O anticomunismo nos discursos políticos dos anos JK

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i14.20014

Palavras-chave:

Anticomunismo. Análise de Discurso. Imaginário.

Resumo

O presente artigo fará uma análise dos discursos políticos do Presidente Juscelino Kubitscheck a fim de perceber a permanência e a reelaboração de um discurso anticomunista que esteve presente no imaginário político e social brasileiro desde os anos 30. Analisaremos o que consideramos uma contradição: a coexistência da imagem cristalizada no imaginário social brasileiro do governo Kubitschek como uma feliz combinação de democracia e desenvolvimento, com práticas autoritárias e conservadoras. Através da Análise de Discurso, pretende-se verificar as novas estratégias discursivas utilizadas durante o governo Kubitschek para referendar um imaginário que negativizava e desacreditava a imagem do comunismo e de seus adeptos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANSART, Pierre. Ideologias, conflitos e poder. Rio de Janeiro: Zahar, 1977.
BACZKO, Bronislaw. ”Imaginação social”. In Enciclopédia Einaudi. Vol. 5, Lisboa, Imprensa Nacional/
Casa da Moeda, 1985.
BENEVIDES, Maria Victoria de Mesquita. O governo Kubitschek: desenvolvimento econômico e
estabilidade política, 1956-1961. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.
CASTORIADIS, Cornélius. A instituição imaginária da sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.
CERVO, Amado Luís (org.) O desafio internacional: a política exterior do Brasil de 1930 a nossos dias.
Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1994.
__________. Amado Luís. Relações internacionais na América Latina: velhos e novos paradigmas.
Brasília: IBRI, 2001.
CHAUI, Marilena. Cultura e democracia. São Paulo: Cortez, 1989.
FILHO, Pio Pena. O Brasil e a descolonização da África nos anos Kubitschek (1956-1961): Ensaio de
mudança. Brasília, 1994. (Dissertação de Mestrado, UNB)
FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1996.
GORENDER, Jacob. Gorender em entrevista feita por Waldir José Rampinelli, em São Paulo, no dia 09
de abril de 2002. Publicada em: Revista Brasileira de História. Vol. 23, nº 45, São Paulo, Julho de 2003.
GONÇALVES, Marcos. Os arautos da dissolução: Mito, imaginário político e afetividade
anticomunista, Brasil, 1941-1947. Curitiba, 2004. (Dissertação de Mestrado, UFPR)
MARTINHO, Francisco Carlos. Estatismo In Francisco Carlos Teixeira da Silva et al (orgs.). Dicionário
crítico do pensamento da direita: idéias, instituições e personagens. Rio de Janeiro: FAPESP, 2002.
MOTA, Rodrigo Pato Sá Mota. Em guarda contra o perigo vermelho: o anticomunismo no Brasil (1917-
1964). São Paulo: Perspectiva, 2002.
ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de discurso. Princípios e procedimentos. São Paulo: Pontes, 2001.
_________. Eni Puccinelli. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas, SP: Editora da
UNICAMP, 1992.
OLIVEIRA, Juscelino Kubitschek de. A marcha do amanhecer. São Paulo: Bestseller, 1962.
_________. Juscelino Kubitschek de. Por que construí Brasília. Brasília: Senado Federal, Conselho
Editorial, 2002.
_________. Juscelino Kubitschek de. Exposição do Presidente da República às Forças Armadas
(17/06/1958). In Resenha do Governo do Presidente Juscelino Kubitschek (1956-1961). Tomo I.
Presidência da República. Serviço de Documentação. Rio de Janeiro, 1960. (grifos nossos)
PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas, SP: Editora da
Unicamp, 1995.
PESAVENTO, Sandra Jatahy. História & História Cultural. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.
SKIDMORE, Thomas. Brasil: de Getúlio Vargas a Castelo Branco, 1930- 1964. Rio de Janeiro: Paz e
Terra, 1982.
SWAIN, Tânia Navarro. “Você disse imaginário?”. In Tânia Navarro Swain (org.) História no plural.
Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1994.
Artigos e entrevistas sobre a Operação Pan-Americana. Rio de Janeiro: Departamento de Imprensa
Nacional: Ministério das Relações Exteriores. Seção de Publicações, 1960.

Downloads

Publicado

2011-02-08

Como Citar

O anticomunismo nos discursos políticos dos anos JK. Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 14, 2011. DOI: 10.26512/emtempos.v0i14.20014. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/20014. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos