O Mito da “Flor Exótica”

Reflexões sobre o conceito de influência imigrante e de imprensa libertária na formação da Classe Operária Brasileira

Autores

  • Fábio da Silva Sousa UNESP

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i15.20007

Palavras-chave:

Influência. Independência. Imprensa operária.

Resumo

O conceito de influência foi largamente utilizado pela historiografia em buscar ligações entre o processo de independência e a formação da classe e do movimento operário brasileiro. Nesse texto, pretendo discorrer sobre os problemas do uso desse conceito na elucidação de tais processos históricos, discutirei as novas opções conceituais de interpretação, além, de buscar uma simetria entre o processo de independência e da gênese do anarquismo no Brasil, e, dos panfletos políticos do período monárquico com a imprensa operária republicana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BATALHA, Cláudio. O Movimento Operário na Primeira República. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.p.80.

________________. A Historiografia da Classe Operária no Brasil: Trajetória e Tendências. In: FREITAS, Marcos Cezar (Org.). Historiografia Brasileira em Perspectiva. 4º ed. São Paulo: Contexto, p. 148-157. 2001.

________________. Formação da classe operária e projetos de identidade coletiva. In: FERREIRA, Jorge & DELGADO, Lucília de Almeida Neves (Orgs.). O tempo do liberalismo excludente: da proclamação da República à Revolução de 1930. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, v. 1, p. 163-189. 2003.

BLOCH, Marc. Apologia da História ou Ofício do Historiador. Trad. André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.p.160.

BURKE, Peter. O que é História Cultural? Trad. Sergio Góes de Paula. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005.p.192.

CAPELATO, Maria Helena Rolim. O Controle da Opinião e os Limites da Liberdade: Imprensa Paulista (1920 ”“ 1945). In: Revista Brasileira de História. São Paulo: ANPUH/Marco Zero, v. 12, nº 23/24, p.55-75, 1991/92.

______________________________. A imprensa na história do Brasil. 2º ed. São Paulo: Contexto/EDUSP, 1994.p.78.

CARONE, Edgard. Movimento Operário no Brasil (1877-1944). São Paulo/Rio de Janeiro: Difel, 1979.p.578.

CARVALHO, José Murilo de. A Formação das Almas: o imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.p.196.

CHARTIER, Roger (Org). Práticas de Leitura. Trad. Cristiane Nascimento. 2. ed. São Paulo: Estação Liberdade, 2001.p.266.

____________. Textos, Impressão e Leitura. In: HUNT, Lynn. A Nova História Cultural. Trad. Jefferson Luís Camargo. São Paulo: Martins Fontes, p. 211-238, 1992.

DARNTON, Robert. Edição e Sedição. O universo da literatura clandestina no século XVIII. Trad. Myriam Campello. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.p.262.

DIAS, Maria Odila da Silva. Aspectos da Ilustração no Brasil. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Brasil. Rio de Janeiro, v. 278, p.105-170, 1968.

Dicionário HOUAISS da Língua Portuguesa. São Paulo/Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2001.p.3008.

FAUSTO, Boris. Trabalho Urbano e Conflito Social (1890 ”“ 1920). São Paulo: Difel, 1977.p.284.

FERREIRA, Maria Nazareth. A Imprensa Operária no Brasil. 1880 ”“ 1920. Petrópolis: Vozes, 1978.p.164.

LUSTOSA, Isabel. O nascimento da imprensa brasileira. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.p.71.

MAXWELL, Kenneth R. A devassa da devassa: a Inconfidência Mineira, Brasil-Portugal. 1750-1808. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.p.318.

____________________. Chocolate, Piratas e Outros Malandros. São Paulo: Paz e Terra, 1999.p.468.

NEVES, Lúcia Maria Bastos Pereira. Os panfletos políticos e o esboço de uma esfera pública de poder no Brasil. In: ABREU, Marica; SCHAPOCHNIK, Nelson (Orgs.). Cultura Letrada no Brasil: objetos e práticas. Campinas: Mercado das Letras; São Paulo: FAPESP, p.399-411. 2005.

_____________________________. O privado e o público nas relações culturais do Brasil com Portugal e França (1808-1822). In: Ler História. Lisboa/Portugal, v. 37, p. 95-111, 1999.

ORWELL, George. 1984. Trad. Wilson Velloso. 18º ed. São Paulo: Ed. Nacional, 1984.p.277.

PERROT, Michelle. Os Excluídos da História: Operários, Mulheres e Prisioneiros. Trad. Denise Bottmann. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.p.332.

RÉMOND, René. O Século XX: de 1914 aos nossos dias. Trad. Octavio Mendes Cajado. 2º ed. São Paulo: Cultrix, 1997.p.207.

RODRIGUES, Edgar. Pequena História da Imprensa Social no Brasil. Florianópolis: Editora Insular, 1997.p.158.

SCHWARZ, Roberto. “As idéias fora do lugar”. In: _______. Cultura e Política. 2° Ed. São Paulo: Paz e Terra, p. 59-83. 2005.

SILVA, Rodrigo Rosa da. Imprimindo a Resistência: A Imprensa Anarquista e a Repressão Política em São Paulo (1930-1940). Tese de Mestrado, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP): Campinas, 2005.p.188.

SODRÉ, Nelson Werneck. História da Imprensa no Brasil. 4º ed. Rio de Janeiro: Maud, 1999.p.502.

Downloads

Publicado

2011-07-12

Como Citar

SOUSA, F. da S. O Mito da “Flor Exótica”: Reflexões sobre o conceito de influência imigrante e de imprensa libertária na formação da Classe Operária Brasileira. Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 15, 2011. DOI: 10.26512/emtempos.v0i15.20007. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/20007. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos