A Construção do Outro na Tradução, na Fotografia e nos Quadrinhos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/belasinfieis.v10.n4.2021.36209

Palavras-chave:

Representação Cultural. Tradução de Histórias em Quadrinho. Fotografia. Jornalismo em Quadrinhos.

Resumo

O presente artigo faz uma reflexão sobre a construção de representações culturais a partir da graphic novel francesa Le photographe (O fotógrafo, no Brasil). Essa obra de jornalismo em quadrinhos relata a ocupação soviética no Afeganistão na década de 1980 e utiliza a fotografia como recurso narrativo juntamente com os desenhos. Partindo disso, refletimos sobre a construção da realidade do outro, ou seja, do estrangeiro, por meio do processo de tradução, a partir da análise de excertos da obra em que se configura a alteridade. Por sua natureza formal, Le photographe permite pensar a construção do outro a partir da perspectiva da tradução, da fotografia e da estrutura narrativa dos quadrinhos. Nesse sentido, verifica-se que a perspectiva cultural dos Estudos da Tradução pode ser ampliada a linguagens multimodais, isto é, que se configuram a partir da conjunção de diferentes sistemas de signos, o que pode contribuir para novos debates e reflexões sobre a tradução de formas de mídia amplamente traduzidas, como as histórias em quadrinhos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sabrina Moura Aragão, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora adjunta na Universidade Federal de Santa Catarina. Doutora  em Estudos da Tradução (2018) pela Universidade de São Paulo. Mestre em Estudos Linguísticos, Literários e Tradutológicos (2012) pela mesma instituição. Licenciada (2008) e Bacharel (2008) em Letras (Português-Francês) pela mesma instituição.  Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, Departamento de Língua e Literatura Estrangeiras. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Referências

Aragão, S. M. (2020). Scanlation: de fã a tradutor. In K. Hanna & D. Silva-Reis (Orgs.), A tradução de quadrinhos no Brasil: princípios, práticas e perspectivas (pp. 183–203). Lexikos.

Arístegui, G. de. (2004). El islamismo contra el islam: las claves para entender el terrorismo yihadista. Ediciones B.

Barbosa, A., & Cunha, E. T. (2006). Antropologia e imagem. Jorge Zahar.

Berman, A. (1984). L’épreuve de l’étranger: culture et traduction dans l’Allemagne romantique. Gallimard.

Bhabha, H. K. (2013). O local da cultura (M. Ávila, E. L. de L. Reis, & G. R. Gonçalves, Trads.). Editora UFMG.

Boria, M., Carreres, Á., Noriega-Sánchez, M., & Tomalin, M. (Eds.). (2020). Translation and multimodality: beyond words. Routledge.

Chartier, R. (1991). O mundo como representação (A. Daher & Z. C. Reis, Trads.). Estudos avançados, 5(11), 173–191. https://doi.org/10.1590/S0103-40141991000100010

Delesse, C., & Richet, B. (2009). Le coq gaulois à l’heure anglaise: analyse de la traduction anglaise d’Astérix. Artois Presses Université.

Eisner, W. (1999). Quadrinhos e arte sequencial (L. C. Borges, Trad.). Martins Fontes.

Foucault, M. (1969). L’archéologie du savoir. Gallimard.

Guibert, E., Lefèvre, D., & Lemercier, F. (2004). Le Photographe, 2. Dupuis.

Guibert, E., Lefèvre, D., & Lemercier, F. (2006). Le Photographe, 3. Dupuis.

Guibert, E., Lefèvre, D., & Lemercier, F. (2008). O fotógrafo, 2 (D. de Bruchard, Trad.). Conrad Editora do Brasil.

Hall, S. (2000). Quem precisa da identidade? (T. T. da Silva, Trad.). In T. T. da Silva (Org.), Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais (pp. 103–133). Vozes.

Hanna, K., & Silva-Reis, D. (2020). A tradução de quadrinhos no Brasil: princípios, práticas e perspectivas. Lexicos.

Keesing, R. (1974). Theories of culture. Annual review of anthropology, (3), 73–97.

Koch, I. G. V. (2004). Introdução à linguística textual: trajetória e grandes temas. Martins Fontes.

Kossoy, B. (2009). Realidades e ficções na trama fotográfica. Ateliê Editorial.

Laraia, R. de B. (1986). Cultura: um conceito antropológico. Zahar.

Makhmalbaf, M. (2001). O Afeganistão (C. E. Charity, Trad.). Publifolha.

Metcalf, B. D. (1982). Islamic revival in British India, 1860-1900. Royal Book Company.

Oittinen, R., Ketola, A., & Garavini, M. (2018). Translating Picturebooks: revoicing the verbal, the visual and the aural for a child audience. Routledge.

Pimentel, C. (2018). Tradução de histórias em quadrinhos: teoria e prática. Transitiva.

Pym, A. (2010). Exploring translation theories. Routledge.

Rashid, A. (2003). Jihad: a ascensão do islamismo militante na Ásia Central (A. Candelária, Trad.). Cosac & Naify.

Sabbagh, A. N. (1988). Dicionário árabe – português – árabe. Ed. UFRJ.

Schleiermacher, F. D. E. (2010). Sobre os diferentes métodos de tradução (C. R. Braida, Trad.). In W. Heiderman (Org.), Clássicos da teoria da tradução (pp. 39–99). UFSC, Núcleo de Tradução. (Über die verschiedenen Methoden des Übersetzens. Obra original publicada em 1838)

Snell-Hornby, M. (1988). Translation studies: an integrated approach. John Benjamins.

Sontag, S. (2003). Diante da dor dos outros (R. Figueiredo, Trad.). Companhia das Letras.

Venuti, L. (1998). The scandals of translation: towards an ethics of difference. Routledge.

Wolf, M. (1997). Translation as a process of power: aspects of cultural anthropology in translation. In M. Snell-Hornby, Z. Jettmarová, & K. Kaindl (Eds.), Translation as intercultural communication (pp. 123–133). John Benjamins.

Zavaglia, A., Xatara, C., & Silva, M. C. P. da. (2010). Xeretando a linguagem em francês. Disal.

Downloads

Publicado

17-11-2021

Como Citar

ARAGÃO, Sabrina Moura. A Construção do Outro na Tradução, na Fotografia e nos Quadrinhos. Belas Infiéis, Brasília, Brasil, v. 10, n. 4, p. 01–20, 2021. DOI: 10.26512/belasinfieis.v10.n4.2021.36209. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/article/view/36209. Acesso em: 21 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.