A tradução não escrita envolvendo línguas de sinais: reflexões sobre sua especificidade e características

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/belasinfieis.v12.n1.2023.45612

Palavras-chave:

Tradução de línguas de sinais. Tradução não escrita. Tradução da escrita para sinais. Tradução para língua de sinais em vídeo. Conceituação da tradução.

Resumo

Considerando as demandas atuais por processos tradutórios que não envolvem necessariamente textos escritos, apresentamos uma reflexão sobre a singularidade e as características do processo de tradução que tem o seu texto-alvo em uma língua de sinais registrada em vídeo. Para tanto, partimos da conceituação de processos tradutórios e interpretativos e da diferenciação entre eles. Em seguida, trazemos alguns dados relativos às discussões e às pesquisas que problematizam esse processo tradutório não escrito que tem seu texto-alvo em uma língua de sinais registrada em vídeo. E, então, uma denominação de tais processos é apresentada, com base no conceito de tradução não escrita — isto é, aquela tradução em que o texto-alvo está em sua modalidade oral e, portanto, é registrado em áudio ou vídeo —, bem como uma primeira proposta de classificação de demais processos correlatos. Por fim, apresentamos algumas características do processo de tradução não escrita de um texto escrito, em uma língua vocal, para um texto oral, em uma língua de sinais, registrado em vídeo. Além disso, destacamos a necessidade de novos estudos e pesquisas sobre esse e demais processos que podem também ser elencados sob a denominação tradução não escrita.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Henrique Rodrigues, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutor em Linguística Aplicada - Estudos da Tradução (2013) e Mestre em Educação (2008) pela Universidade Federal de Minas Gerais. Licenciado (2004) e Bacharel em História (2003) pela Universidade Federal de Minas Gerais. Graduado em Teologia (2001) pela Faculdade Evangélica de Teologia. Realizou estágio de pós-doutorado (2018) pela Universitat Autònoma de Barcelona. É professor Adjunto na Universidade Federal de Santa Catarina.

Referências

Alves, F., & Pagura, R. (2002). The interface between written translation and simultaneous interpretation: instances of cognitive management with a special focus on the memory issue. In Proceedings of the XVI World Congress of the International Federation of Translators: Ideas for a New Century (pp. 73–80). Vancouver: University of British Columbia.

Baker, M., & Saldanha, G. (2009). Routledge Encyclopedia of Translation Studies. Routledge.

Barros, R. O. (2020). Tradução de Poesia Escrita em Libras para a Língua Portuguesa. [Dissertação de Mestrado, Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-graduação em Estudos da Tradução, Universidade Federal de Santa Catarina]. http://tede.ufsc.br/teses/PGET0475-D.pdf

Carneiro, T. D., Vital, D. S. H., & Souza, R. P. L. de. (2020). O processo de produção de textos traduzidos para Libras em vídeo no Departamento de Letras-Libras (UFRJ) comparado ao processo de produção de traduções editoriais entre línguas orais. Belas Infiéis, 9(5), 135–166. https://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/article/view/31990

Domingos, F. K. P. (2013). Português Brasileiro e Libras: elos coesivos em textos em relação tradutória. [Dissertação de Mestrado, Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-graduação em Estudos da Tradução, Universidade Federal de Santa Catarina]. http://tede.ufsc.br/teses/PGET0190-D.pdf

García, A. M. (2019). The Neurocognition of Translation and Interpreting. John Benjamins Publishing Company.

Gile, D. (2009). Conference Interpreting: historical and cognitive perspectives. In M. Baker, & G. Saldanha, Routledge Encyclopedia of Translation Studies (pp. 51–56). Routledge.

Groot, A. M. B. (1997). The cognitive study of translation and Interpretation. In J. H. Danks, G. M. Shreve, S. B. Fountain, & M. K. Mcbeath, Cognitive processes in translation and interpreting (pp. 25–56). Sage.

Jiménez-Ivars, A. J. (2002). Variedades de interpretación: modalidades y tipos. Hermēneus. Revista de Traducción e Interpretación, (4), 95–114. https://recyt.fecyt.es/index.php/HS/article/view/6105

Jiménez-Ivars, A., & Hurtado Albir, A. (2003). Variedades de traducción a la vista. Definición y clasificación. TRANS: Revista de Traductología, (7), 47–57. https://doi.org/10.24310/trans.2003.v0i7.2946

Kade, O. (1968). Kommunikationswissenschaftliche Probleme der Translation. In Beihefte zur Zeitschrift Fremdsprachen II (pp. 3–19). Leipzig: VEB Verlag.

Linhares, R. S. A. (2019). Traduzir a surditude: diálogos entre pesquisadores surdos do Brasil e a Tradutologia das línguas de sinais. [Dissertação de Mestrado, Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-graduação em Estudos da Tradução, Universidade Federal de Santa Catarina]. http://tede.ufsc.br/teses/PGET0440-D.pdf

Pagura, R. (2003). A interpretação de conferências: interfaces com a tradução escrita e implicações para a formação de intérpretes e tradutores. DELTA: Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, 19(spe), 209–236. https://doi.org/10.1590/s0102-44502003000300013

Pagura, R. J. (2015). Tradução & Interpretação. In L. M. Amorim, C. C. Rodrigues, & E. N. A. Stupiello, Tradução &: perspectivas teóricas e práticas (pp. 183–207). Unesp Digital.

Peluso, L. (2015). Traducción entre español escrito y lengua de señas uruguaya videograbada: un nuevo desafío. Cadernos de Tradução, 35(2), 479–504. https://doi.org/10.5007/2175-7968.2015v35nesp2p479

Pereira, M. C. P. (2010). Produções Acadêmicas sobre Interpretação de Língua de Sinais: dissertações e teses como vestígios históricos. Cadernos de Tradução, 2(26), 99–117. https://doi.org/10.5007/2175-7968.2010v2n26p99

Pereira, M. C. P. (2015). Reflexões sobre a tipologia da interpretação de línguas de sinais. Cadernos de Tradução, 35(2), 46–77. https://doi.org/10.5007/2175-7968.2015v35nesp2p46

Pöchhacker, F. (2004). Introducing interpreting studies. Routledge.

Pöchhacker, F. (2009). Issues in Interpreting Studies. In J. Munday, The Routledge Companion to Translation Studies (pp. 128–140). Routledge.

Quadros, R. M. de, & Segala, R. R. (2015). Tradução intermodal, intersemiótica e interlinguística de textos escritos em Português para a Libras oral. Cadernos de Tradução, 35(2), 354–386. https://doi.org/10.5007/2175-7968.2015v35nesp2p354

Quadros, R. M., & Souza, S. X. (2008). Aspectos da tradução/ encenação na Língua de Sinais Brasileira para um ambiente virtual de ensino: práticas tradutórias do curso de Letras-Libras. In R. M. Quadros, Estudos Surdos III (pp. 168–207). Arara-Azul.

Rodrigues, C. H. (2013). A interpretação para a Língua de Sinais Brasileira: efeitos de modalidade e processos inferenciais [Tese de Doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais]. https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/MGSS-9CXQ8L/1/rodrigues__2013___tese_poslin.pdf

Rodrigues, C. H. (2018). Translation and signed language: highlighting the visual-gestural modality. Cadernos de Tradução, 38(2), 294–319. https://doi.org/10.5007/2175-7968.2018v38n2p294

Rodrigues, C. H. (2022). Tradução e línguas gestuais-visuais: a modalidade de língua em destaque. In N. A. Albres, C. H. Rodrigues, & V. Nascimento, Estudos da Tradução e Interpretação de Línguas de Sinais: contextos profissionais, formativos e políticos (pp. 19–43). Insular.

Rodrigues, C. H., & Beer, H. (2015). Os estudos da tradução e da interpretação de línguas de sinais: novo campo disciplinar emergente? Cadernos de Tradução, 35(2), 17–45. https://doi.org/10.5007/2175-7968.2015v35nesp2p17

Sampaio, G. R. L. (2017). Tradução Oral à Prima Vista na formação do intérprete: considerações pedagógicas. Domínios de Lingu@Gem, 11(5), 1674–1684. https://doi.org/10.14393/DL32-v11n5a2017-15

Santos, S. A. (2013). Tradução/Interpretação de Língua de Sinais no Brasil: uma análise das teses e dissertações de 1990 a 2010. [Tese de Doutorado, Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-graduação em Estudos da Tradução, Universidade Federal de Santa Catarina]. http://tede.ufsc.br/teses/PGET0178-T.pdf

Silvério, C. C. P., Rodrigues, C. H., Medeiros, D. V., & Romeiro, S. A. L. V. (2012). Reflexões sobre o processo de tradução-interpretação para uma língua de modalidade espaço-visual. In Anais do Congresso Nacional de Pesquisas em Tradução e Interpretação de Libras e Língua Portuguesa, (pp. 1–7). Florianópolis. PGET UFSC.

Souza, R. P. L.; Freitas Júnior, R. Proficiência de leitura de alunos surdos no ensino superior: uma análise a partir de textos em Libras. Revista Sinalizar, v. 7, 2022. https://doi.org/10.5216/rs.v7.72811

Stone, C. (2009). Toward a Deaf Translation Norm. Gallaudet University Press.

Wurm, S. (2010). Translation across Modalities: The Practice of Translating Written Text into Recorded Signed Language. An Ethnographic Case Study. [PhD Thesis, Doctor of Philosophy, Heriot-Watt University, Department of Languages, and Intercultural Studies]. https://www.ros.hw.ac.uk/handle/10399/2407

Downloads

Publicado

02-11-2023

Como Citar

RODRIGUES, Carlos Henrique. A tradução não escrita envolvendo línguas de sinais: reflexões sobre sua especificidade e características. Belas Infiéis, Brasília, Brasil, v. 12, n. 1, p. 01–21, 2023. DOI: 10.26512/belasinfieis.v12.n1.2023.45612. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/article/view/45612. Acesso em: 28 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.