A distribuição geográfica dos investimentos públicos em turismo no Brasil de 2003 a 2018

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/revistacenario.v9i2.35012

Palavras-chave:

Programas e Projetos de Turismo; Investimentos Públicos em Turismo; Ministério do Turismo.

Resumo

Os investimentos públicos em turismo assumem um importante papel no desenvolvimento das destinações pois, em tese, visam geralmente a melhoria da infraestrutura urbana, a promoção turística, a qualificação dos serviços, o apoio à comercialização dos produtos, a gestão e o planejamento do turismo. No Brasil, o principal órgão oficial de turismo, o Ministério do Turismo, de 2003 a 2018, investiu um montante superior a R$ 17 bilhões. Considerando a relevância dos investimentos públicos para o desenvolvimento do turismo, a pesquisa teve como objetivo revelar a distribuição geográfica e o perfil dos recursos aplicados pelo Ministério do Turismo, no período de 2003 a 2018. A metodologia deste estudo se caracteriza como uma pesquisa descritiva e quantitativa, visto que se fundamenta principalmente no levantamento e análise da execução orçamentária em turismo realizado pelo governo federal brasileiro, tendo como principal fonte de informação os Relatórios de Execução Orçamentária da União. Tais relatórios permitem filtrar os recursos executados por órgão, programa, projeto e localidade. Desta forma, os dados obtidos permitiram visualizar a distribuição geográfica dos investimentos públicos em turismo no Brasil, revelando as regiões do país que concentram os recursos e as regiões negligenciadas, conforme as áreas de investimento. Em relação ao perfil dos investimentos, conclui-se que a área de Infraestrutura Básica e Turística concentrou 68,2% do total dos recursos aplicados pelo MTur. A segunda área de maior investimento é a de Promoção Turística (18,4%), e as áreas menos privilegiadas são Gestão e Planejamento (3,7%), Qualificação dos Serviços (2,2%), Comercialização de Produtos (0,8%) e Estudos e Sistemas de Informação (0,4%). O Nordeste foi a região que concentrou os investimentos públicos em turismo ao longo de 17 anos, representando 20,4% do total investido, com destaque para os estados do Ceará, Pernambuco, Paraíba, Bahia e Alagoas. A região Sudeste captou 8,6%, com destaque para os estados de Minas Gerais e São Paulo. Os estados do Rio de Janeiro e do Espírito Santo não apresentaram um investimento expressivo comparado a MG e SP. A região Sul abarcou 4,8% dos investimentos. Os estados da região Centro-Oeste e Norte são os mais negligenciados em relação aos investimentos públicos em turismo, abarcaram respectivamente 3,8% e 3,5% dos recursos no decorrer de 17 anos de atuação do Ministério do Turismo. Por conta da falta de detalhamento nos Relatórios de Execução Orçamentária da União, não foi possível identificar o destino de 59% dos recursos aplicados pelo MTur, demostrando a falta de transparência dos gastos públicos no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isadora Shirlayne, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Graduanda em Turismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, campus Currais Novos.

Referências

Abreu, C. R., & Câmara, L. M. (2015). O orçamento público como instrumento de ação governamental: uma análise de suas redefinições no contexto da formulação de políticas públicas de infraestrutura. Revista de Administração Pública, 49(1), 73-90.

Abreu, W. M. de, Neiva, V. M., & Lima, N. (2012). Modelos de tomada de decisão no processo orçamentário brasileiro: uma agenda de pesquisas. Revista do Serviço Público, 63(2), 135-155.

Brasil, H. G. (1993). Processo decisório e a questão orçamentária: uma analogia. Revista Administração Pública, 27(3), 115-146.

Caiden, N., & Wildavsky, A. (1980). Planning and budgeting in developing countries. New York: John Wiley.

Cruz, R. C. A. (2001). Política de turismo e território. São Paulo: Contexto.

