando outras maneiras de ser estudante durante a ditadura militar. In: ______; DELLAMORE, Carolina; BATISTA, Natália (Orgs.). A ditadura aconteceu aqui: a história oral e as memórias do regime militar brasileiro. São Paulo: Letra e Voz, 2017.

______. Um lugar para a mocidade na política: a atuação da juventude na Arena jovem durante a ditadura militar brasileira (1969-1979). In: BOHOSLAVSKY, Ernesto; BOISARD, Stéphane; MOTTA, Rodrigo Patto Sá (Orgs.). Pensar as direitas na América Latina. São Paulo: Alameda, 2019.

ARAÚJO, Paulo César de. Eu não sou cachorro, não: música popular cafona e a ditadura militar. Rio de Janeiro: Record, 2015.

BARUCH, Marc Olivier. Sociedades e regimes autoritários. In: ROLLEMBERG, Denise; QUADRAT, Samantha Viz (Orgs.). A construção social dos regimes autoritários: Europa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

BOBBIO, Noberto. Dicionário de política. Brasília: Editora Universidade de Brasília: São Paulo: Imprensa Oficial de São Paulo, 2000.

BOURDIEU, Pierre. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983

CALDEIRA NETO, Odilon. Sob o signo do sigma: integralismo, neointegralismo e o antissemitismo. Maringá: Eduem, 2014.

CORDEIRO, Janaina Martins. A ditadura em tempos de milagre: comemorações, orgulho e consentimento. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2015.

CUNHA, Diogo. Das catacumbas: os homens da Igreja e a renovação do catolicismo durante a ditadura civil-militar no Brasil. In: AARÃO REIS, Daniel; CORDEIRO, Janaina Martins; LEITE, Isabel Cristina; SILVEIRA, Diego Omar de (Orgs.). À sombra das ditaduras. Rio de Janeiro: Mauad X, 2014.

D’ARAÚJO, Maria Celina; SOARES, Ary Dillon; CASTRO, Celso. A volta aos quarteis: a memória militar sobre a abertura. Rio de Janeiro: Relume-Dumaré, 1995.

DECKES, Flávio. Radiografia do terrorismo no Brasil 1966/1980. São Paulo: Ãcone Editora, 1985.

FICO, Carlos. Como eles agiam. Rio de Janeiro: Record, 2001.

______. História do Brasil contemporâneo. São Paulo: Contexto, 2016.

GANGIAN, Renato. Igreja Católica e ditadura militar no Brasil. São Paulo: Claridades, 2011.

GREGO, Heloísa Amélia. Dimensões funcionais da luta pela Anistia. 559 f. 2003. Tese (Doutorado em História) ”“ Programa da Faculdade de Filosofia e Ciência Humanas, Universidade Federal do Minas Gerais, Belo Horizonte, 2003.

GROPPO, Bruno. O mito da sociedade como vítima: as sociedades pós-ditatoriais em face de seu passado na Europa e América Latina. In: ROLLEMBERG, Denise; QUADRAT, Samantha Viz (Orgs.). História e memória das ditaduras do século XX. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2015.

LABORIE, Pierre. 1940-1944. Os franceses do pensar-duplo. In: ROLLEMBERG, Denise; QUADRAT, Samantha Viz (Orgs.). A construção social dos regimes autoritários: Europa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

MARCELINO, Douglas Attila. Salvando a pátria da pornografia e da subversão: a censura de livros e diversões públicas nos anos 1970. 2006. 300f. Dissertação (Mestrado em História) ”“ Programa de Pós-graduação em História Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Anticomunismo. In: SILVA, Francisco Carlos Teixeira da; MEDEIROS, Sabrina Evangelista; VIANNA, Alexander Martins (Orgs.). Dicionário crítico do pensamento da direita: ideias, instituições e personagens. Rio de Janeiro: FAPERJ, 1999.

______. Em guarda contra o “perigo vermelho”: o anticomunismo no Brasil (1917-1964). São Paulo: Perspectiva: FAPESP, 2002.

MÜLLER, Angélica. O movimento estudantil na resistência à ditadura militar (1969-1979). Rio de Janeiro: Garamond, 2016.

NAPOLITANO, Marcos. 1964: História do regime militar brasileiro. São Paulo: Contexto, 2018.

______. Os historiadores na “batalha da memória”. In: ROLLEMBERG, Denise; QUADRAT, Samantha Viz (Orgs.). História e memória das ditaduras do século XX. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2015.

POERNER, Artur. O poder jovem: História da participação política dos estudantes brasileiros. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

PORTUGAL, Niedja. Estudantes em movimento. 2008. 132 f. Fortaleza: Dissertação (Mestrado em História) ”“ Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-Graduação em História, Fortaleza, 2008.

QUADRAT, Samantha Viz. A oposição juvenil à Unidade Popular. In: ROLLEMBERG, Denise; ______ (Orgs.). A construção social dos regimes autoritários: Europa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

ROLLEMBERG, Denise. História, memória e verdade: em busca do universo dos homens. In: SANTOS, Cecília MacDowell; TELES, Edson; TELES, Janaina de Almeida. Desarquivando a ditadura: memória e justiça no Brasil. São Paulo: Editora Hucitec, 2009.

______; QUADRAT, Samantha Viz. Memória, história e autoritarismo ”“ apresentação. In:______ (Orgs.). A construção social dos regimes autoritários: Brasil e América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

______; VAINFAS, Ronaldo. Historiadores franceses na zona cinzenta: lembranças da guerra. Revista de História, São Paulo, n. 176, p. 1-36, 2017.

REIS FILHO, Daniel Aarão. Um passado imprevisível: a construção da memória da esquerda nos anos 60. In: ______; e outros (Orgs). Versões e ficções: o sequestro da história. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 1997.

SALDANHA, Alberto. A UNE e o mito do poder jovem. Maceió: Edufal, 2005.

SAMWAYS, Daniel Trevisan. O que eles dizem, o que eles fazem: a construção do inimigo vermelho e anticomunismo na ditadura civil-militar brasileira. Revista Contemporâneos, São Paulo, n. 11, p. 1-23, nov.2012-abril, 2013.

SOARES, Thiago Nunes. Gritam os muros: pichações e ditadura civil-militar no Brasil. Curitiba: Appris, 2018.

Downloads

Publicado

2021-06-25

Como Citar

FARIAS, J. A. de. Explosões conservadoras: atentados de extrema-direita na distensão da ditadura civil-militar. Em Tempo de Histórias, [S. l.], v. 1, n. 38, 2021. DOI: 10.26512/emtempos.v1i38.34446. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/34446. Acesso em: 3 fev. 2023.