A política da morte nos projetos abolicionistas de Andrade Corvo e Joaquim Nabuco

Autores

  • Gabriel Felipe Silva Bem Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v1i36.31728

Palavras-chave:

Abolicionismo, Colonização, Escravidão

Resumo

O presente artigo tem como principal objetivo construir uma história interligada entre o pensamento de dois autores abolicionistas do século XIX: João de Andrade Corvo e Joaquim Nabuco, sendo o primeiro português e o segundo brasileiro. O eixo norteador da análise é o conceito de necropolítica do autor Achille Mbembe. Tentou-se comprovar que os projetos abolicionistas dos dois autores carregavam um ideal colonial que mobiliza a necropolítica, na medida que planejaram a eliminação de indivíduos negros em prol de uma idealização de sociedade ideal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CORVO, João de Andrade. Estudos sobre as províncias ultramarinas. Lisboa:Typographia da cademia Real das Sciencias. 1883 -1887. 4 vols.
DAVIS, David Brion. O problema da escravidão na cultura ocidental. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.
FOUCAULT, M. Arqueologia do saber. Petrópolis: Vozes, 1971.
MBEMBE, Achille. Necropolítica. São Paulo: N-1 edições, 2018.
MUDIMBE, Valentin-Yves. A invenção de África: gnose, filosofia e a ordem do conhecimento. Luanda, Mangualde (Portugal): Edições Mulemba, Edições Pedago, 2013.
NABUCO, Joaquim. O Abolicionismo. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2003.
PARRON, Tâmis. A política da escravidão na Era da Liberdade: Estados Unidos, Brasil e Cuba, 1787-1846. Tese de Doutorado: FFLCH-USP, 2015.
SAID, Edward W. Orientalismo: O Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia de Bolso, 2016.
YOUSSEF, Alain El. O Império do Brasil na segunda era da abolição (1861-1880). Tese de Doutorado: FFLCH-USP, 2019.

Downloads

Publicado

2020-07-04

Como Citar

FELIPE SILVA BEM, G. A política da morte nos projetos abolicionistas de Andrade Corvo e Joaquim Nabuco. Em Tempo de Histórias, [S. l.], v. 1, n. 36, 2020. DOI: 10.26512/emtempos.v1i36.31728. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/31728. Acesso em: 7 dez. 2022.