História, moral e patriotismo: recortes de uma época no álbum do grupo escolar Lauro Müller(1910-1930)

Autores

  • Flávio Welker Gentil UDESC
  • Cristiani Bereta da Silva

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i23.14871

Palavras-chave:

Grupos Escolares. Ensino de História. Cultura Escolar.

Resumo

O presente trabalho objetiva analisar as representações sobre o civismo e patriotismo no Álbum do Grupo Escolar Lauro Müller. Este álbum foi construído pelos diretores e preenchido com reportagens que saíam em jornais e convites para as festividades escolares, ambos relativos ao Grupo Escolar Lauro Müller, fundado em 1912, na cidade de Florianópolis. O recorte temporal, apesar de o documento constar com reportagens até os anos de 1960, será mantido até a década de 1930. A escolha para este recorte se baseia na cultura escolar observada no início da década de 1910 e a de 1930 que passava pela formação moral e patriótica do cidadão, o que se percebe pelos recortes. A partir disso, questionou-se quais forças os envolviam para o ato de guardar o cotidiano escolar: seria pela crença em seu trabalho civilizador realizado no Grupo Escolar?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Álbum do Grupo Escolar Lauro Müller, 1912 ”“1960. Acervo do Museu da Escola Catarinense.

ALBUQUERQUE, Durval Muniz de. História: a arte de inventar o passado: ensaios de teoria da história.São Paulo: Edusc, 2007.

ARTIÈRES, Philippe. Arquivar a própria vida.Estudos históricos.Rio de Janeiro, vol. 11, n. 21, p. 9-34, 1988.

BENCOSTTA, Marcus Levy Albino; PEREIRA, Ana Paula Martins. História, cultura e sociabilidades: representações e imagens das festas escolares (Curitiba, 1903-1971).Disponível em: http://www.faced.ufu.br/colubhe06/anais/arqivos/Marcus%20Levy%20Albino%20Bencostta.htm. Acessado em 27 de abril de 2012. Sexta edição do congresso Luso-Brasileiro de História da Educação: Uberlândia, Minas Gerais, 2006.

CUNHA, Maria Teresa Santos. Uma biblioteca anotada: caminhos do leitor no acervo de livros escolares do Museu da Escola Catarinense (Décadas de 20 a 60/século XX).Florianópolis: Imprensa Oficial do Estado de Santa Catarina-UDESC, 2009.

DALLABRIDA, Norberto; TEIVE, Gladys Mary Ghizoni. A escola da república: osgrupos escolares e a modernização do ensino primário em Santa Catarina (1911-1918).Campinas: Mercado de Letras, 2011.

FARIA FILHO, Luciano Mendes de, et. al. A cultura escolar como categoria de análise e como campo de investigação na história da educaçãobrasileira. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, vol. 30, n.1, 139-159, jan./abr. 2004.

FLORES, Maria Bernadete Ramos. Tecnologia e estética do racismo: ciência e arte na política da beleza.Chapecó: Argos, 2007.

GOMES, Ângela de Castro. “Escrita de si, escrita da história ”“a título de um prólogo”. In: Escrita de Si, Escrita da História.GOMES, Ângela de Castro (org.). Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004, p. 7 ”“24.

LEVI, Giovanni. Sobre a micro-história. In: A Escrita da história: novas perspectivas. BURKE, Peter (org.); Tradução Magda Lopes. São Paulo: Editora UNESP, 2011, 135-164.

MIGNOT, Ana Chrystina Venancio; CUNHA, Maria Teresa Santos. Razões para guardar: a escrita ordinária em arquivos de professores/as. Revista Educação em Questão. Natal, vol. 25, 2006.

NECKEL, Roselane. A República em Santa Catarina: modernidade e exclusão (1889-1920). Florianópolis: Editora da UFSC, 2003.

SANTA CATARINA.Programa de Ensino dos Grupos Escolares. Aprovado pelo decreto n.2.218, de 24 de Outubro de 1928. Florianópolis: Tipografia da Livraria Moderna, 1928. Acervo do Museu da Escola Catarinense.

SANTA CATARINA.Programa de Ensino dos Grupos Escolares.Aprovado pelo decreto 796 de 2 de Maio de 1914. Florianópolis: Tipografia da Livraria Moderna, 1914. Acervo do Museuda Escola Catarinense.

SILVA, Cristiani Bereta da. “Os programas de ensino catarinenses na primeira república e o ensino de História”.In: MORGA, Antônio Emílio (org.). História, cidade e sociabilidade. Itajaí/SC: Ed. Casa Aberta, 2011.

SILVA, Vera Lucia Gaspar da. “Vitrines da República”. In: Diana Gonçalves Vidal (org.). Grupos Escolares: cultura escolar primária e escolarização da infância do Brasil (1893-1971).Campinas: Mercado de Letras, 2006.

SILVA, Vera Lucia Gaspar da; TEIVE, Gladys Mary Ghizoni. Grupos Escolares: criação mais feliz da República? Mapeamento da produção em Santa Catarina. Revista Linhas de Programa de Pós-Graduação em Educação, Florianópolis, vol.10, n. 1, p.31-53, ja./jun. 2009.

STEPHANOU, “Maria. Saúde, higiene e civilidade em manuais”. In: III Congresso Brasileiro de História da Educação, 2004, Curitiba/PR. A Educação Escolar em Perspectiva Histórica. Curitiba/PR: Universitária Champagnat, 2004.

TEIVE, Gladys Mary Ghizoni. “A escola normal catarinense sob a batuta do professor Orestes Guimarães”. In: DALLABRIDA, Norberto (org.). Mosaico de escolas: Modos de educação em Santa Catarina na Primeira República. Florianópolis: Cidade Futura, 2003, p. 221-252.

TEIVE, Gladys Mary Ghizoni. “Uma vez Normalista, sempre Normalista”:cultura escolar e produção de um habitus pedagógico (Escola Normal Catarinense-1911/1935).Florianópolis: Ed. Insular, 2008.

VIDAL RAMOS. Mensagem do governador, 1912. Santa Catarina: Acervo do Arquivo Público de Santa Catarina (APESC), 1912.

VIEIRA, Cleber Santos.Civismo, República e manuais escolares. Revista Brasileira de História. São Paulo, vol. 32, n. 63, p. 325-340, 2012.

Downloads

Publicado

2013-12-18

Como Citar

GENTIL, F. W.; DA SILVA, C. B. História, moral e patriotismo: recortes de uma época no álbum do grupo escolar Lauro Müller(1910-1930). Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 23, 2013. DOI: 10.26512/emtempos.v0i23.14871. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/14871. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos