Ensaio para antologizar prefácios de traduções romenas do século XIX

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/belasinfieis.v9.n3.2020.30832

Palavras-chave:

Século XIX. Paratextos. Tratado de tradução. Tradução fiel. Foco tradutivo.

Resumo

Insuficientemente explorados na história e na historiografia da tradução romena, os discursos prefaciais que acompanham as traduções romenas do século XIX mostram o ecletismo das abordagens dos tradutores romenos num período de transição, conturbado em todos os aspectos. Graças a um corpus de algumas dezenas de paratextos, traçamos diretrizes para a percepção da atividade de tradução da época, graças a estes testemunhos de tradutores, ocasionais ou consagrados, cujo mérito é terem sido pioneiros e terem feito o público leitor romeno descobrir as produções culturais estrangeiras. Apesar dos deslizes ou abusos de tradução, a ênfase foi colocada nos elementos que provam que o texto traduzido não representa uma tradução literal, mas a criação do tradutor, resultado de um ato interpretativo elaborado e complexo (por vezes digno de rivalizar com a complexidade do próprio original). A orientação claramente direcionada ao sistema de chegada da maioria das transposições de textos estrangeiros para o romeno, as intervenções muito bruscas em relação ao texto de partida, em que a adaptação vai do etnocentrismo à reestruturação massiva, a nível tanto do significado como do significante, legitimam-nos para os classificarmos como derivados da tradução propriamente dita. Este artigo não se propõe a fazer avaliações, favoráveis ou depreciativas, do desempenho dos tradutores em que nos concentramos, mas sublinhar a existência em si destes minitratados de tradução em que os tradutores verbalizam, se não conceituam, as dificuldades de traduzir para uma língua que não foi de forma alguma formada, completada e amadurecida. No entanto, o comentário peremptório do tradutor não autoriza críticas à sua criação, que está sujeita a nobres compromissos como o despertar nacionalista, o êxito da língua, o desenvolvimento e a organização da educação. A inclinação autorreflexiva identificada no metadiscurso do tradutor e o desejo de justificar as suas opções de tradução ajudam-nos a traçar as origens da crítica de traduções na Romênia. Assim, por seu conteúdo teórico e ideológico, algumas das prefácios-manifestos mostram que as traduções do século XIX são o resultado de um trabalho árduo, de uma determinação feroz e de ambições admiráveis para abrir caminhos e para traçar novas rotas a outros que seguirão o seu exemplo para fazer melhor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ioana Simina Frincu, Bibliothèque Centrale Universitaire « Eugen Todoran » de TimiÈ™oara

Diplôme en Français et Anglais (2005), l’Université de l’Ouest de TimiÈ™oara. Master en Traductologie (2007), l’Université de l’Ouest de TimiÈ™oara. Doctorante à l’Université de l’Ouest de TimiÈ™oara, son thème de recherche est axé sur l’histoire de la traduction en roumain au XIXe siècle. Elle est assistante de recherche dans le cadre du projet Lib2Life, à la Bibliothèque Centrale Universitaire « Eugen Todoran » de TimiÈ™oara. TimiÈ™oara, TimiÈ™, Romania.

Referências

Cordonnier, Jean-Louis. “Aspects culturels de la traduction : quelques notions clé.” Meta : journal des traducteurs, no. 1, mars 2002, p. 38-50.

Cornea, Paul. De la Alecsandrescu la Eminescu. Aspecte, figuri, idei, Editura pentru literatură, Bucureşti, 1966.

Eliade, Pompiliu. Histoire de l’esprit public en Roumanie au dix-neuvième siècle. Tome premier : L’occupation turque et les premiers princes indigènes (1821-1828). Société Nouvelle de Librairie et d’Édition, Paris, 1905.

Hristea, Theodor. Probleme de etimologie. Studii. Articole. Note. Editura Ştiinţifică, Bucureşti, 1968.

Klimkiewicz, Aurélia. “La traduction et la culture du passage.” Meta : journal des traducteurs, no. 4, décembre 2005.

Ladmiral, Jean-René. Traduire : théorèmes pour la traduction. Gallimard, 2002.

Lascu-Pop, Rodica. “Interférences culturelles franco-roumaines (XVIIIe ”“ XIXe siècles).” Francofonia, no. 3, 1994, p. 87-97, https://rodin.uca.es/xmlui/bitstream/handle/10498/8151/17214968.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Consulté le 9 avril 2019.

Lungu-Badea, Georgiana, coordenatrice. Un capitol de traductologie românească. Studii de istorie a traducerii (III). Editura Universităţii de Vest, TimiÅŸoara, 2008.

Lungu-Badea, Georgiana. Idei È™i metaidei traductive româneÈ™ti (secolele al XVI-lea-al XXI-lea), EdiÈ›ia a II-a, revăzută È™i adăugită. Editura Universității de Vest, TimiÈ™oara, 2015.

Nădejde, Ioan. “Limba literară.” Contemporanul, An V, no. 12, Tipo-litografiea H. Goldner, IaÅŸi, Iunie s.n., 1887.

Odobescu, Alexandru. “CondiÅ£iile unei bune traduceri româneÅŸti din autorii eleni ÅŸi latini.” Editura Librăriei H. STEINBERG, BucureÈ™ti, [1873] 1924.

Popovici, D. La littérature roumaine à l’époque des Lumières. Centrul de studii ÅŸi cercetări privitoare la Transilvania, Sibiu, 1945.

PuÅŸcariu, Sextil. Limba română. Privire generală, vol. I, Editura Minerva, BucureÅŸti, 1976.

Reiss, Katharina. La critique des traductions. Ses possibilités et ses limites. Traduit de l’allemand par Catherine Bocquet. Cahiers de l’Université d’Artois 23/2002, Artois Presses Université, Arras, 2002.

Tcherednitchenko, A.I., et Y.G. Koval. Théorie et pratique de la traduction. Kiev, 1991.

TorouÅ£iu, I. E., and Gh. CardaÅŸ. Studii ÅŸi documente literare. Junimea. Vol. I : Scrisori din anii 1867-1915 cătră I. C. Negruzzi. Institutul de Arte Grafice „Bucovina”, BucureÅŸti, 1931.

Publicado

23-04-2020

Como Citar

FRINCU, I. S. Ensaio para antologizar prefácios de traduções romenas do século XIX. Belas Infiéis, Brasília, Brasil, v. 9, n. 3, p. 41–57, 2020. DOI: 10.26512/belasinfieis.v9.n3.2020.30832. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/article/view/30832. Acesso em: 28 jan. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)