DOCUMENTARTE Encontro com documentos e pensamento professoral no ensino de História

Autores

  • Luciane Helbich UFRGS
  • Nilton Mullet Pereira UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i23.14867

Palavras-chave:

Pensamento. Ensino de História. Produção de narrativas.

Resumo

Este é um trabalho com um perfil histórico-filosófico. Procura discutir os conceitos de pensamento e de encontro, a partir da relação entre o professor de História e os documentos, e tendo como fontes de inspiração Deleuze, Foucault e Spinoza. Nesse sentido, compreende a criação de narrativas como o momento privilegiado da prática professoral, na Escola Básica, revelando-se como um processo que decorre de uma violência do pensamento, ensejado pelos encontros entre um fazer professoral e os documentos históricos.  O ofício do professor de História é considerado como um fazer artístico e gerador de histórias-problema. Nesta perspectiva, as narrativas pensadas a partir do encontro do professor com os documentos são apresentadas como um movimento de imaginação criativa. Procura-se lançar novos olhares sobre as experiências com os documentos e entendê-las como atualização de virtualidades que a potência dos documentos disponibiliza. Pensando a partir da filosofia da diferença, este texto busca a empiria com a matéria de expressão, que são os documentos que dão consistência à criação de um novo plano de pensamento. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBUQUERQUE Júnior, Durval M. Historia: a arte de inventar o passado ”“Ensaios de teoria de História.Bauru: Edusc, 2007.

BITTENCOURT, Circe (org.). O Saber Histórico na Sala de Aula. Coleção Repensando o Ensino. Editora Contexto (Editora Pinsky Ltda.). São Paulo, 2004.

DELEUZE, Gilles. Bergsonismo. Tradução deLuiz Orlandi. São Paulo: Ed. 34, 1999.

DELEUZE, Gilles. Foucault. Tradução Claudia Sant’Anna Martins. 1. Ed. São Paulo: Brasiliense, 1988.

DELEUZE, Gilles. Proust e os signos. Tradução de Antonio Carlos Piquet e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010

DELEUZE, Gilles. Sobre Spinoza. Cours Vincennes ”“24/01/1978. Tradução de Francisco Traverso Fuchs. http://www.webdeleuze.com/php/texte.php?cle=194&groupe=Spinoza&langue=5(acesso em setembro de 2011).

FEBVRE, Lucien. Apud LE GOFF, Jacques. História e Memória. Tradução de Bernardo Leitão. São Paulo. Campinas, Editora da Unicamp, 1992.

FOUCAULT, Michel. A hermenêutica do sujeito. Tradução de Márcio Alves da Fonseca e Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

FOUCAULT, Michel. O pensamento do exterior. In: Ditos e Escritos III. Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. Tradução Inês Autran Dourado Barbosa. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

MACHADO, Roberto. Deleuze, a arte e a filosofia. 2ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2010. p. 75

PELBART, Peter Pál. Da clausura do Fora ao Fora da clausura: Loucura e Desrazão. SãoPaulo. Brasiliense. 1989.

PEREIRA, Nilton Mullet; SEFFNER, Fernando. O que pode o ensino de História? Sobre o uso de fontes na sala de aula. Anos 90, Porto Alegre, v.15, n.28, p.113-128, dez.2008.

SCHIMIDT, Maria Auxiliadora & CAINELLI, Marlene. Ensinar História. São Paulo. Scipione, 2004.

SPINOZA, Benedictus de. Ética. Tradução de Tomaz Tadeuda Silva. 2ª ed. Belo Horizonte: Ed. Autêntica, 2011.

Downloads

Publicado

2013-12-17

Como Citar

HELBICH, L.; PEREIRA, N. M. DOCUMENTARTE Encontro com documentos e pensamento professoral no ensino de História. Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 23, 2013. DOI: 10.26512/emtempos.v0i23.14867. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/14867. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos