A acumulação originária que se renova

aproximações antropológico-jurídicas ao confronto entre a saúde do capital minerário e a dos atingidos de Barra Longa

Autores

  • Ricardo Prestes Pazello
  • Guilherme Cavicchioli Uchimura Universidade Federal do Paraná
  • Matheus Soares Ferreira

DOI:

https://doi.org/10.26512/insurgncia.v7i1.35954

Palavras-chave:

Barra Longa/MG; Barragem de Fundão; Samarco; Movimento dos Atingidos por Barragens; acumulação originária permanente.

Resumo

A partir de trabalho em campo de observação participante, pretendemos discutir a categoria da acumulação originária permanente a partir de dados e informações sobre o contexto epidemiológico de Barra Longa/MG, município brutalmente atingido pelo rompimento da Barragem de Fundão no ano de 2015. Observamos que os movimentos que organizam as populações atingidas pelo rompimento da barragem do Fundão, em Barra Longa, em especial o Movimento dos Atingidos por Barragens, têm no centro de sua intencionalidade política a reivindicação na participação e controle da proposta de reparação dos danos à saúde. Trata-se de uma participação protagônica, em oposição à participação agônica, esta realizada sob a forma da gestão empresarial do processo de reparação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AEDAS; ASSESSÓRIA TÉCNICA MULTIDISCIPLINAR E INDEPENDENTE DOS ATINGIDOS (AS) DE BARRA LONGA ”“ MG. Mitigação e reparação dos danos causados pelo rompimento da barragem de Fundão: eixo de trabalho saúde. Barra Longa: AEDAS, 2019 (Documento interno).

AEDAS; ASSESSÓRIA TÉCNICA MULTIDISCIPLINAR E INDEPENDENTE DOS ATINGIDOS (AS) DE BARRA LONGA ”“ MG. Plano de mitigação e/ou reparação de perdas e danos: eixo de trabalho meio-ambiente e saúde. Barra Longa: AEDAS, 2020 (Documento interno).

AMBIOS ENGENHARIA E PROCESSOS. Estudo de avaliação de risco à saúde humana em localidades atingidas pelo rompimento da Barragem do Fundão ”“ MG: relatório final. São Paulo: AMBIOS, 2019.

BARATA, Rita Barradas. “Iniqüidade e saúde: a determinação social do processo saúde-doença”. Revista Usp. São Paulo: USP, n. 51, 2001, p. 138-145.

BRASIL. Diretrizes para elaboração de estudo de avaliação de risco à saúde humana por exposição a contaminantes químicos. Brasília: 2010. Disponível em: <http://portalarquivos2.saude.gov.br /images/pdf/2015/janeiro/06/Avaliacao-de-Risco---Diretrizes-S.pdf>.

BUSS, Paulo Marchiori; PELLEGRINI FILHO, Alberto. “A saúde e seus determinantes sociais”. Em: Physis: revista de saúde coletiva. Rio de Janeiro: IMS/UERJ, vol. 17, 2007, p. 77-93.

CÂMPERA, Francisco. “Vale, exemplo mundial de incompetência e descaso”. Em: El País. Madrid, 28 de janeiro de 2019. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/01/27/opinion/1548547908_087976.html

COLETIVO DE SAÚDE DE BARRA LONGA. Carta dos atingidos pela Samarco pelo direito à saúde. Barra Longa/MG: MAB, 2016.

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE. Resolução nº 617, de 22 de agosto de 2019. Brasília: Conselho Nacional de Saúde, 2019.

COPANS, Jean. “A antropologia política”. Em: _____; TORNAY, Serge; GODELIER, Maurice; BACKÉS-CLÉMENT, Catherine. Antropologia: ciência das sociedades primitivas? Tradução de J. Pinto de Andrade. Lisboa: Edições 70, 1988, p. 91-139.

IBGE. Censo de 2010. Brasília: IBGE, 2010. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/barra-longa/panorama>.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

LACAZ, Francisco Antonio de Castro; PORTO, Marcelo Firpo de Sousa; PINHEIRO, Tarcício Márcio Magalhães Pinheiro. “Tragédias brasileiras contemporâneas: o caso do rompimento da barragem de rejeitos de Fundão/Samarco”. Em: Revista brasileira de saúde ocupacional. São Paulo: FUNDACENTRO, v. 42, jul. 2017, p. 1-12.

