O liberalismo do Primeiro Reinado: uma análise das ideias liberais de João Maria da Costa (1826)

Autores

  • Arthur Ferreira Reis

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v1i33.23553

Palavras-chave:

Imprensa. Primeiro Reinado. Intelectuais. Periódicos.

Resumo

O processo de independência do Brasil foi marcado por um intenso alargamento dos espaços públicos. Entusiasmados pela recém conquistada liberdade de imprensa e conscientes do momento singular na construção da nação, diversos redatores iniciaram sua participação na cena pública através de periódicos e panfletos. Nesse contexto, formou-se uma elite intelectual brasileira que em seus escritos construiu linguagens políticas, modificou o significado de conceitos e se mobilizou para defender os mais distintos projetos políticos. Incluído nesse processo está o redator João Maria da Costa e seu jornal Atalaia da Liberdade. Publicado em um momento em que o governo de D. Pedro I estava em seu ápice, se destacando na repressão à imprensa e aos opositores políticos, a derrota da Confederação do Equador e o fechamento da Assembleia Constituinte, João Maria foi uma das principais vozes de oposição ao ministério do Imperador. Defendendo o exercício pleno da liberdade pelos cidadãos brasileiros, a abolição imediata da escravidão e até mesmo o início de um governo federalista/republicano no Brasil, João Maria atraiu para si a ira dos governistas e chegou a ser agredido fisicamente. Essa pesquisa busca, através do periódico Atalaia da Liberdade, resgatar o discurso liberal de João Maria no Primeiro Reinado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BASILE, M. O. (2004). O Império em construção: projetos de Brasil e ação política na Corte Regencial. Tese de Doutorado em História Social. Rio de Janeiro: I.F.C.S. - UFRJ.

CARVALHO, J. M. (1980). A Construção da Ordem. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ.

CARVALHO, J. M. (1998). Escravidão e Razão Nacional. Em J. M. Carvalho, Pontos e Bordados: escritos de história e política. Belo Horizonte: Editora da UFMG.

DOLHNIKOFF, M. (2005). O Pacto Imperial: origens do federalismo no Brasil.São Paulo: Globo.

FONSECA, S. C. (2005). A América como um Conceito: contribuição para o estudo da imprensa republicana fluminense e pernambucana entre 1829 e 1832. (F. A. Gusmão, & C. d. Diplomática, Eds.) Cadernos do CHDD, IV(numéro especial).

GUERRA, F.-X., & Lempériére, A. (1998). Los Espacios Públicos en Iberoamérica: ambiguidades y problemas. Siglos XVII-XIX. México: Fondo de Cultura Ecônomica-Centro Francês de Estudios Mexicanos y Centroamericanos.

HABERMAS, J. (2003). Mudança Estrutural da Esfera Pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

HUNT, L. (2009). A Invenção dos Direitos Humanos: uma história. São Paulo: Companhia das Letras.Liberdade, A. d. (3).Liberdade, A. d. (3).

NEVES, L. M. (2003). Corcundas e Constitucionais: a cultura política da Independência (1820-1822). Rio de Janeiro: REVAN, FAPERJ.

PEIXOTO, A. C. (2001). Liberais ou conservadores? Em L. Guimarães, & M. Prado, O liberalismo no Brasil Imperial: origens, conceitos e prática. Rio de Janeiro: Editora REVAN.

POCOCK, J. G. (2003). Linguagens do Ideário Político. São Paulo: EDUSP.

PRADO, M. E. (2001). Ordem Liberal, Escravidão e Patriarcalismo: as ambiguidades do Império do Brasil. Em L. M. Guimarães, & M. Costa, O Liberalismo no Brasil Imperial.Rio de Janeiro: REVAN.

REIS, A. F. (jun/dez. de 2015). Entre Smith e Quesnay: o debate econômico entre Plancher e Chapuis no Rio de Janeiro (1826). Revista Escritas, 7(2), 176-193.

REIS, A. F. (2016). “Anarquistas” e “servis” : uma análise dos projetos políticos do ano de 1826 no Rio de Janeiro.Vitória: Dissertação (Mestrado em História) - Programa de Pós-Graduação em História Social das Relações Políticas - UFES.

ROCHA, A. P. (2000). Ideias antiescravistas da ilustração na sociedade escravista brasileira. Revista Brasileira de História, 20(39), 37-68.

SCHWARZ, R. (2001). As Ideias Fora do Lugar. São Paulo: Companhia das Letras e Penguim.

SMITH, A. (1996). A Riqueza das Nações: investigações sobre sua natureza e suas casas. São Paulo: Nova Cultural.

YOUSSEF, A. E. (2011). Imprensa e Escravidão: política e tráfico negreiro no Império do Brasil. São Paulo. (Rio de Janeiro, 1822-1850). 2011. 300 f. Dissertação (Mestrado emHistória) ”“ Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

Downloads

Publicado

2019-03-17

Como Citar

REIS, Arthur Ferreira. O liberalismo do Primeiro Reinado: uma análise das ideias liberais de João Maria da Costa (1826). Em Tempo de Histórias, [S. l.], v. 1, n. 33, p. 64–75, 2019. DOI: 10.26512/emtempos.v1i33.23553. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/23553. Acesso em: 23 jun. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.