Bíblias vulgatas brasileiras: relações entre tradução e linguagem

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/belasinfieis.v9.n5.2020.30487

Palavras-chave:

Tradução bíblica. Bíblias vulgatas. Textos sensíveis. Elementos paratextuais. Projeto tradutório.

Resumo

A partir da década de 1960, traduções bíblicas preocupadas em acompanhar a evolução das línguas e em fornecer o texto bíblico de forma mais compreensível passaram a ser produzidas em várias línguas. O trabalho sobre a linguagem, adjetivada como contemporânea e/ou facilitada, é um dos principais slogans desses projetos tradutórios. Este trabalho tem por objetivo analisar os discursos sobre a relação entre o fenômeno tradutório e o tratamento dado à linguagem, veiculados em traduções bíblicas vulgatas brasileiras. Trata-se de uma pesquisa descritiva, qualitativa, de cunho bibliográfico e documental. O corpus é composto por excertos encontrados em elementos paratextuais de traduções bíblicas vulgatas brasileiras, os quais versam sobre o fenômeno tradutório e o trabalho realizado com a linguagem. As noções encontradas foram discutidas com base em fundamentos teórico-metodológicos pertinentes, dentre os quais: Nida (1964), Simms (1997), Gohn (2001), Konings (2006, 2009), Teixeira e Zimmer (2008), Lopes (2008) e Nord (2016). A análise do corpus permitiu-nos constatar a predominância de dois discursos: o de que esses projetos tradutórios promovem o triunfo do texto bíblico sobre seu distanciamento temporal, ajudando a atualizar a linguagem bíblica, e o de a compreensão da Bíblia pode ser facilitada pela linguagem empregada na tradução, principalmente em razão da aplicação do método da equivalência funcional. A discussão teórico-metodológica indicou que a dinamicidade das línguas e o confronto causado entre a linguagem “contemporânea” e a “tradicional” já consolidada na consciência linguística dos leitores/ouvintes da Bíblia ameaçam a sobrevida de tais traduções. Além disso, na busca pela simplificação da linguagem, as equipes de tradução lançam mão de estratégias linguísticas que visam a tornar o texto bíblico compreensível. Em consequência, apesar da promoção da democratização do acesso ao texto bíblico, acaba gerando dificuldades à recepção do texto, uma vez que a linguagem dessas traduções se propõe acessível a todos, mas, ao mesmo tempo, pode não ser reconhecida por ninguém em específico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francinaldo de Souza Lima, Pesquisador autônomo

Mestre em Estudos da Tradução (2019) pela Universidade Federal de Santa Catarina. Graduado em Letras Língua Portuguesa e Língua Francesa (2016) pela Universidade Federal de Campina Grande.

Referências

BARNWELL, Katharine. Tradução bíblica: Um curso introdutório aos princípios básicos de tradução. 3. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil; Anápolis: Associação Internacional de Linguística, 2011.

BÃBLIA. Volume I Novo Testamento: os quatro Evangelhos. Tradução do grego, apresentação e notas por Frederico Lourenço. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

BÃBLIA. Volume II Novo Testamento: Apóstolos, Epístolas, Apocalipse. Tradução do grego, apresentação e notas por Frederico Lourenço. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

BÃBLIA SAGRADA. Traduzida em português por: João Ferreira de Almeida. Revista e Atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 2009.

BÃBLIA SAGRADA. Nova Tradução na Linguagem de Hoje. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 2012.

BÃBLIA SAGRADA. Nova Versão Transformadora. São Paulo: Editora Mundo Cristão, 2016.

BÃBLIA SAGRADA DE APARECIDA. Traduzido por: Pe. José Raimundo Vidigal. Aparecida: Editora Santuário, 2006.

CARMO, Felipe; MELO, Ketlin. A Bíblia na linguagem de Hoje. In: TORRES, Milton L.; HOSOKAWA, Elder; SCHÄFFER, Ana M. de M.; AGUIAR, Adenilton T (orgs.). Sermo Vulgaris: a jornada das traduções da Bíblia de volta à língua do povo. Cachoeira: CePLiB, 2013. p. 259-273.

FURLAN, Mauri. A teoria de tradução de Lutero. In: ENDRUSCHAT, Annette; SCHÖNBERGER, Axel. Übersetzung und Übersetzen aus dem und ins Portugiesische. Frankfurt am Main: Domus Editoria Europaea, 2004. p. 11-21.

GEISLER, Norman; NIX, William. Introdução bíblica: como a Bíblia chegou até nós. Traduzido por: Oswaldo Ramos. São Paulo: Editora Vida, 2006. Tradução de: From God to us: how we got our Bible.

GENETTE, Gérard. Paratextos editoriais. Traduzido por: Álvaro Faleiros. Cotia, São Paulo: Ateliê Editorial, 2009. Tradução de: Seuils.

GIRALDI, Luiz Antônio. História da Bíblia no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 2013.

GOHN, Carlos Alberto. Pesquisa em torno de textos sensíveis: os livros sagrados. In: PAGANO, Adriana Silvina (org.). Metodologias de pesquisa em Tradução. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2001. p. 147-170.

GUTT, Ernst-August. Teoria da Relevância e tradução: em busca de um novo realismo para a tradução da Bíblia. In: ALVES, Fábio; GONÇALVES, José Luiz (org.) Relevância em tradução: perspectivas teóricas e aplicadas. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2006, p. 35-55.