LUXEMBURG, Rosa. A acumulação do capital: contribuição ao estudo econômico do imperialismo ”“ Anticrítica. Tradução de Marijane Vieira Lisboa e Otto Erich Walter Maas. São Paulo: Abril Cultural, vol. II, 1984.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política ”“ O processo de produção do capital. Tradução de Rubens Enderle. 2 reimp. São Paulo: Boitempo, livro I, 2014.

MAUSS, Marcel. “Ensaio sobre a dádiva: forma e razão da troca nas sociedades primitivas”. Em: _____ Sociologia e antropologia. Tradução de Paulo Neves. 3 reimp. São Paulo: Cosac Naify, 2008, p. 183-304.

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. Ação Civil Pública n° 1000504-03.2020.4.01.3822. Minas Gerais, 12 de março de 2020.

MOTA, Camilla Veras. “Exames constatam intoxicação por metais pesados em moradores de cidade atingida pelo desastre de Mariana”. Em: BBC News Brasil, São Paulo, 26 março 2018. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/brasil-43545468>.

OLIVEIRA, Wanderson Kleber de; ROHLFS, Daniela Buosi; GARCIA, Leila Posenato. “O desastre de Brumadinho e a atuação da Vigilância em Saúde”. Em: Epidemiologia e serviços de saúde. Brasília: Secretaria de Vigilância em Saúde - Ministério da Saúde do Brasil, 28 (1), 19 jun. 2019, p. 1-3

PAZELLO, Ricardo Prestes. “Acumulação originária do capital e direito”. Em: InSURgência: revista de direitos e movimentos sociais. Brasília: IPDMS; Lumen Juris, v. 2, n. 1, jan.-jun. de 2016, p. 66-116.

_____; UCHIMURA, Guilherme Cavicchioli. “Um estado fáustico na lama: economia política e violação do direito em Brumadinho”. Em: COSTA, José Ricardo Caetano; SERAU JUNIOR, Marco Aurélio; SOARES, Hector Cury (orgs.). O estado de mal-estar social brasileiro. Belo Horizonte: IEPREV, 2020, p. 134-152.

PORTO, Marcelo Firpo de Souza. “A tragédia da mineração e do desenvolvimento no Brasil: desafios para a saúde coletiva”. Em: Cadernos de saúde pública. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, vol. 32, 2016, p. 1-3.

PREFEITURA MUNICIPAL BARRA LONGA. Plano de Ação em Saúde de Barra Longa: enviado à Câmara Técnica de Saúde do Comitê Interfederativo em 12 de novembro de 2018. Barra Longa/MG: Prefeitura Municipal, 2018.

REDE DE MÉDICOS E MÉDICAS POPULARES. Relatório Preliminar. Possíveis impactos à saúde relacionados ao rompimento da barragem de Fundão. Barra Longa/MG: Rede de Médicos e Médicas Populares, janeiro de 2016.

RODRIGUES, Daiana Elias; e outros/as. “Algumas análises sobre os impactos à saúde do desastre em Mariana (MG)”. Em: MILANEZ, Bruno; LOSEKANN, Cristiana. Desastre no Vale do Rio Doce: antecedentes, impactos e ações sobre a destruição. Rio de Janeiro: Folio Digital; Letra e Imagem, 2016, p. 163-193.

SANTOS, Nathalia Neiva dos. Relatório Produto Saúde. Barra Longa: AEDAS, 2018.

VORMITTAG, Evangelina da Motta Pacheco Alves de Araújo; OLIVEIRA, Maria Aparecida de; GLERIANO, Josué Souza. “Avaliação de saúde da população de Barra Longa afetada pelo desastre de Mariana, Brasil”. Em: Ambiente e sociedade. São Paulo: ANPPAS, v. 21, 2018, p. 1-22.

WHITEHEAD, Margaret. The concepts and principles of equity and health. Copenhagen: World Health Organization/Regional Office for Europe, 2000.

Downloads

Publicado

31-01-2021

Como Citar

Prestes Pazello, R., Uchimura, G. C., & Soares Ferreira, M. . (2021). A acumulação originária que se renova: aproximações antropológico-jurídicas ao confronto entre a saúde do capital minerário e a dos atingidos de Barra Longa. InSURgência: Revista De Direitos E Movimentos Sociais, 7(1), 279–301. https://doi.org/10.26512/insurgncia.v7i1.35954