Disputa entre Memórias Enquadradas e Subterrâneas nas manifestações ocorridas na Polícia Militar do Maranhão no ano de 2011: observações preliminares

Autores

  • Paulo Henrique Matos de Jesus

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v1i33.23555

Palavras-chave:

Memórias. Tempo Presente. Polícia Militar.

Resumo

O presente artigo pretende apresentar um panorama historiográfico ancorado cronologicamente no tempo presente. Primeiramente, apresentam-se as perspectivas analíticas de Reinhart Koselleck e François Hartog sobre o tempo, regimes de historicidade e tempo presente. Em seguida, os estudos sobre o tempo presente fundamentados no campo teórico da Nova História Política. Conseguinte, faz-se uma análise das memórias enquanto campo de gestão do passado e o uso dos recursos metodológicos da História oral como ferramentas adequadas para tal análise. Por fim, oferece-se uma análise/observação da Polícia Militar do Maranhão (PM-MA) como campo de disputas de memórias a partir das manifestações realizadas em 2011 por parte de seus quadros, podendo ser compreendidas como elemento de uma complexa teia de problemas que cercam a segurança pública no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Juniele Rabêlo de. Tropas em protesto: o ciclo de movimentos reivindicatórios dos policiais militares brasileiros no ano de 1997. São Paulo, 2010. Tese (História Social) ”“ Universidade de São Paulo, 2010.

BELTRANO DE TAL. Entrevista concedida a Paulo Henrique Matos de Jesus. São Luís, 14 de dezembro de 2018, gravada por meio digital.

BICUDO, Hélio. A unificação das polícias no Brasil. Estudos Avançados, São Paulo: Instituto de Estudos Avançados da USP, n. 40, p. 91-106, 2000.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: <http://www.senado.gov.br/atividade/const/con1988/CON1988_05.10.1988/art_144_.asp.> Acesso em: 20 jul 2018.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em <http://www.senado.leg.br/atividade/const/con1988/con1988_12.07.2016/art_142_.asp.> Acesso em: 20 jul 2018.

CASTRO, Celso. O Espírito Militar: um estudo de Antropologia Social na Academia Militar das Agulhas Negras. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1990.

CICRANO DE TAL. Entrevista concedida a Paulo Henrique Matos de Jesus. São Luís 11 de novembro de 2018, gravada por meio digital.

CRUZ, Heloísa de Freitas; PEIXOTO, Maria do Rosário da Cunha. Na oficina do Historiador: conversas sobre história e imprensa. Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História,São Paulo, v. 1, n. 35, p. 253-270, dez. 2007.

DECRETO-LEI Nº 667 de 1969. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/Del0667.htm>, acesso em 20 jul. 2018.

DELGADO, Lucilia de Almeida Neves; FERREIRA, Marieta de Jesus (Org.). História do tempo presente. Rio de Janeiro: FGV Editora, v. 1, 2014.

FERREIRA, Marieta de Moraes. A Nova “Velha História”: O Retorno da História Política. Revista Estudos Históricos, v. 5, n. 10, p. 265-271, 1992.

FULANO DE TAL. Entrevista concedida a Paulo Henrique Matos de Jesus. São Luís, 11 de novembro de 2018, gravada por meio digital.

HARTOG, François. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Tradução de Andréa S. de Menezes, Bruna Beffart, Camila R. Moraes, Maria Cristina de A. Silva e Maria Helena Martins. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

HARTOG, François. Tempo, história e a escrita da história: a ordem do tempo. Revista de História, n. 148, p. 09-34, 2003. Disponível em <http://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/>, acesso em 27 jul. 2018.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.

KOSELLECK, Reinhart. Los estratos del tiempo: studios sobre la historia. Barcelona: Paidós Ibérica, 2001.

(PPGHIS/UnB) Nº. 33, Brasília, Ago ”“ Dez 2018 ISSN 2316-1191

NEVES, Lucilia de Almeida. História Oral: memória, tempo, identidades. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2006.

POLLAK, Michael. Memória e identidade. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 200-212, 1992.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro. v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

RIOUX, Jean Pierre. Pode-se fazer uma história do presente? In: CHAUVEAU, Agnè; TÉTARD, Philippe. Questões para a História do Presente. São Paulo: EDUSC, 1999, p. 39-50.

SOARES, Zeca. Polícia Militar pede ao MP prisão de líderes da greve. São Luís, 24 de nov. 2011. Disponível em <https://www.blogsoestado.com/zecasoares/2011/11/24/policia-militar-pede-ao-mp-prisao-de-lideres-da-greve/>. Acesso em 06 de agosto de 2018.

SOARES, Zeca. TJ considera greve dos policiais e bombeiros ilegal. São Luís, 24 de nov. 2011. Disponível em <https://www.blogsoestado.com/zecasoares/2011/11/24/tj-considera-greve-dos-policiais-e-bombeiros-ilegal/>. Acesso em 06 de agosto de 2018.

SOARES, Zeca. Auditor militar julga improcedente prisão de líderes da greve. São Luís, 25 de nov. 2011. Disponível em <https://www.blogsoestado.com/zecasoares/2011/11/25/auditor-militar-julga-improcedente-prisao-de-lideres-da-greve/>. Acesso em 09 de agosto de 2018.

Downloads

Publicado

2019-03-17

Como Citar

DE JESUS, P. H. M. Disputa entre Memórias Enquadradas e Subterrâneas nas manifestações ocorridas na Polícia Militar do Maranhão no ano de 2011: observações preliminares. Em Tempo de Histórias, [S. l.], v. 1, n. 33, p. 90–112, 2019. DOI: 10.26512/emtempos.v1i33.23555. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/23555. Acesso em: 3 fev. 2023.