Uma repetição ad nauseam de chavões e ideias feitas? Uma análise de paratextos de tradutores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/belasinfieis.v9.n5.2020.30342

Palavras-chave:

Tradução. Tradutores. Paratextos de tradutores. Prática tradutória. Dificuldades de tradução.

Resumo

Este trabalho propõe uma reflexão sobre paratextos de autoria de tradutores ”“ prefácios, posfácios, apresentações, introduções e notas sobre a tradução, tendo por objetivo demonstrar a diversidade temática presente nesse tipo de texto. Para isso, foram selecionados sessenta paratextos escritos por tradutores, extraídos de obras de diferentes gêneros, incluindo obras literárias, coletâneas poéticas, livros técnicos de áreas variadas e obras de não ficção. O corpus selecionado foi analisado quantitativamente ”“ através da determinação da quantidade de paratextos que abordam determinados assuntos ”“ e qualitativamente ”“ por meio da seleção de trechos representativos dos principais temas abordados pelos tradutores. A análise identificou doze categorias temáticas distintas: adaptação, aspectos gramaticais, especificidades da tradução, notas, percurso tradutório, questões formais, questões semânticas, questões teóricas linguísticas e textuais, questões teóricas tradutórias, questões terminológicas, referências a textos utilizados e referências a traduções anteriores. As categorias com o maior número de menções são as questões formais, que dizem respeito ao estilo e tom do texto; a discussão de especificidades de cada obra traduzida, como a tradução de nomes próprios e de títulos; e a abordagem de questões frequentemente discutidas em reflexões teóricas sobre a tradução, debatendo noções como fidelidade, negociação e traduzibilidade e intraduzibilidade. As questões terminológicas, os aspectos gramaticais, a opção pelo uso ou pela ausência de notas de rodapé, o detalhamento do percurso e da motivação para a tradução e a alusão a textos consultados durante a tradução também são representativas. A análise evidencia a heterogeneidade de assuntos relacionados à atividade tradutória abordados pelos tradutores em seus paratextos, o que pode ser entendido como uma maneira de enfatizar a importância dos tradutores e de sua prática e um modo de permitir que os leitores tenham consciência da complexidade do processo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sara Luiza Hoff, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutoranda e Mestre (2018) em Letras ”“ Estudos da Linguagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.  Bacharel em Letras ”“ Português e Inglês (2016) pela mesma instituição. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Letras, Programa de Pós-Graduação em Letras. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Referências

ALBIR, Hurtado. Traducción y traductología: introducción a la traductología. 10. ed. Madrid: Ediciones Cátedra, 2018.

ALMEIDA, Jorge M. B. de. Nota do tradutor. In: ADORNO, Theodor W. Notas de literatura I. Traduzido por: Jorge M. B. de Almeida. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2003. p. 7-9.

ANTUNES, Leonardo. Sobre a tradução. In: SÓFOCLES. Édipo tirano. Traduzido por: Leonardo Antunes. São Paulo: Todavia, 2018. p. 23-27.

BÉLKIOR, Silva. Apêndice. In: BÉLKIOR, Silva; ANDRADE, Carlos Drummond de. Carmina Drummondiana. Traduzido por: Silva Bélkior. Rio de Janeiro: Salamandra; Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 1982. p. 139-141.

BERMAN, Antoine. Pour une critique des traductions: John Donne. Paris: Gallimard, 1995.

BIANCHI, Fátima. Posfácio da tradutora. In: DOSTOIÉVSKI, Fiódor. Gente pobre. Traduzido por: Fátima Bianchi. São Paulo: Ed. 34, 2009. p. 174-183.

CARNEIRO, Teresa Dias. Contribuições para uma teoria do paratexto do livro traduzido: caso das traduções de obras literárias francesas no Brasil a partir de meados do século XX. 2014. Tese (Doutorado em Letras/Estudos da linguagem) ”“ Programa em Pós-Graduação em Estudos da Linguagem, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/29928/29928.PDF. Acesso em: 4 ago. 2020.

ECO, Umberto. Quase a mesma coisa. Traduzido por: Eliana Aguiar. Rio de Janeiro, BestBolso, 2011.

FACCHIN, Carolina Kuhn. Nota da tradutora. In: AKWAEKE, Emezi. Água doce. Traduzido por: Carolina Kuhn Facchin. São Paulo: Kapulana, 2019. p. 5-6.

GALINDO, Caetano W. Nota do tradutor. In: JOYCE, James. Ulysses. Traduzido por: Caetano Galindo. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2012. p. 7”“11.

GENETTE, Gérard. Seuils. Paris: Éditions du Seuil, 1987.

GONZAGA, Pedro. Apresentação. In: BUKOWSKI, Charles. Misto-quente. Traduzido por: Pedro Gonzaga. Porto Alegre: L&PM, 2018. p. 5-7.

HEGENBER, Leonidas. Nota dos tradutores. In: POPPER, Karl R. A lógica da pesquisa científica. Traduzido por: Leonidas Hegenber e Octanny Silveira da Mota. São Paulo: Cultrix, 2006. p. 11-13.

IBER, Christian G.; MIRANDA, Marloren L.; ORSINI, Federico. Nota dos tradutores. In: HEGEL, Georg Wilhelm. Ciência da lógica: 1. A doutrina do ser. Traduzido por: Christian G. Iber, Marloren L. Miranda e Federico Orsini. Petrópolis, RJ: Vozes; Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2016. p. 19-24.

LAGES, Susana Kampff. Nota da tradutora. In: KAFKA, Franz. O desaparecido ou Amerika. 2. ed. Traduzido por: Susana Kampff Lages. São Paulo: Ed. 34, 2004. p. 7-9.

LEITE, Marli Quadros. Apresentação à edição brasileira. In: COLOMBAT, Bernard; FOURNIER, Jean-Marie; PUECH, Christian. Uma história das ideias linguísticas. Traduzido por: Jacqueline Léon e Marli Quadros Leite. São Paulo: Contexto, 2017. p. 9-12.

MELLO, Alicia Brasileiro de; VETORAZZO FILHO, Homero; PERDOMO, Maria Cristina. Prefácio dos tradutores. In: BLEICHMAR, Silvia. Clínica psicanalítica e neogênese. Traduzido por: Alicia Brasileiro de Mello, Homero Vetorazzo Filho e Maria Cristina Perdomo. São Paulo: Annablume, 2005. p. 9-12.

MESCHONNIC, Henri. Poética do traduzir. Traduzido por: Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich. São Paulo: Perspectiva, 2010. 279 p.

NOUGUÉ, Carlos Ancêde; SÁNCHEZ, José Luiz. Nota dos tradutores. In: CERVANTES SAAVEDRA, Miguel de. O engenhoso fidalgo D. Quixote da Mancha. Traduzido por: Carlos Ancêde Nougué e José Luiz Sánchez. Rio de Janeiro: Record, 2005. p. 13-16.

OUSTINOFF, Michaël. Tradução: história, teorias e métodos. Traduzido por: Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola Editorial, 2011. 143 p.

PEREIRA, Lawrence Flores. Prefácio do tradutor. In: ELIOT, T. S.; BAUDELAIRE, Charles. Poesia em tempo de prosa. Traduzido por: Lawrence Flores Pereira. São Paulo: Iluminuras, 1996. p. 9”“12.

PESSOA, Mariluce Filizola Carneiro. O paratexto e a visibilidade do tradutor. 2009. 91 p. Dissertação (Mestrado em Tradução) - Departamento de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=16281@1. Acesso em: 4 ago. 2020.

PRZYBYCIEN, Regina. Prefácio ”“ A arte de Wislawa Szymborska. In: SZYMBORSKA, Wislawa. Poemas. Traduzido por: Regina Przybycien. São Paulo: Companhia das Letras, 2011. p. 9-24.

REIS, Maria Cecília Gomes dos. Apresentação. In: PLATÃO. Fedro. Traduzido por: Maria Cecília Gomes dos Reis. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2016. p. 9-35.

RIBEIRO, Vera. Nota à edição brasileira. In: LACAN, Jacques. Escritos. Traduzido por: Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998. p. 935”“937.

ROSSI, Emiliano de Brito. Nota do tradutor. In: MARÃN-DÒMINE, Marta. Traduzir o desejo: psicanálise e linguagem. Traduzido por: Emiliano de Brito Rossi. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2015. p. 7-10.

SCHNAIDERMAN, Boris. Prefácio do tradutor. In: DOSTOIÉVSKI, Fiódor. Memórias do subsolo. Traduzido por: Boris Schnairderman. São Paulo: Ed. 34, 2000. p. 7-12.

SOUZA, Paulo César de. Notas do tradutor ”“ Nota preliminar à s notas. In: NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Além do bem e do mal: prelúdio a uma filosofia do futuro. Traduzido por: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2005. p. 186-187.

SSÓ, Ernani. Reflexões de um escudeiro de Cervantes. In: CERVANTES SAAVEDRA, Miguel de. Dom Quixote de la Mancha. Traduzido por: Ernani Ssó. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2012. p. 11-23.

STEINER, George. Depois de Babel: questões de linguagem e tradução. Traduzido por: Carlos Alberto Faraco. 3a. ed. Curitiba: Editora da UFPR, 2005. 534 p.

THOUARD, Denis. Et toute langue est étrangère: le projet de Humboldt. Paris: Éditions Les Belles Lettres, 2016. 333 p.

TORRES, Marie-Helène C.; FURLAN, Mauri; GUERINI, Andréia. Nota dos tradutores. In: BERMAN, Antoine. A tradução e a letra, ou, O albergue do longínquo. Traduzido por: Marie-Helène C. Torres, Mauri Furlan e Andréia Guerini. Rio de Janeiro: 7Letras/PGET, 2007. p. 7-8.

VON ZUBEN, Newton Aquiles. Introdução. In: BUBER, Martin. Eu e tu. Traduzido por: Newton Aquiles Von Zuben. São Paulo: Centauro Editora, 2010. p. 07-49.

WANDERLEY, Jorge. Traduzir A divina comédia. In: ALIGHIERI, Dante. A divina comédia ”“ Inferno. Traduzido por: Jorge Wanderley. São Paulo: Abril, 2010. p. 27-43.

Downloads

Publicado

31-10-2020

Como Citar

HOFF, Sara Luiza. Uma repetição ad nauseam de chavões e ideias feitas? Uma análise de paratextos de tradutores. Belas Infiéis, Brasília, Brasil, v. 9, n. 5, p. 93–113, 2020. DOI: 10.26512/belasinfieis.v9.n5.2020.30342. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/article/view/30342. Acesso em: 21 maio. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.