Carnaval é política:

a criação da Federação Carnavalesca de Pernambuco (1930-1950)

Autores

  • Rosana Maria dos Santos

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v1i33.22854

Palavras-chave:

Carnaval. Federação Carnavalesca de Pernambuco. Estado Novo.

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar a organização do Carnaval do Recife como parte do processo de modernização da capital pernambucana (1930-1950). O controle aos populares durante o reinado de Momo torna-se intenso à medida que a cidade precisava mostra-se civilizada e com ordem.  As elites procuraram interferir no cotidiano da classe operária, buscando neutralizar movimentos tanto políticos quanto de lazer e divertimentos. Desse modo, houve um incentivo à assimilações de práticas moralizantes, assim como também, uma tentativa de adestrar os dominados, para assim obter o controle nos seus momentos de não trabalho, procurando controlar os seus hábitos e diversões. A conquista das ruas pelo povo fez crescer a violência no reinado de Momo. Os anos de 1930 são marcados por uma forte competitividade e conflitos entre os clubes carnavalescos. E essa onda de violência tornou-se uma preocupação não só das autoridades políticas, mas também dos empresários da época. Diante da insegurança durante dias de festa, na década de 1930 foi criada a Federação Carnavalesca Pernambucana.  De acordo com o Anuário do Carnaval pernambucano, os argumentos que justificavam a sua criação eram que a “alta sociedade” pernambucana estava interessada no progresso do Estado, e que se fazia necessário tornar o Recife uma cidade do turismo, do Carnaval e da ordem. Assim o artigo traz contribuições para o estudo do fenômeno da festa, no nosso caso, o Carnaval, e os desdobramentos, vozes e interesses que nele circulam. A pesquisa dialoga com historiadores da história social da cultura, como E. P. Thompson e Michel de Certeau, com o objetivo de entender as formas festivas da sociedade e principalmente o ser social que está inserido nas suas normas e estruturas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, D. M. Festas para que te quero: por uma historiografia do festejar. Revista Patrimônio e memória, UNESP-FCLAs-CEDAP, v.7,n.1,pp.134-150, jun.2011.

ALMEIDA, Maria das Graças Andrade Ataíde de. A construção da verdade autoritária. São Paulo: Humanitas: FFLCH: USP, 2001, p.149.

ARRAES, Marcos Alexandre. Primeiro enunciado de Modernidade: o discurso do moderno no Recife nas décadas iniciais do século XX. Revista do departamento de História e Ciências Sociais, UFG, v. 7, p. 101-121, 2010.

ARRAIS, Raimundo. Recife, culturas e Confrontos. Natal: EDUFRN, 1998.

ARAÚJO, Rita de Cássia Barbosa de. Festas: Máscaras do tempo: entrudo, mascarada e frevo no Carnaval do Recife. Recife: Fundação de Cultura da Cidade do Recife, 1996

ARAÚJO, Rita de Cássia Barbosa de. DIP DOPS no frevo: Carnaval, política e identidade cultural em Pernambuco (1930-1945). In GUILLEN, Isabel Cristina Martins (org). Tradições e traduções: a cultura imaterial em Pernambuco. Recife, Ed. UFPE, 2008.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. 1: artes de fazer. 20ª Ed. São Paulo: Vozes, 2013.

CHARTIER, Roger. Cultura Popular revisitando um conceito historiográfico. In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 8, no. 16, 1995.

COUCEIRO, Sylvia Costa. Artes de viver a cidade: conflitos e convivências nos espaços de diversão e prazer do Recife nos anos de 1920. Recife, tese de Doutorado em história. UFPE, 2003.

FARGE, Arlette.O sabor do arquivo. São Paulo: Edusp, 2009.

FERREIRA, Ascenso. Ensaios folclóricos. Recife: Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco, 1986.

LIMA, Ivaldo Marciano de França. Entre Pernambuco e a África. História dos maracatus nação do Recife e a espetacularização da cultura popular (1960-2000). Rio de Janeiro,tese de doutorado em História, UFF, 2010.

SANTANA, Andresa Bezerra de. Silêncio no centro do Recife: as práticas urbanísticas e o calar de um monumento no período estado novista. Salvador: II Seminário Internacional Urbanístico, 2012.

SANTOS, Mário Ribeiro dos. Trombones, tambores, repiques e ganzás: a festa das agremiações carnavalesca nas ruas do Recife (1930-1945). Recife, dissertação de mestrado em história, UFRPE, 2010.

SILVA, Leonardo Dantas. Elementos para história social do Carnaval do Recife. In: Maior, M. S; Silva, L.D. Antologia do Carnaval do Recife. Recife: Massangana, 1991

THOMPSON, E. P. Introdução: costume e cultura. In: THOMPSON, E. P. Costumes em comum. Estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo, Companhia das Letras, 1998.

VIDAL, Francisco Mateus Carvalho. A Fresta do estado e o Brinquedo para os populares: História da Federação Carnavalesca Pernambucana (1935-1949). Recife, dissertação de mestrado, UFPE, 2010.

Downloads

Publicado

2019-03-15

Como Citar

DOS SANTOS, R. M. Carnaval é política:: a criação da Federação Carnavalesca de Pernambuco (1930-1950). Em Tempo de Histórias, [S. l.], v. 1, n. 33, p. 113–133, 2019. DOI: 10.26512/emtempos.v1i33.22854. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/22854. Acesso em: 5 dez. 2022.