Em busca das memórias perdidas

o acessar aos arquivos secretos da ditadura e o desvendar das lembranças dos sobreviventes da Guerrilha do Araguaia

Autores

  • Hugo Studart Universidade de Brasília (UnB)

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i20.19855

Palavras-chave:

Guerrilha do Araguaia. Memória e esquecimento. Direitos Humanos.

Resumo

Comunicação de pesquisa que busca detalhar as descobertas e a abordagem metodológica da investigação historiográfica em curso sobre a guerrilha rural brasileira (1966-1974), através do uso combinado de fontes escritas remanescentes (diários e cartas dos guerrilheiros, documentos políticos do partido e documentos militares) e das fontes orais sobreviventes (guerrilheiros, camponeses e militares), procurando diálogo teórico com Walter Benjamin, Paul Ricoeur e Hannah Arendt a partir de suas reflexões sobre o conceito de memória, assim como em questões como memória e esquecimento, anistia e perdão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hugo Studart, Universidade de Brasília (UnB)

Doutorando e mestre em História Cultural pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade de  Brasília (PPGHIS/UnB) e graduado em Jornalismo pela mesma instituição. 

Referências

ARENDT, Hannah. Responsabilidade e Julgamento. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas Vol. I - Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7a ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

CAMPOS FILHO, Romualdo Pessoa. Guerrilha do Araguaia ”“ Esquerda em Armas. Goiânia: Universidade Federal de Goiás, 1997.

CARVALHO, Luis Maklouf: Mulheres que foram à luta armada. São Paulo: Globo, 1998.

CATROGA, Fernando. Os passos do homem como restolho do tempo: memória e fim do fim da história. Coimbra: Almedina, 2009.

DELGADO, Lucília de Almeida Neves. História Oral ”“ memória, tempo, identidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

GAGNEBIN, Jeanne-Marie. “Do Conceito de Mímesis no pensamento de Adorno e Benjamin”. In: Perspectivas ”“ Revista de Ciências Sociais, Vol. 13. São Paulo: Universidade Estadual Paulista, UNESP, 1993.

GEERTZ, Clifford Geertz. A Interpretação das Culturas. São Paulo: LTC, 2003.

GINZBURG, Carlo. Relações de Força ”“ História, Retórica, Prova. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 1997.

HOBSBAWM, Eric. A Era dos Extremos: O breve século XX. 2a ed., São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

MORIN, Edgar. O Método ”“ Volume 3. Porto Alegre: Sulina, 2008.

PESAVENTO, Sandra Jathay. História & História Cultural. São Paulo: Autêntica, 2003.

RICOEUR, Paul. Tempo e Narrativa ”“ Tomo 1. Campinas: Papirus, 1994.

___________________. A memória, a história e o esquecimento. Campinas: Unicamp, 2010, 2ª reimpressão.

STUDART, Hugo. A Lei da Selva ”“ Estratégias, Imaginário e Discurso dos Militares sobre a Guerrilha do Araguaia. São Paulo: Geração, 2006.

SWAIN, Tânia Navarro (Org.). História no Plural. Brasília: Ed. UnB, 1994.

Downloads

Publicado

2012-08-17

Como Citar

STUDART, H. Em busca das memórias perdidas: o acessar aos arquivos secretos da ditadura e o desvendar das lembranças dos sobreviventes da Guerrilha do Araguaia. Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 20, p. 09–30, 2012. DOI: 10.26512/emtempos.v0i20.19855. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/19855. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê