Otimismo e silenciamento

a Transamzônica e a integração nacional através da propaganda oficial da ditdura civil-militar nos documentários da Agência Nacional (1964-1979)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v1i38.37184

Palavras-chave:

Ditadura civil-militar. Propaganda política. Transamazônica.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo explorar as violências simbólicas produzidas pela difusão do otimismo pela propaganda oficial da ditadura civil-militar brasileira, através do mecanismo do silenciamento. Ao lado do crescimento do aparato repressivo estatal, houve também um processo de construção de imagens legitimadoras do Estado estabelecido após o golpe de 1964. Neste sentido, a ditadura fez uso de órgãos que pudessem edificar e fazer circular imagens favoráveis ao projeto nacional que estava em jogo, vinculando a estas imagens importantes aspectos da chamada Doutrina de Segurança Nacional (DSN). Além da AERP (Assessoria Especial de Relações Públicas), houve o crescente uso da Agência Nacional (AN) enquanto órgão responsável pela realização de sua propaganda política, através dos cinejornais e documentários. Desta forma, a ditadura civil-militar investiu em criar imagens sobre o país através do otimismo e da promoção da ideia de “Brasil Grande”, ressignificando imagens que já estavam presentes no imaginário social brasileiro de acordo com a sua visão de projeto político nacional e nas premissas da DSN. Para esta imagem sobre o país ser construída, a questão da Amazônia, uma questão histórica nacional, é de suma importäncia, sobretudo, para a integração nacional, tema caro aos militares. Este tema ganhou grande destaque com a construção da rodovia Transamazônica, através da qual o regime  construiu e alimentou narrativas otimistas sobre os rumos nacionais e, sobretudo, elaborou imagens legitimadoras de si. Através da Análise Fílmica pudemos analisar o universo simbólico construído através das representações da Amazônia e da Transamazônica, que nos evidenciam como os silenciamentos que a ditadura promoveu sobre o país corresponderam a uma ferramenta que promoveu, entre otimismo e silenciamentos, violências simbólicas à própria sociedade brasileira e, neste caso, principalmente às comunidades indígenas locais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CAPELATO, Maria Helena Rolim. Multidões em cena: Propaganda política no varguismo e no peronismo. Campinas: Papirus, 1998

FICO, C. Reinventando o otimismo: ditadura, propaganda e imaginário social no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1997.

FREITAS I.D. Otimismo nas telas: A propaganda oficial da ditadura civil-militar nos cinejornais da Agência Nacional (1964-1979), 2020.

GIRARDET, Raoul. Mitos e Mitologias Políticas. São Paulo: Cia. das Letras, 1987

MAIA, T.A. (org). Imagens e propaganda política na ditadura civil-militar (1964-1979): tópicos de pesquisa. Jundiaí: Paco Editorial, 2018.

MENEZES, F.D. Enunciados sobre o futuro: ditadura militar, Transamazônica e a condução do “Brasil grande”. Dissertação (Mestrado em História). Universidade de Brasília, 2007.

MOTTA, R.S.P. A ditadura nas universidades: repressão, modernização e acomodação. Cienc. Cult. vol.66 no.4 São Paulo Oct./Dec. 2014.

NAPOLITANO, M. 1964: história do regime militar brasileiro. São Paulo: Contexto,

NICHOLS, B. Introdução ao documentário. Campinas: Papirus, 2005.

PADRÓS, E.S. Repressão e violência: segurança nacional e terror de Estado nas ditaduras latino-americanas. In: FICO, C. ; ARAÚJO, M.P; FERREIRA, M. QUADRAT, S. (orgs.). Ditadura e Democracia na América Latina: balanço histórico e perspectiva. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2008.

RAMOS, F.P. Mas afinal... o que é mesmo um documentário? São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2008.

REIS FILHO, Daniel Aarão. Esquerdas, ditadura e sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000

Downloads

Publicado

2021-06-25

Como Citar

NEQUETE, J. B. Otimismo e silenciamento: a Transamzônica e a integração nacional através da propaganda oficial da ditdura civil-militar nos documentários da Agência Nacional (1964-1979) . Em Tempo de Histórias, [S. l.], v. 1, n. 38, 2021. DOI: 10.26512/emtempos.v1i38.37184. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/37184. Acesso em: 3 fev. 2023.