À luz da contradição: projetos neocolonialistas na oposição ao Estado Novo Português

Autores

  • Franco Santos Alves da Silva Faculdade de Letras da Universidade do Porto

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i24.14823

Palavras-chave:

colonialismo. exílio. Estado Novo português.

Resumo

O colonialismo do Estado Novo português foi um dos pilares que sustentavam o discurso da grandeza do império ultramarino, e da suposta facilidade com que Portugal estabelecia e mantinha contatos com outras culturas. Entretanto, no contexto do final da década de 1950 e início de 1960, o mundo não via com bons olhos a posse de colônias na África, como também do surgimento de diversos movimentos de resistência em Angola e Moçambique, a oposição passou a enfatizar o apoio a estes movimentos, além de denunciar os abusos cometidos em território africano, para, desta forma, buscar o próprio fim do regime. Nas páginas do jornal Portugal Livre, editado no Brasil, surgiram algumas propostas para a “questão colonial”, aonde traçavam projetos políticos de emancipação para as colônias. Escrito pelo capitão Henrique Galvão e pelo general Humberto Delgado, ambos antigos defensores do sistema colonial e dissidentes do regime, as propostas eram permeadas por um discurso neocolonialista que ajudou a aumentar o abismo existente na oposição e expor que a mentalidade colonial estava mais presente na oposição, e na própria cultura portuguesa, do que eles mesmo supunham.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

DAVIDSON, Basil. Questões do Ultramar português. Portugal Livre. Ed. 4: São Paulo, 1960.p.2.

DELGADO, Iva; PACHECO, Carlos; FARIA, Telo (Org.)Humberto Delgado ”“as eleições de 58. Lisboa: Editora Veja, 1998.

GALVÃO, Henrique. Antropófagos. Porto: Edição Jornal de Notícias, 1947.

GALVÃO, Henrique. África portuguesa de hoje e amanhã.Portugal Livre. São Paulo:1960, p. 5.

HARRIS, Marvin. O colonialismo Salazarista. Portugal Livre. Ed. 2.São Paulo: 1959, p. 5.

HARRIS, Marvin. A política de Portugal em África II ”“O indigenato. Portugal Livre Ed. 6. São Paulo:1960, p. 4.

HARRIS, Marvin. A política de Portugal em África III ”“controle do Indígena. Portugal Livre Ed.7. São Paulo,1960,p. 2.

LOPES, Ana Mônica Henriques. Neocolonialismo na África.Sankofa. Ano IV, Nº 8, Dezembro de 2011. p. 12.

MENESES, Filipe Ribeiro de. Salazar. Lisboa: Publicações D. Quixote, 2010.

OLIVA, Anderson Ribeiro. De indígena a imigrante: o lugar da África e dos africanos no universo imaginário português dos séculos XIX ao XXI.Sankofa. Revista de História da África e de estudos africanos. Nº. 3, junho de 2009.

OLIVEIRA, César. “A Evolução Política”.In:Nova História de Portugal, dir. SERRÃO, Joel; MARQUES, A. H. de Oliveira. (dir.). vol.XII, Portugal e o Estado Novo (1930-1960), ROSAS, Fernando (coord)., Lisboa, Presença, 1992

OLIVEIRA, Fabio Ruela. Trajetórias Itelectuais no Exílio: Adolfo Casai Monteiro, Jorge de Sena e Vítor Ramos (1954-194). Rio de Janeiro, Niterói, 2010. (Tese de Doutorado).

PAULO, Heloisa. “Um olhar sobre a Oposição e o Exílio no Portugal de Salazar”. In: Memória das Oposições (1927-1969). Lisboa: Minerva Coimbra, 2010.

PINTO, António Costa. O Estado Novo português e a vaga autoritária dos anos 1930 do século XX.In: O Corporativismo em Português. Estado, Política e sociedade no salazarismo e no varguismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

RABY, Dawn Linda. A Resistência Antifascista em Portugal. Comunistas, democratas e militares em oposição a Salazar, 1941-1974. Lisboa: Edições Salamandra, 1988.

RODRIGUES, Miguel Urbano. O Tempo e o Espaço em Que Vivi -I -Procurando um Caminho(memórias) Porto: Campo das Letras, 2002.

VALENTIM, Alexandre. A África no imaginário político português.Revista Penélopeno. 15. Edições Cosmos, junho de 1995.

SILVA, Douglas Mansur da. A oposição ao Estado Novo no exílio brasileiro:1956-1974.Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2006.

VIDAL, Francisco. Democracia e colonialismo.Portugal Livre Ed. 15. São Paulo: 1961. p. 1.

ZILHÃO, Paulo Manuel Pulido Garcia. Henrique Galvão: prática política e colonial (1926-36). USP, 2006 (Dissertação de mestrado).

Downloads

Publicado

2014-08-30

Como Citar

SANTOS ALVES DA SILVA, Franco. À luz da contradição: projetos neocolonialistas na oposição ao Estado Novo Português. Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 24, 2014. DOI: 10.26512/emtempos.v0i24.14823. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/14823. Acesso em: 24 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.