KONINGS, Johan. Tradução e traduções da Bíblia no Brasil. In: GOHN, Carlos; NASCIMENTO, Lyslei. A Bíblia e suas traduções. São Paulo: Humanitas, 2009. p. 103-126.

LIMA, Francinaldo de Souza. Bíblia, vulgo “Palavra de Deus”: o projeto tradutório de bíblias vulgatas brasileiras. 2019. Dissertação (Mestrado em Estudos da Tradução) ”“ Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2019.

LOPES, Mariú Moreira Madureira. A sensibilidade na tradução bíblica: aspectos linguísticos e socioculturais. 2008. Dissertação (Mestrado em Letras) ”“ Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2008.

LOUW, Johannes; NIDA, Eugene. Léxico grego-português do Novo Testamento baseado em domínios semânticos. Traduzido por: Vilson Scholz. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 2013. Tradução de: Lexical Semantics of the Greek New Testament.

MESCHONNIC, Henri. Poética do traduzir. Traduzido por: Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich. São Paulo: Perspectiva, 2010. Tradução de: Poétique du traduire.

MILLER, S. M; HUBER, R. V. A Bíblia e sua história: o surgimento e o impacto da Bíblia. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 2006.

MILTON, John. Tradução: teoria e prática. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

NAMA, Charles Atangana; ABRAMOWSKI, Anneliese; HORGUELIN, Paul; NINTAI, Moses Nunyi; WEISSBROD, Rachel; WOLLIN, Lars; WOODSWORTH, Judith. Os tradutores na história. In: DESLILE, Jean & WOODSWORTH, Judith (orgs.). Os tradutores na História. Traduzido por: Sérgio Bath. São Paulo: Ática, 1998. p. 37-75. Tradução de: Translators through history.

NIDA, Eugene E. Toward a Science of Translating. Leiden: Brill, 1964.

NORD, Christiane. Análise textual em tradução: bases teóricas, métodos e aplicação didática. Coordenação da tradução e adaptação de Meta Elisabeth Zipser. São Paulo: Rafael Copetti Editor, 2016. Tradução de: Text Analysis in Translation.

NOVA BÃBLIA PASTORAL. São Paulo: Editora Paulus, 2014.

NOVA BÃBLIA VIVA. São Paulo: Mundo Cristão, 2010.

PETERSON, Eugene H. A Mensagem: Bíblia em Linguagem Contemporânea. São Paulo: Editora Vida, 2011.

RAUPP, Marcelo. A história da transmissão e da tradução da Bíblia em nível mundial e no Brasil e as marcas ideológicas nas primeiras traduções brasileiras completas dessa obra. 2015. Tese (Doutorado em Estudos da Tradução) ”“ Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

SAYÃO, Luiz Alberto Teixeira. NVI: a Bíblia do século 21. 2. ed. São Paulo: Editora Vida, 2003.

SCHÄFFER, Ana Maria de Moura. As traduções da Bíblia e as teorias da tradução. In: TORRES, Milton L.; HOSOKAWA, Elder; SCHÄFFER, Ana M. de M.; AGUIAR, Adenilton T (orgs.). Sermo Vulgaris: a jornada das traduções da Bíblia de volta à língua do povo. Cachoeira: CePLiB, 2013. p. 231-248.

SCHLEIERMACHER, Friedrich Daniel Ernst. Sobre os diferentes métodos de tradução. Tradução de Celso R. Braida. In: HEIDERMANN, Werner (org.). Clássicos da Teoria da Tradução: antologia bilíngue alemão-português. 2. ed. Florianópolis: PGET/UFSC, 2010 [1813]. 1 v. p. 37-101.

SCHOLZ, Vilson. O desafio da tradução bíblica para o Português hoje. Série Monográfica de Ciência das Religiões ”“ coleção (Re)pensar a Religião, Lisboa, p. 121-139, nov. 2013. Disponível em: http://revistas.ulusofona.pt/index.php/seriemonograficacienciadasreligi/article/view/3959. Acesso em: 4 set. 2020.

SIMON, Sherry; BRATCHER, Robert; BUTOROVIC, Amila; KAUFMANN, Francine; KHAMMAS, Achmed; PEZZINI, Domenico; SHARMA, Arvind. Os tradutores e a difusão das religiões. In: DESLILE, Jean & WOODSWORTH, Judith (orgs.). Os tradutores na História. Traduzido por: Sérgio Bath. São Paulo: Ática, 1998. p. 169-197. Tradução de: Translators through history.

STERN, David H. Bíblia Judaica Completa: o Tanakh [AT] e a B’riHadashah [NT]. Traduzido por: Rogério Portella, Celso Eronildes Fernandes. São Paulo: Editora Vida, 2010.

TEIXEIRA, Paulo; ZIMMER, Rudi. Traduções da Bíblia: história, princípios e influência. In: SOCIEDADE BÃBLICA DO BRASIL. Manual do Fórum de Ciências Bíblicas. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 2008. p. 41-70.

VENUTI, Lawrence. The translator’s invisibility: a history of translation. London: Routledge, 1995.

Downloads

Publicado

31-10-2020

Como Citar

LIMA, Francinaldo de Souza. Bíblias vulgatas brasileiras: relações entre tradução e linguagem. Belas Infiéis, Brasília, Brasil, v. 9, n. 5, p. 115–134, 2020. DOI: 10.26512/belasinfieis.v9.n5.2020.30487. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/article/view/30487. Acesso em: 21 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.