A tradução de Milenio Carvalho, de Manuel Vázquez Montalbán, para o português e o francês: do tabu social ao tabu linguístico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/belasinfieis.v12.n1.2023.45324

Palavras-chave:

Estudos da Tradução. Disfemismo. Língua Espanhola. Língua Portuguesa. Língua Francesa.

Resumo

Neste artigo, analisa-se a tradução de algumas unidades do léxico da língua espanhola para as línguas portuguesa e francesa da obra Milenio Carvalho (2004), de Manuel Vázquez Montalbán, a partir de uma perspectiva que considera indissociável a relação entre léxico e cultura. Aborda-se, primeiramente, a questão do léxico como representação cultural com base nas pesquisas de Caune (2014), Borba (2006), Nunes (2010), Lara (2015) e Antunes (2012). Em seguida, discute-se a problemática do tabu tanto em sua gênese psicossocial, de acordo com os escritos de Freud (2015), quanto do ponto de vista da linguagem (Vaneigem, 2004; Allan & Burridge, 2006; Benke, 2012; Arango, 1991; Preti, 1983; Guiraud, 1976). Por fim, examinam-se os tabuísmos pelo viés da tradução, tendo em vista o trabalho sobre “a letra” de Antoine Berman (2007). Conclui-se, assim, que na tradução para o português houve certo apagamento dos tabuísmos, implicando uma atenuação do texto e uma descaracterização do modo de dizer dos personagens. Contrariamente, no francês a tendência foi manter o léxico tabu e, de certa forma, acentuá-lo; intensificar ou tornar mais “densas”, “vivas” tais unidades lexicais, de modo a retratar, com maior “iconicidade”, seu universo linguístico-discursivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Allan, K., & Burridge, K. (2006). Forbidden words: Taboo and the censoring of language. Cambridge University Press.

Antunes, I. (2012). Território das palavras: estudo do léxico em sala de aula. Parábola.

Arango, A. C. (1991). Os palavrões (J. L. Bastos, Trad.). Brasiliense.

Benke, V. C. M. (2012). Tabus linguísticos nas capitais do Brasil: Um estudo baseado em dados geossociolinguísticos [Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul].

Berman, A. (2007). A tradução e a letra, ou, o albergue do longínquo (M. H. C. Torres, M. Furlan, & A. Guerini, Trads). 7Letras.

Borba, F. S. (2006). Léxico e herança social. In R. C. Marchezan, & A. Cortina (Eds.), Os fatos da linguagem, esse conjunto heteróclito (10, 81–96). Cultura Acadêmica Editora.

Caune, J. (2014). Cultura e comunicação: Convergências teóricas e lugares de mediação. (L. M. de Barros, Trad.). Editora Unesp.

Colmeiro, J. (2015). Novela policiaca, novela política. Revita lectora, (21), 5–29.

Diccionario integral del español de la argentina. (2008). Ole. In Diccionario integral del español de la argentina. Buenos Aires: Voz activa.

Freud, S. (2015). Totem e tabu (P. C. de Souza, Trad.). Penguin Classics Companhia das Letras.

Guiraud, P. (1976). Les gros mots (2. ed.). Puf.

Houaiss, A. (s.d.). Cagão. In Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Recuperado em 15 de fevereiro de 2023, https://houaiss.uol.com.br/corporativo/apps/uol_www/v6-1/html/index.php#1.

Houaiss, A. (s.d.). Safado. In Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Recuperado em 15 de fevereiro de 2023, https://houaiss.uol.com.br/corporativo/apps/uol_www/v6-1/html/index.php#3.

Lara, L. F. (2015). Curso de lexicología. Colegio de México.

Larousse. (s. d.). Déféquer. In Dictionnaire en ligne. Recuperado em 15 de fevereiro de 2023, https://www.larousse.fr/dictionnaires/francais/d%C3%A9f%C3%A9quer/22632.

Larousse. (s. d.). Olé. In Dictionnaire en ligne. Recuperado em 15 de fevereiro de 2023, https://www.larousse.fr/dictionnaires/francais/ol%C3%A9/55824.

Larousse. (s. d.). Putain. In Dictionnaire en ligne. Recuperado em 15 de fevereiro de 2023, https://www.larousse.fr/dictionnaires/francais/putain/65181.

Larousse. (s. d.). Saloperie. In Dictionnaire en ligne. Recuperado em 15 de fevereiro de 2023, https://www.larousse.fr/dictionnaires/francais/saloperie/70726.

Moliner, M. (2007). Hostia. In M. Moliner (Org.), Diccionario de uso del español. Gredos.

Nunes, J. H. (2010). Lexicologia e lexicografia. In E. Guimarães, & M. Zoppifontana (Eds.), Introdução as ciências da linguagem: A palavra e a frase (151–172). Pontes.

Preti, D. (1983). A linguagem proibida: um estudo sobre a linguagem erótica. Queiróz.

Real Academia Española. (s.d.). Cabrón. In Diccionario de la lengua española. Recuperado en 15 de fevereiro de 2023, https://dle.rae.es/cabr%C3%B3n?m=form2.

Real Academia Española. (s.d.). Cagón. In Diccionario de la lengua española. Recuperado en 15 de fevereiro de 2023, https://dle.rae.es/cag%C3%B3n?m=form2.

Real Academia Española. (s.d.). Ole sus cojones. In Diccionario de la lengua española. Recuperado en 15 de fevereiro de 2023, de https://dle.rae.es/coj%C3%B3n?m=form2.

Simão, A. K. G., & Deângeli, M. A. (2019). As traduções de el hombre de mi vida para o francês e o português: Léxico e diferença. Caderno de letras, (34), 499–517. https://doi.org/10.15210/cdl.v0i34.16968

Vaneigem, R. (2004). Nada é sagrado tudo pode ser dito: Reflexões sobre a liberdade de expressão. Parábola.

Vázquez Montalbán, M. (2004). Milenio Carvalho I. Rumbo a kabul. Planeta.

Vázquez Montalbán, M. (2004). Milenio Carvalho II. Rumbo a las antípodas. Planeta.

Vázquez Montalbán, M. (2006). Milenio Carvalho. (D. Laroutis, Trad.). Christian Bourgeois.

Vázquez Montalbán, M. (2007). Milênio. (R. F. d’Aguiar, Trad.). Companhia das Letras.

Downloads

Publicado

29-08-2023

Como Citar

SEREGATI, Flavia; KARIM GARCIA SIMÃO, Ang´élica; DEÂNGELI, Maria Angélica. A tradução de Milenio Carvalho, de Manuel Vázquez Montalbán, para o português e o francês: do tabu social ao tabu linguístico. Belas Infiéis, Brasília, Brasil, v. 12, n. 1, p. 01–18, 2023. DOI: 10.26512/belasinfieis.v12.n1.2023.45324. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/article/view/45324. Acesso em: 12 jun. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.