Empreendimentos comerciais e a “questão indígena” nos sertões de Minas Gerais (1847-1860)

Autores

  • Weder Ferreira da Silva UFRJ

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i18.19890

Palavras-chave:

Negócios. Colonização. Questão Indígena.

Resumo

A Companhia do Mucuri, fundada em 1847 pelo renomado político liberal Teófilo Benedito Ottoni, foi criada em um período de intensa atividade comercial e financeira no Brasil Imperial. Para colocar em prática o ambicioso projeto de comércio e navegação a vapor que interligaria a província de Minas à praça comercial do Rio de Janeiro, o diretor da Companhia empreendeu a conquista de uma região até então habitada pelos temidos índios botocudo. O presente trabalho pretende abordar as estratégias de cooptação do apoio da população autóctone para o empreendimento capitalista. Pretendemos destacar ainda as ambivalências do processo de assimilação das populações indígenas e sua interface com a dilatação das fronteiras e da modernização do Brasil do século XIX.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Weder Ferreira da Silva, UFRJ

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em História Social da UFRJ. Mestre em História pela Universidade Federal de Ouro Preto.

Referências

ARAUJO, Valdei Lopes de. A experiência do tempo: conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1813-1845). São Paulo: Hucitec, 2008.

ARAUJO, Valdei Lopes de. Teófilo Benedito Ottoni: política, historiografia e esfera pública no Brasil oitocentista. Rio de Janeiro: Uerj. 1998. (Dissertação de Mestrado).

CUNHA, Manuela Carneiro da (org.). Legislação Indigenista no século XIX. São Paulo: Edusp; Comissão Pró-índio, 1993.

DEAN, Warren. A ferro e Fogo: a história da devastação da mata atlântica brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

DUARTE, Regina Horta. “Conquista e Civilização na Minas Oitocentista”. In: Teófilo Benedito Ottoni. Notícia Sobre os Selvagens do Mucuri. Org: Regina Horta Duarte. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2002.

FERREIRA, Laís Ottoni Barbosa. Os Ottoni: descendentes e colaterais. Rio de Janeiro: L.O.B. Ottoni, 1998.

GELLNER, Ernest. “Advento do nacionalismo e sua interpretação: os mitos da nação e da classe”. In.: BALAKRISHNAN, Gopal (Org.). Um Mapa da Questão Nacional. Rio de Janeiro: Contraponto, 2000. p. 107-154.

GUIMARÃES, Manoel Salgado. “Nação e Civilização nos Trópicos: o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e o projeto de uma história nacional”, Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n. 1, 1988. p. 5-37.

IGLÉSIAS, Francisco Iglésias. Política Econômica do Governo Provincial Mineiro (1834-1889). Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, 1958.

MAGALHÃES, Basílio. “A Circular de Theophilo Ottoni”. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Tomo LXXVIII, Parte 2. Rio de Janeiro: 1916.

MATTOS, Izabel Missagia de. Civilização e Revolta: os botocudos e a catequese na província de Minas. Campinas: Unicamp, 2002. (Tese de Doutorado).

Downloads

Publicado

2011-08-31

Como Citar

SILVA, Weder Ferreira da. Empreendimentos comerciais e a “questão indígena” nos sertões de Minas Gerais (1847-1860). Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 18, p. 65–78, 2011. DOI: 10.26512/emtempos.v0i18.19890. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/19890. Acesso em: 18 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos