A tradução de “Pink Dog” de Elizabeth Bishop para o contexto baiano contemporâneo de poesia slam: um processo de recriação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/belasinfieis.v9.n5.2020.26762

Palavras-chave:

Tradução de Poesia. Domesticação. Poesia Slam. Violência Urbana.

Resumo

O poema "Pink Dog" de autoria de Elizabeth Bishop revela a denúncia de um tipo social marginalizado pela sociedade carioca dos anos de 1960, maquiada pelo carnaval da “cidade maravilhosa”. Este artigo comenta e justifica uma tradução domesticante do poema para a cidade de Salvador na década de 2010. A domesticação foi realizada a partir de escolhas linguístico-culturais para o português brasileiro na variedade soteropolitana. Alguns elementos foram bastante preservados, tais como a forma e o tom. O tom de denúncia se manteve jocoso e agressivo, porém agravado, por conta do estilo do poema traduzido, pois se tornou um poema slam. A tradução pode ser caracterizada como poesia slam por sua “batida” mais violenta e popular. Assim, contextualizando ambos os textos fonte e alvo e com apoio da metodologia de tradução de poesia sugerida por Robert Bly (1986), o artigo apresenta as estratégias e decisões que foram tomadas durante o processo de recriação (BRITTO, 2002). A domesticação justifica-se pela constante urgência em denunciar e atualizar em forma de poesia os abusos de violência na Bahia semelhantemente mascarados pela importância social do carnaval tal como no Rio de Janeiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marília Santana, Universidade Federal da Bahia

Graduanda do curso de Letras da Universidade Federal da Bahia. Slammer poetisa, tradutora, professora de inglês do Núcleo Permanente de Extensão em Letras (NUPEL). Universidade Federal da Bahia, Instituto de Letras, Departamento de Letras Germânicas. Salvador, Bahia, Brasil.

Monique Pfau, Universidade Federal da Bahia

Professora adjunta da Universidade Federal da Bahia. Doutora (2016) e Mestre (2010) em Estudos da Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina. Graduada em Letras Inglês (2016) e em história (2003) pela mesma instituição. Universidade Federal da Bahia, Departamento de Letras Germânicas. Salvador, Bahia, Brasil.

Referências

ASKEW, Kelly M. As Plato Duly Warned: Music, Politics, and Social Change in

Coastal East Africa. Anthropology Quarterly, v. 76, n. 4, p. 609-637, 2003. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/3318282?seq=1. Acesso em: 20 jul. 2020.

BLY, Robert. The eight stages of translation. The Kenyon Review, v. 4, n. 2, p. 68-89, 1982. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/i403449. Acesso em: 20 jul. 2020.

BRITTO, Paulo Henriques. Para uma avaliação mais objetiva das traduções de poesia. Eutomia, Recife, v. 1, n. 20, p. 226-2,42, dez. 2017. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/EUTOMIA/article/view/234813. Acesso em: 16 jul. 2020.

COSTA, Márcia. São Paulo e Rio de Janeiro: a constituição do Esquadrão da Morte. Anais do XXII Encontro Anual da ANPOCS. Caxambu/Minas Gerais, 1998.

CUCINELLA, Catherine. Dress up! Dress up and dance at Carnival!: The Body in Elizabeth Bishop's Pink Dog. Rocky Mountain Review of Language and Literature, v. 56, n. 1, p. 73-83, 2002. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/1348014?seq=1. Acesso em: 20 jul. 2020.

D'ALVA, Roberta Estrela. Um microfone na mão e uma ideia na cabeça ”“ o poetry slam entra em cena. Synergies Brésil, n. 9, p. 119-126, 2011. Disponível em: https://gerflint.fr/Base/Bresil9/estrela.pdf. Acesso em: 20 jul. 2020.

DE MELLO NETO, David Maciel. ‘Esquadrão da morte': Uma outra categoria da acumulação social da violência no Rio de Janeiro. Dilemas-Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 10, n. 1, p. 132-162, 2016. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/dilemas/article/view/7752. Acesso em: 20 jul. 2020.

DE OLIVEIRA BATISTA, Eduardo Luis Araújo. O método de Elizabeth Bishop na tradução de poemas brasileiros. Cadernos de tradução, v. 1, n. 15, p. 55-68, 2005. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/traducao/article/view/6582. Acesso em: 20 jul. 2020.

PYM, Anthony. The moving text: Localization, translation, and distribution. John Benjamins Publishing, 2004.

VENUTI, Lawrence. The translator's invisibility: A history of translation. Routledge, 1995.

VENUTI, Lawrence. Escândalos da Tradução. Traduzido por Laureano Pelegrin, Lucinéia Marcelino Villela, Marileide Dias Esqueda e Valéria Biondo. São Paulo: EDUSC, 2002.

Downloads

Publicado

31-10-2020

Como Citar

SANTANA, Marília; PFAU, Monique. A tradução de “Pink Dog” de Elizabeth Bishop para o contexto baiano contemporâneo de poesia slam: um processo de recriação. Belas Infiéis, Brasília, Brasil, v. 9, n. 5, p. 75–92, 2020. DOI: 10.26512/belasinfieis.v9.n5.2020.26762. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/article/view/26762. Acesso em: 27 maio. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.