História e Memória

a persistência das lembranças impedidas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v1i39.39363

Palavras-chave:

História. Memória. Testemunhas.

Resumo

A relação entre história e memória tem provocado um dos mais instigantes debates na contemporaneidade. A literatura documental de Svetlana Aleksiévitch e a autoficção de Régine Robin, embora distintas em sua forma, relacionam-se e perpassam inegavelmente por essa reflexão, especialmente quando evocam suas testemunhas de maneira sensível. As escritas de Aleksiévitch e Robin são, sobretudo, um exercício de ressignificação do passado, na medida em que os rearranjos narrativos que as sociedades contam ou se contam sobre o passado têm engessado uma memória manipulada. Na contramão disso, as autoras propõem que espiemos permanentemente através dos interstícios do passado e que tenhamos consciência de que a dinâmica da história consiste efetivamente num fluxo constante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALEKSIÉVITCH, Svetlana. Entrevista. Tradução: Natalia Quintero e Elena Vasilevich. São Paulo: Companhia das Letras, 2018a.

ALEKSIÉVITCH, Svetlana. As Últimas Testemunhas: crianças na Segunda Guerra Mundial. Tradução: Cecília Rosas. 1 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2018b.

BERGSON, Henri. Matéria e Memória: Ensaios sobre a relação do corpo com o espírito. 2. ed. Tradução: Paulo Neves. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

BOSI, Ecléa. Memória e Sociedade: Lembranças de Velhos. 11. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

CATROGA, Fernando. Memória, História e Historiografia. Rio de Janeiro: FGV, 2015.

DUARTE, Kelley Baptista. A escrita autoficcional de Régine Robin: mobilidades e desvios no registro da memória. Tese (Doutorado em Letras), Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2010.

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. Tradução: Beatriz Sidou. 1 ed. 3. reimp. São Paulo: Centauro, 2008.

HOBSBAWM, Eric. Era dos Extremos: o breve século XX 1914-1991. 2. ed. 5. reimp. Tradução: Marcos Santarrita. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

MAUAD, Ana Maria. Entrevista ao Programa Salto para o Futuro. 26 out 2008. Disponível em: <http://entrevistasbrasil.blogspot.com/2008/10/ana-maria-mauad.html>. Acesso em: 10 jun 2010.

POLLAK, Michael. Memória, Esquecimento, Silêncio. Tradução: Dora Rocha Flaksman. In: Estudos Históricos. Rio de Janeiro: CPDOC/FGV, v. 2, n. 3, 1989. p. 03-15.

PROUST, Marcel. No Caminho de Swann. Tradução: Mario Quintana. 3 ed. rev. São Paulo: Globo, 2006.

RÈMOND, René. O Século XX: de 1914 aos nossos dias. Tradução: Octavio Mendes Cajado. São Paulo: Cultrix, 1993.

ROBIN, Régine. A Memória Saturada. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2016. Tradução: Cristiane Dias e Greciely Costa.

SEGAL, Corinne. Svetlana Alexievich, investigative journalist from Belarus, wins Nobel Prize in Literature. Disponível em: <https://www.pbs.org/newshour/arts/svetlana-alexievich-investigative-journalist-belarus-wins-nobel-prize-literature>. Acesso em: 18 ago 2020.

UMA mulher alta. Direção: Kantemir Balagov. Rússia: Non-Stop Production, 2019. (139 minutos).

VOLKOV, Solomon. São Petersburgo: Uma História Cultural. Tradução: Marcos Aarão Reis. Rio de Janeiro: Record, 1997.

Downloads

Publicado

2021-12-13

Como Citar

DIAS, C. G. P. História e Memória: a persistência das lembranças impedidas. Em Tempo de Histórias, [S. l.], v. 1, n. 39, 2021. DOI: 10.26512/emtempos.v1i39.39363. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/39363. Acesso em: 6 out. 2022.