O Avesso do Turismo como proposição de Sinalizadores para o Futuro.

Reflexões ecossistêmicas sobre entrelaçamentos e processualidades do avesso das desterritorializações turísticas em seus saberes e fazeres

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/revistacenario.v9i3.34894

Palavras-chave:

Avesso do Turismo; Epistemologia; Ecossistemas Turísticos; Desterritorialização; Responsabilidade Ecossistêmica

Resumo

O presente texto tem caráter ensaístico, resultante de um conjunto de pesquisas envolvendo a dimensão epistemológica da Ciência e das transversalizações entre Turismo, Comunicação e Subjetividade, especialmente. No caso desta produção textual, a ênfase está em discutir a proposição ‘avesso’ para as processualidades das desterritorializações turísticas, em seus saberes e fazeres, propondo reflexões de alinhamento desses processos com a pressuposição de Ciência Ecossistêmica, complexa, caosmótica e dissipativa, conforme está proposta por autores contemporâneos. Os pressupostos teóricos são transdisciplinares, em coerência com a perspectiva holística. Envolvem, especialmente, os feixes entrelaçados de trilhas teóricas: Epistemologia da Ciência, no viés das mutações contemporâneas; Ecossistemas Turísticos; Esquizoanálise e Sociologia das Ausências. A estratégia metodológica subjacente a este texto é a Cartografia dos Saberes, na sua proposição de quatro trilhas operacionais da investigação científica, pensada como viagem do conhecimento: Saberes Pessoais, Saberes Teóricos, Usina de Produção e Dimensão Intuitiva da Pesquisa. Os resultados estão relacionados ao amplo trabalho teórico e de discussões epistemológicas, mas também decorrem de relações estabelecidas a partir de pesquisas empíricas, de trabalhos supervisionados em nível de pós-graduação na área do Turismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maria Luiza Cardinale Baptista, Universidade de Caxias do Sul (UCS)

https://orcid.org/0000-0002-7096-1160

Referências

Andrade, C. D. (1987). O avesso das coisas. Rio de Janeiro: Record.

Arrighi, G. (2009). O longo século XX. Rio de Janeiro: Contraponto.

Baptista, M. L. C. (2000). O Sujeito da Escrita e a Trama Comunicacional: um estudo sobre os processos de escrita do jovem adulto, como expressão da trama comunicacional e da subjetividade contemporâneas. Tese de Doutorado, Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo. São Paulo, Brasil.

Baptista, M. L. C. (2013). Desterritorialização desejante em Turismo e Comunicação: Narrativas Especulares e de Autopoiese Inscriacional. Projeto de Pesquisa, Universidade de Caxias do Sul. Caxias do Sul, Brasil.

Baptista, M. L. C. (2014a). Caosmose, desterritorialização e amorosidade na comunicação. Questões Transversais: Revista de Epistemologias da Comunicação, 2(4), 98-105.

Baptista, M. L. C. (2014b). Cartografia de Saberes na Pesquisa em Turismo: Proposições Metodológicas para uma Ciência em Mutação. Revista Rosa dos Ventos ”“ Turismo e Hospitalidade, 6(3), 342-355.

Baptista, M. L. C. (2017). Matrizes rizomáticas: proposição de sinalizadores para a pesquisa em turismo [Resumo]. In Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo (Eds.) Anais, XIV Seminário Anual da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo (p. 1-2). Balneário Camboriú, Brasil: ANPTUR.

Beni, C. M., & Moesch, M. (2017). A teoria da Complexidade e o Ecossistema do Turismo. Turismo-Visão e Ação, 19(3), 430-457.

Capra, F. (1991). O Ponto de Mutação. A Ciência, a Sociedade e a Cultura Emergente. (12ª ed). São Paulo: Cultrix.

Capra, F. (1997). A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Cultrix.

Colferai, S. (2014). Um Jeito Amazônida de ser Mundo. A Amazônia como Metáfora do Ecossistema Comunicacional: Uma Leitura do Conceito a Partir da Região. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Sociedade e Cultura na Amazônia, Universidade Federal do Amazonas. Manaus, Brasil.

Crema, R. (1989). Introdução à visão holística (5ª ed.). São Paulo: Summus.

Deleuze, G. & Guattari, F. (1995). Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Ed 34.

Deleuze, G. (1992). Conversações. São Paulo: Ed. 34.

Eco, H. (1993). Interpretação e Superinterpretação. São Paulo: Martins Fontes.

Freire, P. (1987). Pedagogia do Oprimido (17ª ed). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Freud, S. (1976). Obras Psicológicas Completas. Rio de Janeiro: Imago.

Gastal, S. A. (2005). Turismo, imagens e imaginários. São Paulo: Aleph.

Gastal. S., Castrogiovani, A. C. (Orgs.). 2003. Turismo na pós-modernidade (des)inquietações. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Gleiser, M. (2006). A dança do universo. São Paulo: Companhia das Letras.

Gleiser, M. (2007). Cartas a um jovem cientista: o universo, a vida e outras paixões. Rio de Janeiro: Elsevier.

Goswami, A. (2008). O universo autoconsciente: como a consciência cria o mundo material. São Paulo: Aleph, 2008.

Guattari, F. & Rolnik, S. (1986). Micropolítica: cartografias do desejo (2ª ed.). Petrópolis: Vozes.

Guattari, F. (1992). Caosmose: um novo paradigma ético-estético. Rio de Janeiro: Ed 34.

Harvey, D. (2005). O novo imperialismo (2ª ed.). São Paulo: Edições Loyola.

Harvey, D. (2011). O enigma do capital e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo.

Krenak, A. (2019). Ideias para Adiar o Fim do Mundo. Companhia das Letras: São Paulo.

Krenak, A. (2020). O Amanhã não está Ã venda. São Paulo: Companhia das Letras.

Lacan, J. (1988). A Ética da Psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (1988). Os Quatro Conceitos Fundamentais da Psicanálise (3ª ed.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (1990). Escritos (16ª ed.) Bogotá: Siglo Veintiuno.

Lima, E. P. (1987). Colômbia Espelho América: dos piratas a Garcia Márquez, viagem pelo sonho de integração latino-americana. São Paulo: Perspectiva.

Lima, E. P. (1994). Retratos da Baía. Rio de Janeiro: Faperj.

Lima, E. P. (1998). Da escrita total à consciência planetária. São Paulo: Petrópolis.

Lima, E. P. (2004). Páginas ampliadas: o livro-reportagem como extensão do Jornalismo e da Literatura. São Paulo: Manole.

Lima, E. P. (2009). Escrita Total. Escrevendo bem e vivendo com prazer, alma e propósito. São Paulo: Sistema Clube de Autores.

Lima, E. P. (2010). Jornalismo Literário para iniciantes (1ª ed.). São Paulo: Edição do Autor.

Lima, E. P. (Coord.). (1996). Econautas: ecologia e jornalismo literário avançado. Canoas: Universidade Luterana do Brasil.

Lovelock, J. (1991). As Eras de Gaia. A Biografia da Nossa Terra Viva. Rio de Janeiro: Editora Campus.

Martinez, M. (2012). Narrativas de viagem: escritos autorais que transcendem o tempo e o espaço. Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, 35(1), 34-52.

Maturana, H. (1998). Emoções e Linguagem na Educação e Política. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Maturana, H., & Varela, F. (1997). De máquinas e seres vivos: autopoiese, a organização do vivo. (3ª ed.). Porto Alegre: Artmed.

Mezan, R. (1987). Sigmund Freud. A Conquista do Proibido (5ª ed.). São Paulo: Brasiliense.

Mezan, R. (2006). Freud: A trama dos conceitos. São Paulo: Perspectiva.

Moesch, M. (2004). Epistemologia social do turismo. Tese de Doutorado, Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo. São Paulo, Brasil.

Moesch, M., Gastal, S. (Orgs.). (2004). Um outro turismo é possível. São Paulo: Contexto.

Monteiro, G. V., Abbud, M. E. de O. P. & Pereira, M. F. (Orgs.). (2011). Estudos e Perspectivas dos Ecossistemas na Comunicação. Manaus: Edua.

Morin, E. (1991). Introdução ao pensamento complexo. São Paulo: Instituto Piaget.

Morin, E. (2003). Amor, poesia e sabedoria (6ª ed.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Morin, E. (2013). Ciência com consciência (15ª ed.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Prigogine, I. (2001). Ciência razão e paixão. Belém: Eduepa.

Ribeiro, H. C. (2019). Turismo e Saúde: sinalizadores turísticos de Porto Alegre, relatados pelos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) e seus acompanhantes, em processos de deslocamento. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Turismo e Hospitalidade, Universidade de Caxias do Sul. Caxias do Sul, Brasil.

Rolnik, S. (1989). Cartografia Sentimental. São Paulo: Liberdade.

Santos, B. S. (1990). Introdução a uma Ciência Pós-Moderna. (2ª ed.). Porto: Afrontamento.

Santos, B. S. (1997). Um discurso sobre as ciências (2ª ed.). Porto: Afrontamento.

Santos, B. S. (2002). Produzir para viver: os caminhos da produção não capitalista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Santos, B. S. (2019). O fim do império cognitivo: a afirmação das epistemologias do Sul. São Paulo Autêntica.

Singh, V. & Agnihotri, A. (2020). New Radical Approach In Interdisciplinary Research. Bangalore: APD.

Soster, D. A. & Passos, M. Y. (2019). Narrativas de Viagem. Santa Cruz do Sul: Catarse.

Soster, D. A. & Piccinin, F. (2019). Narrativas Midiáticas Contemporâneas. Sujeitos, Corpos e Lugares. Santa Cruz do Sul: Catarse.

Stropper, M. T. D. (2012). Inflexão das Ongs Ambientalistas após 1990: Um estudo sobre a atuação das ONGs no caso da Usina Hidrelétrica Belo Monte. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Brasil.

Stropper, M. T. D. (2012). O capitalismo pós-1990 e a emergência de novos pólos de poder. Para Onde!?, 6(1), 44-51.

Downloads

Publicado

2021-09-13

Como Citar

Cardinale Baptista, M. L. (2021). O Avesso do Turismo como proposição de Sinalizadores para o Futuro.: Reflexões ecossistêmicas sobre entrelaçamentos e processualidades do avesso das desterritorializações turísticas em seus saberes e fazeres. Cenário: Revista Interdisciplinar Em Turismo E Território, 9(3), 258–271. https://doi.org/10.26512/revistacenario.v9i3.34894

Edição

Seção

Artigos