A escrita de si em The Handmaid’s Tale, de Margaret Atwood: limites e possibilidades na relação entre narrativas ficcionais e a ciência histórica

Autores

  • Isabela Parucker

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i28.14759

Palavras-chave:

Ficção. Escrita de si. História.

Resumo

O presente trabalho objetiva contribuir para as discussões acerca da escrita da história, a partir da reflexão sobre os usos de narrativas ficcionais em processos de subjetivação e construção identitária, dando enfoque a mulheres. Examinando a obra de ficção da autora canadense Margaret Awtood, procuro pensar as potencialidades da escrita literária na ciência histórica e suas possíveis interconexões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ATWOOD, Margaret. The Handmaid’s tale.New York: Anchor Books, 1998.

ATWOOD, Margaret. A História da Aia.(Trad. Márcia Serra). São Paulo: Marco Zero, 1987.

CERTEAU, Michel de. “A operação historiográfica”. In: ____. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982,56-108.

CHARTIER, Roger. “Textos, impressão, leituras”. In: HUNT, Lynn (org.). A nova história cultural.2a Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001, pp. 211-238.

ECO, Umberto. Interpretação e superinterpretação. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FACINA, Adriana; SOIHET, Rachel. Gênero e Memória: algumas reflexões. Revista Gênero, v. 5, n. 1, 2012. Disponível em: http://www.revistagenero.uff.br/index.php/revistagenero/article/download/218/142. Acesso em 5 de abril de 2016.

GADAMER, Hans-Georg. Teoria da história e linguagem: Uma réplica de Hans-George Gadamer”. In: KOSELLECK, Reinhart. Estratos do tempo. Rio de Janeiro: PUC-Rio/Contraponto, 2014, p. 111-118.

KOSELLECK, Reinhart. Estratos do tempo. Rio de Janeiro: PUC-Rio/Contraponto, 2014.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC-Rio, 2006.

LACAPRA, Dominick. History, politics, and the novel. Ithaca, New York: Cornell Univ Press, 1989.

LACER A, Sônia. “História, narrativa e imaginação histórica”. In: NAVARRO, Tânia. História no Plural. Brasília, Editora UnB, 1994, pp. 9-42.

MENESES, UlpianoT. Bezerra de. “O museu e a questão do conhecimento”. In: GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado; RAMOS, Francisco Régis Lopes (Orgs.). Futuro do Pretérito:Escrita da História e História do Museu. Fortaleza: Instituto Frei Tito de Alencar; Expressão Gráfica Editora, 2010, p.13-49.

PERROT, Michelle. Os excluídos da história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

RAGO, Luzia Margareth. A aventura de conter-se: feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2013.

RÜSEN, Jörn.Razão histórica.Teoria da história: os fundamentos da ciência histórica. Jörn Rüsen; tradução de Estevão de Rezende Martins. 1areimpressão. Brasília, EdUnB, 2001.

WOOLF, Virginia. Profissões para mulheres e outros artigos feministas. (tradução de Denise Bottmann). Porto Alegre: L&PM, 2012.Projeto de Lei 5069/2013. Disponível em http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=565882Acesso em 23 de abril de 2016.

Downloads

Publicado

2017-02-02

Como Citar

PARUCKER, I. A escrita de si em The Handmaid’s Tale, de Margaret Atwood: limites e possibilidades na relação entre narrativas ficcionais e a ciência histórica. Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 28, 2017. DOI: 10.26512/emtempos.v0i28.14759. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/14759. Acesso em: 1 fev. 2023.

Edição

Seção

Dossiê