Cruz, R. C. A. (2018). Desenvolvimento desigual e turismo no Brasil. Confins Revista Franco-Brasileira de Geografia, 36. DOI: https://doi.org/10.4000/confins.13707.

Fayissa, B., Nsiah, C., & Tadessse, B. (2011). Research note: tourism and economic growth in Latin American countries ”“ further empirical evidence. Tourism Economics, 17(6), 1365”“1373.

Fittipaldi, I., Costa, S. F., & Araújo, C. M. C. (2017). O gasto público federal brasileiro: um perfil incrementalista? Rev. Serv. Público, 68(3), 611-630.

Fortis, M. F., & Gasparini, C. E. (2017). Plurianualidade orçamentária no Brasil: diagnóstico, rumos e desafios. Brasília, DF: Enap.

Key Jr., V. O. (1940). The lack of a budgetary theory. The American Political Science Review, 34 (6), 1137-1144.

Knafou, R. (2001). Turismo e território: para um enfoque científico do turismo. In:

Rodrigues, A. B. (Org). Turismo e geografia: reflexões teóricas e enfoques

regionais. São Paulo, SP: Hucitec, 62-74.

Lemos, C. C. (2013). Planejamento do turismo em âmbito federal: uma análise dos instrumentos utilizados e dos investimentos no setor. Revista de Administração Pública, 47 (6), 1401-1427.

Lindblom, C. E. (1959). The Science of Muddling Through. Public Administration Review, 19(2), 79-88.

Lindblom, C. E. (1979). Still Muddling, Not Yet Through. Public Administration Review, v. 39(6), 517-526.

Ministério do Turismo (2019). Boletim do Turismo Doméstico Brasileiro. file:///C:/Users/Cliente/Downloads/Boltim_Turismo_Domestico_Brasileiro_2020_AB-3T2019.pdf

Nawaz, M. A., & Hassan, S. (2016). Investment and tourism: insights from the literature. International Journal of Economic Perspectives, 10(4), 581-590.

Pires, J. S. D. B., & Motta, W. F. (2006). A evolução histórica do orçamento público e sua importância para a sociedade. Enfoque: Reflexão Contábil, 2(25), 16”“25.

Rocha, D. G., Marcelino, G. F., & Santana, C. M. (2013). O orçamento público no Brasil: a utilização do crédito extraordinário como mecanismo de adequação da execução orçamentária brasileira. Revista de Administração, 48(4), 813-827.

Rosentraub, M. S., & Joo, M. (2009). Tourism and economic development: Which investments produce gains for regions?. Tourism Management, 30, 759”“770.

Silva, R. C. (2020). A interferência parlamentar no orçamento do Ministério do Turismo: discurso e realidade das políticas públicas de turismo no Brasil. f. 248. Tese (Doutorado em Turismo) ”“ Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN.

Simon, H. (1955). A Behavioral Model of Rational Choice The Quarterly Journal of Economics, 69(1), 99-118.

Todesco, C, & Silva, R. C. (2017). Planejamento e execução orçamentária em turismo no Brasil (2003-2016). Anais Seminário da ANPTUR. Recuperado em: <https://www.anptur.org.br/anais/anais/files/14/751.pdf>.

Vieira, D. P., Hoffman, V. E., & Alberton, A. (2018) Investimentos Públicos, competitividade e desenvolvimento: um estudo em destinos turísticos brasileiro. Revista de Administração Pública, 52(5), 899-917.

Wildavsky, A. (1961). Political implications of budgetary reform. Public Administration Review, 21(4), 183-190.

Wildavsky, A. (1975). Budgeting: a comparative theory of budgeting processes Boston: Little Brown.

Downloads

Publicado

2021-05-31

Como Citar

Todesco, C., & Shirlayne Silva Adelino, I. (2021). A distribuição geográfica dos investimentos públicos em turismo no Brasil de 2003 a 2018. Cenário: Revista Interdisciplinar Em Turismo E Território, 9(2), 171–187. https://doi.org/10.26512/revistacenario.v9i2.35012

Edição

Seção

Artigos