A mobilização da competência interpretativa na atuação de conferências:

uma reflexão a partir do modelo do PACTE

  • Tiago Coimbra Nogueira Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Interpretação de conferência, Competência interpretativa, Interpretação para línguas de sinais, Interpretação em cabine

Resumo

O presente artigo abordará uma reflexão sobre o modelo de competência tradutória do grupo PACTE (2003), relacionando as subcompetências com a prática de interpretação. Mais especificamente, com a interpretação de conferências na atuação de intérpretes de Libras-Português, atuando em equipe e em cabine. Busca-se problematizar e apresentar uma reflexão sobre a aplicabilidade das subcompetências do referido modelo à atividade de interpretação na mobilização de uma competência interpretativa. No campo dos Estudos da Tradução, há uma diferenciação que define processos de tradução e interpretação. A prática da interpretação está ligada ao ato de o profissional intérprete estar envolvido no diálogo, suas palavras são dirigidas a um destinatário direto e busca-se provocar uma reação em uma velocidade muito maior do que a da tradução. A partir de Camargo (2014), olhamos para o processo de interpretação realizada pela equipe de intérpretes do Congresso Nacional de Pesquisas em Tradução e Interpretação de Libras e Língua Portuguesa, formada por seis membros, que foram observados e entrevistados. Propomos essa reflexão sobre onde e em quais momentos as subcompetências são mobilizadas pela equipe de intérpretes. De modo geral, todas as cinco subcompetências descritas pelo PACTE são ativadas durante a prática de interpretação, porém, há refinamentos e momentos distintos. A partir dos resultados, espera-se contribuir com reflexões a respeito das competências necessárias para a atividade de interpretação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tiago Coimbra Nogueira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestre em Estudos da Tradução (2016) pela Universidade Federal de Santa Catarina. Bacharel em Letras/Libras pela mesma instituição. É professor assistente na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. É tradutor e Intérprete de Libras-Português.

Referências

BOWEN. M. et al. Os intérpretes que fizeram história. In: DELISLE E WOODSWORTH. Os Tradutores na história. Tradução Sérgio Bath. 1 ed. São Paulo: Ática, 2003

CAMARGO, P. G. Competência em interpretação – um breve estudo da interpretação em língua B. Tradterm [s.l.], v. 23, p. 13-33, 15 out. 2014. Universidade de São Paulo, Sistema Integrado de Bibliotecas – SIBiUSP.

HOZA, J. Team Interpreting. Alexandria: Rid Press, 2010.

HURTADO ALBIR, A. IN: PAGANO, A.; MAGALHÃES, C.; ALVEZ, F. Cognição e discurso. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005, p. 19-57.

HURTADO ALBIR, A. Traducción y traductología. 5ª edição. Madrid: Gredos, 2011.

LEITE, E. M. C. O papel do intérprete de LIBRAS em uma sala de aula inclusiva. 2004. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

MAGALHÃES JUNIOR, E. Sua majestade o intérprete: O fascinante mundo da interpretação simultânea. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

NOGUEIRA, T. Intérpretes de libras-português no contexto de conferência: uma descrição do trabalho em equipe e as formas de apoio na cabine. 2016. 213 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução, Florianópolis, 2016.

PACTE (Process in the Acquisition of Translation Competence and Evaluation). Building a Translation Competence Model. In: ALVES, F. (ed.). Triangulating Translation: perspectives in process oriented research. Amsterdam: John Benjamins, 2003. p. 37-61

PAGURA, R. A interpretação de conferências: interfaces com a tradução escrita e implicações para a formação de intérpretes e tradutores. DELTA, São Paulo, v. 19, n. spe, p. 209-236, 2003.

PAGURA, R. A interpretação de conferências no Brasil: história de sua prática profissional e a formação de intérpretes brasileiros. 2010. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos e Literários em Inglês) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

Pereira, M. C. P. Testes de proficiência linguística em língua de sinais: as possibilidades para os intérpretes de LIBRAS. 2008. Dissertação (mestrado em Linguística Aplicada) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2008.

RODRIGUES, C. H. A interpretação para a Língua de Sinais Brasileira: efeitos de modalidade e processos inferenciais. 2013. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013

RODRIGUES, C. H. Translation and Signed Language: highlighting the visual-gestural modality. Cadernos de Tradução, v. 38, p. 294-319, 2018a.

RODRIGUES, C. H. Competência em Tradução e Línguas de Sinais: a modalidade gestual-visual e suas implicações para uma possível competência tradutória intermodal. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 51, p. 287-318, 2018b.

RODRIGUES, C. H. Interpretação simultânea intermodal: sobreposição, performance corporal-visual e direcionalidade inversa. Revista da Anpoll (Online), v. 44, p. 111-129, 2018c.

RUSSO, M. Simultaneous interpreting. In: GAMBIER, Y.; VAN DOORSLAER, Luc (Ed.). Handbook of Translation Studies. Amsterdam / Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 2010. p. 333-336.

SANTOS, S. A. Tradução/interpretação de língua de sinais no Brasil: uma análise das teses e dissertações de 1990 a 2010. 2013. 313 f. Tese (Doutorado em Estudos da Tradução) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

SCALLON, G. Avaliação da aprendizagem numa abordagem por competências. Traduzido por: Juliana Vermelho Martins. Curitiba: PUCPRess, 2015.

SELESKOVITCH. Interpreting for international conferences. Traduzido por: Stephanie Dailey e E. Norman McMillan. Washington, D.C.: Pen and Booth, Ed. 2001.

Publicado
2019-01-31
Como Citar
Nogueira, T. (2019). A mobilização da competência interpretativa na atuação de conferências:. Belas Infiéis, 8(1), 189-209. https://doi.org/10.26512/belasinfieis.v8.n1.2019.22636
Seção
Artigos