Canções para não serem esquecidas

os rastros da Nueva Canción Chilena na memória da resistência cultural brasileira nos anos 1970

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v1i39.37002

Palavras-chave:

Ditadura civil-militar., Memória., Resistência cultural.

Resumo

A Música Popular Brasileira e a Nueva Canción Chilena foram expressões artístico-culturais críticas ao autoritarismo imposto pelo Estado, em um período predominantemente marcado por regimes militares no Cone Sul. Nos últimos anos houve um crescimento de pesquisas que buscaram estabelecer conexões entre a MPB e a Nueva Canción Chilena, com enfoque nas perspectivas da história comparada e transnacional. O presente artigo tem o intuito de explorar a presença da Nueva Canción Chilena na memória da resistência cultural brasileira, a partir da análise do livreto Cancionero de la Nueva Canción Chilena, localizado no Archivio Storico del Movimento Operaio Brasiliano (ASMOB). Os significados da guarda e da produção desse documento apontam caminhos para pensar fluxos e redes culturais, principalmente no que diz respeito a experiência do exílio que está relacionada ao contexto da fonte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARTH, Fredrik. Etnicidade e o Conceito de Cultura. Antropolítica: Revista Contemporânea de Antropologia e Ciência Política, v. 2, n. 19, p. 15-30, 2005.

BJERG, M. La inmigración como un viaje emocional. Una reflexión a partir del caso de la Argentina entre fines del siglo XIX y al Segunda Posguerra. Anuario del Instituto de Historia Argentina, v. 20, n. 1, p. 1-15, 11 maio 2020. Disponível em: <http://sedici.unlp.edu.ar/handle/10915/102895>.

CIAVATTA, Maria. A memória sem medo: sobre o resgate de pessoas e documentos das garras da ditadura. Acervo, v. 27, n. 1, p. 156-166, jan/jun. 2014.

CONRAD, Sebastian. Posicionalidade e abordagens centradas. In: O que é a História Global? Lisboa: Edições 70, 2019. p. 197-222.

CUNHA, Letícia Alves da. Do nacional-popular ao popular latino-americano: Milton Nascimento e o discurso latino-americanista na música popular brasileira. Campinas, 2019. 184p. Dissertação de Mestrado (Sociologia) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas.

DALMÁS, Carine. As brigadas muralistas da experiência chilena: propaganda política e imaginário revolucionário. História (São Paulo), v. 26, n. 2, p. 226-256, 2007.

DEL ROIO, José Luiz. Como nasceu o ASMOB. Revista Novos Rumos, n. 24, p. 61-62. 1995.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. O rastro e a cicatriz: metáforas da memória. Pro-Posições, Campinas, v. 13, n. 3, p. 125-133. 2016.

GARCÍA, Tânia da Costa. Tarancón: invenção sonora de um Brasil latino-americano. ArtCultura, v. 8, n. 13, 2006.

____. Abílio Manoel e a ola latinoamericana no Brasil dos anos de 1970. Música Popular em Revista, Campinas, ano 4, v. 1, p. 68-84, jul.-dez. 2015.

Guado: officine creative dal 1969. Il Guado: la storia. Texto sobre a história da quinta Il Guado. Disponível em: <https://www.guadoofficinecreative.it/il-guado/>. Acesso em: 30 jan. 2021.

____. Documento institucional sobre a história do Il Guado. Disponível em: <https://www.guadoofficinecreative.it/wp-content/uploads/2020/04/storiadelguado2020.pdf>. Acesso em: 30 jan. 2021.

GOMES, Caio de Souza. “Cada verso é uma semente no deserto do meu peito”: exílio, resistência e conexões transnacionais na canção engajada latino-americana (anos 1970). São Paulo, 2018. 169p. Tese de Doutorado (História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

____. “Do canto da boca escorre metade do meu cantar”: diálogos entre a canção engajada brasileira e a nueva canción latino-americana a partir do disco Sérgio Ricardo (1973). In: XXIX Simpósio Nacional de História, Brasília, 2017. 17p.

____. “Mas um dia tudo mudou, a vida se transformou, e a nossa canção também”: música e engajamento no Brasil e no Uruguai a partir das obras de Geraldo Vandré e Daniel Viglietti (1968). In: Anais do XXVI Simpósio Nacional de História, São Paulo, julho 2011. 16p.

IL GUADO. Cancionero de la Nueva Canción Chilena. [Tradução Giselle Paz]. Milão: Il Guado, 1976. 34p. ASMOB, Centro de Documentação e Memória da UNESP.

MAMANI, Ariel. El equipaje del destierro: exilio, diáspora y resistencia de la nueva canción chilena (1973-1981). Revista Divergencia, ano 2, n. 3, p. 9-35. 2013.

NAPOLITANO, Marcos. A “resistência cultural” durante o regime militar brasileira: um novo olhar historiográfico. In: MOTTA, Rodrigo Patto Sá (Ed.). Ditaduras militares: Brasil, Argentina, Chile e Uruguai. Minas Gerais: Editora UFMG, 2015. p. 193-211

PESSANHA, Elina. Entrevista de José Luiz Del Roio: guardião da memória operária no período da ditadura militar (1964-1985). Revista Trabalho Necessário, v. 18, n. 35, p. 370-380, 23 jan. 2020.

TEÓFILO, Mariana Santos. Música folclórica engajada: Chile e Brasil. In: Anais do II Simpósio Internacional Pensar e Repensar a América Latina, São Paulo, 2016. 14p.

UNESP. Centro de Documentação e Memória da UNESP (CEDEM). Texto sobre o ASMOB. Disponível em: <https://www.cedem.unesp.br/#!/acervo/asmob/>. Acesso em 21 jan. 2021.

VELHO, Gilberto. Memória, identidade e projeto. IN: Projeto e metamorfose: antropologia das sociedades complexas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1994.

WOZNIAK-GIMÉNEZ, Andrea Beatriz. Renovacao poetico-musical, engajamento e performance artistica em Mercedes Sosa e Elis Regina, (1960-1970). Franca, 2016. 337p. Tese de Doutorado (História e Cultura Social) - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho".

Downloads

Publicado

2021-12-13

Como Citar

SOARES, R. L. Canções para não serem esquecidas: os rastros da Nueva Canción Chilena na memória da resistência cultural brasileira nos anos 1970. Em Tempo de Histórias, [S. l.], v. 1, n. 39, 2021. DOI: 10.26512/emtempos.v1i39.37002. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/37002. Acesso em: 6 out. 2022.