Uma perspectiva decolonial sobre formação de professores e educação das relações étnico-raciais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/lc.v27.2021.35968

Palavras-chave:

Formação de professores, Educação das relações étnico-raciais, Educação superior

Resumo

O objetivo deste estudo é relacionar a formação de professores e a educação das relações étnico-raciais sob uma perspectiva decolonial. Partimos do pressuposto, reforçado também por outros autores, como Coelho e Coelho (2018), Pereira e Pereira (2020), Reis (2018), entre outros, de que a formação de professores é central para a construção de uma educação antirracista. Assim, analisamos algumas pesquisas sobre a inserção da temática da educação das relações étnico-raciais em cursos de formação de professores. Concluímos que esse processo ocorre de forma fragmentada e insuficiente, e que, diante de uma concepção decolonial, a transformação das universidades precisa ocorrer de forma estrutural em sua organização e currículo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Débora Ribeiro, Universidade Federal do Paraná, Brasil


Mestra em Educação pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (2018). Doutoranda em Educação pela Universidade Federal do Paraná. Professora da rede municipal de ensino de Guarapuava. Membra do Grupo de Pesquisa Trabalho Educação e História – GETEH (UNICENTRO). E-mail: deboraribeiromsncom@msn.com

Ronan da Silva Parreira Gaia, Universidade de São Paulo, Brasil

Mestre em Ciências pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem Psiquiátrica da EERP-USP (2021). Membro do 'Tierno Bokar: Núcleo de pesquisas e estudos sobre o fenômeno religioso' (UNILAB/CNPq). E-mail: ronangaia@yahoo.com.br

Referências

Brasil. (1934). Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil. Assembléia Nacional Constituinte. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao34.htm

Brasil. (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Brasil. (2003). Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm

Brasil. (2004). Parecer CNE/CP nº 3, de 10 de março de 2004. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/cnecp_003.pdf

Brasil. (2006). Orientações e Ações para a Educação das Relações Étnico-Raciais. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/orientacoes_etnicoraciais.pdf

Brasil. (2008). Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm

Brasil. (2012). Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm

Castro-Gómez, S. (2005). La hybris del punto cero: ciencia, raza y ilustración en Nueva Granada (1750-1816). Editorial Pontificia Universidad Javeriana.

Coelho, W. de N. B., & Coelho M. C. (2018). As licenciaturas em História e a Lei 10.639/03 - percursos de formação para o trato com a diferença? Educação em Revista, 34, 1-39. http://doi.org/10.1590/0102-4698192224

Coelho, W. de N. B., & Padinha, M. do S. R. (2011). Formação de professores e conhecimento teórico-metodologico sobre racismo, preconceito e discriminação racial no ensino fundamental. Políticas Culturais em Revista, 1(14), 53-65. https://periodicos.ufba.br/index.php/pculturais/article/view/5319/3847

Ferreira, V. M. (2018). Tensões em torno da questão étnico-racial no currículo de cursos de pedagogia. [Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo]. Repositório Institucional da USP. http://doi.org/10.11606/T.48.2018.tde-19042018-134436

Gomes, N. L. (2019). O movimento negro brasileiro indaga e desafia as políticas educacionais. Revista ABPN, 11, 141-162. https://doi.org/10.31418/2177-2770.2019.v11.c.1.p141-162

Goodson, I. F. (2008). Currículo: teoria e história. Editora Vozes.

Grosfoguel, R. (2007). Descolonizando los universalismos occidentales: el pluri-versalismo transmoderno descolonial desde Aimé Césaire. Em R. Grosfoguel. El giro decolonial: reflexiones para una diversidad más allá del capitalismo global. Siglo del Hombre Editores; Universidad Central de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana; Instituto Pensar.

Guimarães, A. S. A. (2011). Raça, cor, cor da pele e etnia. Cadernos de Campo, 20, 265-271. https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/download/36801/39523

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2018) Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua. https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101657_informativo.pdf

Melo, A. de, & Ribeiro, D. (2019). Eurocentrismo e currículo: apontamentos para uma construção curricular não eurocêntrica e decolonial. e-Curriculum, 17(4), 1781-1807. http://doi.org/10.23925/1809-3876.2019v17i4p1781-1807

Mignolo, W. (2003). Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Editora UFMG.

Oliveira, R. P. (2007). Da universalização do ensino fundamental ao desafio da qualidade: uma análise histórica. Educação & Sociedade, 28(100), 661-690. https://doi.org/10.1590/S0101-73302007000300003.

Paiva, A. R. (2011). Movimentos sociais e políticas de ação afirmativa nas universidades brasileiras: a ação do movimento negro. Em I. Scherer-Warren, & L. H. H. Lüchmann. Movimentos sociais e participação: abordagens e participação no Brasil e na América Latina (pp. 95-115). Ed. da UFSC.

Pereira, C. L., & Pereira M. R. S. (2020). Descolonização da política curricular monocultural e monorracista da formação de professores na área das ciências da natureza: rumo ao currículo e educação antirracistas. Society and Development, 9(8), 1-21. http://doi.org/10.33448/rsd-v9i8.6085

Quijano, A. (2005). Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. Em E. Lander. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas (pp. 107-130). CLACSO.

Reis, N. do C. (2018). As relações étnico-raciais na formação de pedagogos. [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de São Paulo]. Repositório Institucional da Unifesp. https://repositorio.unifesp.br/handle/11600/50196

Ribeiro, D., & Melo, A. de. (2019). Construção do conhecimento e eurocentrismo nas Universidades: apontamentos para uma pluriversidade. Revista Educação em Questão, 57(51), 1-24, https://doi.org/10.21680/1981-1802.2019v57n51ID15551

Ribeiro, D., Gaia, R. S. P., & Rodrigues, J. M. C. (2020). Colonialidade e raça: implicações eurocêntricas para o currículo. Revista Cocar, 14(30), 1-21. https://periodicos.uepa.br/index.php/cocar/article/view/3499

Santos, B. de S. (2010). Descolonizar el saber, reinventar el poder. Ediciones Trilce.

Silva, F. de L., Costa A. F. G. da, & Silva T. P. da. (2019). As relações étnico-raciais e os currículos dos cursos de licenciatura de uma universidade do Mato Grosso do Sul. Colloquium Humanarum, 16(3), 76-88. http://doi.org/10.5747/ch.2019.v16.n3.h434

Silva, L. C. R. da., & Dias, R. de B. (2020). As tecnologias derivadas da matriz africana no Brasil: um estudo exploratório. Linhas Críticas, 26, 1-16. https://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/28089/27272

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

06.04.2021

Como Citar

Ribeiro, D., & da Silva Parreira Gaia, R. (2021). Uma perspectiva decolonial sobre formação de professores e educação das relações étnico-raciais. Linhas Crí­ticas, 27, 1–16. https://doi.org/10.26512/lc.v27.2021.35968

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.