No caminho do medo ao crime...

Os africanos e o Atlântico: imagens sociais no Império do Brasil

Autores

  • Luiz Alberto Couceiro

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i06.20178

Palavras-chave:

Africanos. Escravos. Império do Brasil.

Resumo

Nosso objetivo neste artigo é articular as imagens que as autoridades policiais e políticas do Império do Brasil construíam acerca dos africanos que aqui aportavam e os perigos de possíveis insurreições escravas. Muitas vezes, tais autoridades e mesmo os senhores de escravos acreditaram que a presença de africanos entre os escravos tornava mais do que plausível a chance de se insurgirem. Para tanto, analisaremos documentos concernentes ao Sudeste cafeeiro das décadas de 1850,1860 e 1870.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Alberto Couceiro

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da IFCS/UFRJ.

Referências

ARQUIVO NACIONAL. “Dizem as quitandeiras...” ocupações urbanas e identidades étnicas em uma cidade escravista: Rio de Janeiro, século XIX”, in Acervo: o Arquivo Nacional e seus pesquisadores, Rio de Janeiro, vol. 15, n. 2, 2002.

AZEVEDO, Célia Maria Marinho de. Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das elites, século XIX, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

BANTON, Michael. A idéia de raça, Lisboa, Edições 70, 1979, esp. “II ”“ A racialização do Ocidente” e “III ”“ A racialização do mundo”.

BARTH, Fredrick. “Grupos étnicos e suas fronteiras”, in Philippe Poutignat & Jocelyne Streiff-Fenart, Teorias da etnicidade, São Paulo, Editora da UNESP, 1998.

BURKE, Peter. A cultura popular na idade moderna: Europa, 1500-1800, São Paulo, Companhia das Letras, 1989.

COUCEIRO, Luiz Alberto. “A disparada do burro e a cartilha do feitor: lógicas morais na construção de redes de sociabilidade entre escravos e livres em fazendas do sudeste, 1860-1888”, Revista de Antropologia ”“ USP, n. 46 (1), 2003.

¬¬___________. Bumerangue encapsulado: um estudo sobre a construção social da subjetividade numa cidade escravista, Rio de Janeiro, c.1860-c.1888, Rio de Janeiro, 7Letras, 2003.

___________. Pai Gavião e a Coroa da Salvação: crença e acusações de feitiçaria no Império do Brasil, Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia ”“ IFCS/UFRJ, 2004.

GEERTZ, Clifford. Obras e vidas: o antropólogo como autor, Rio de Janeiro, Editora UFRJ, 2002.

GIUMBELLI, Emerson. “Para além do trabalho de campo: reflexões supostamente malinowskianas”, in Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 17, n. 48.

___________. Custom and conflict in Africa, Oxford, Basil Blackwell, 1970.

___________. “Análise de uma situação social na Zululândia moderna,” in Feldman-Bianco, Bela (org. e intr.), Antropologia das sociedades contemporâneas, São Paulo, Global, 1987.

___________. Rituais de rebelião no sudeste da África, Brasília, Editora Universidade de Brasília, 1974.

GRADEN, Dale. “An act “even of public security”: slave resistance, social tensions, and the end of the international slave trade to Brazil, 1835-1856", in The Hispanic American Historical Review, vol. 76, n. 2, may, 1996.

HOBSBAWM, Eric. A era do capital, 1848-1875, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1979.

JOHNSON, Walter. “The slave trader, the white slave, and the politics of racial determintion in the 1850s”, in The Journal of American History, June 2000.

LEFEBVRE, Georges. O grande medo de 1879, Rio de Janeiro, Campus, 1979.

MACHADO, Maria Helena Pereira Toledo. Crime e escravidão: trabalho, luta e resistência nas lavouras paulistas, 1820-1888, São Paulo, Brasiliense, 1987.

MALIK, Kenan. The meaning of race: race, history and culture in Western society, London, MacMillan, 1996.

MAYER, Arno. A força da tradição: a persistência do Antigo Regime (1848-1914), São Paulo, Companhia das Letras, 1987.

MITCHELL, ClydE. The Kalela Dance, Manchester, Manchester University Press, 1956.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. Identidade, etnia e estrutura social, São Paulo, Pioneira 1976.

REIS, João José. “A greve negra de 1857 na Bahia”, in Revista USP, n. 18, jun. /jul. /ago., 1993.

¬¬¬¬___________. Rebelião escrava no Brasil: a história do levante dos malês em 1835, Edição revista e ampliada, São Paulo, Companhia das Letras, 2003.

ROBERT, W. Slenes, “As provações de um Abraão africano: a nascente nação brasileira na Viagem Alegórica de Johann Moritz Rugendas”, in Revista de História da Arte e Arqueologia, Campinas, Centro de Pesquisa da Arte e Arqueologia/IFCH-UNICAMP, n. 2, 1995-1996.

SOARES, Carlos Eugênio Líbano; GOMES, Flávio dos Santos. “”Com o pé sobre um vulcão”: africanos minas, identidades e a repressão antiafricana no Rio de Janeiro (1830-1840)”, in Estudos Afro-Asiáticos, Rio de Janeiro, ano 23, n. 2, 2001.

SOARES, Carlos Eugênio Líbano. Zungu: rumor de muitas vozes, Rio de Janeiro, Arquivo público do Estado do Rio de Janeiro, 1998.

____________. A negregada instituição: os capoeiras na corte imperial, 1850-1890, Rio de Janeiro, ACCESS, 1999.

STOCKING JR, GeorgE. “The ethnographer’s magic: fieldwork in British Anthropology from Tylor to Malinowski”, in Stocking Jr., George W. (ed.), Observers observed: essays on ethnographic fieldwork. History of Anthropology, vol. 1, Wisconsin, The University of Wisconsin Press, 1983.

THORNTON, Robert. “Narrative ethnography in Africa, 1850-1920: the creation and capture of an appropriate domain for Anthropology”, in Man: New Series, vol. 18, n. 3, sep.1983

Downloads

Publicado

2011-02-07

Como Citar

COUCEIRO, L. A. No caminho do medo ao crime...: Os africanos e o Atlântico: imagens sociais no Império do Brasil. Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 06, 2011. DOI: 10.26512/emtempos.v0i06.20178. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/20178. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos