A Profissionalização de tradutores/intérpretes de língua de sinais na cidade de Pelotas/RS:

um percurso narrado

  • Daiana San Martins Goulart San Martins Goulart Universidade Luterana do Brasil - ULBRA
  • Iara Tatiana Bonin Tatiana Bonin Universidade Luterana do Brasil - ULBRA
Palavras-chave: Língua Brasileira de Sinais, Tradutor/Intérprete, Profissionalização

Resumo

Neste artigo, são retomados alguns processos implicados na profissionalização dos tradutores/intérpretes de língua de sinais no extremo sul do país por meio de documentos históricos e, também, da narrativa de uma das primeiras profissionais de Libras a atuar na cidade de Pelotas/RS. A base empírica compreende documentos e normativas que orientam a profissão, dados oriundos de outros estudos acadêmicos e, ainda, transcrições de entrevista realizada com uma das primeiras tradutoras/intérpretes da região. Os resultados deste estudo permitem entender que os tradutores/intérpretes de língua de sinais foram gradativamente conquistando espaços e circunscrevendo um campo específico de atuação, conjuntamente negociado. Observa-se, nos documentos e normativas que orientam a atuação desses profissionais, um investimento na produção de um perfil com propósitos distintos em cada tempo e contexto histórico, e vislumbra-se uma mudança de ênfase: se antes tais documentos orientavam-se fortemente para a regulação da conduta do profissional, na atualidade, voltam-se para competências tradutórias e para o cumprimento de regras já consolidadas sobre a profissão. Os depoimentos orais de uma profissional com larga experiência possibilitaram recuperar alguns aspectos sobre a história da profissionalização dos tradutores/intérpretes na cidade de Pelotas/RS e permitiram entender como se estabeleceram os processos de avaliação e validação do trabalho destes profissionais, num tempo em que não havia, ainda, normativas específicas. Destaca-se, ainda, o caráter político da atuação dos tradutores/intérpretes de língua de sinais na articulação às lutas empreendidas pelas comunidades surdas pelo reconhecimento, valorização e ampliação dos espaços de visibilidade da Língua Brasileira de Sinais no estado do Rio Grande do Sul.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Iara Tatiana Bonin Tatiana Bonin, Universidade Luterana do Brasil - ULBRA

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Mestre em Educação pela Universidade de Brasília e Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Santa Catarina. Atualmente é coordenadora e professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Luterana do Brasil e bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq (PQ 2). Desenvolve estudos e orienta teses e dissertações que tratam das pedagogias e políticas da diferença, com foco na temática indígena, na literatura infantil e nos estudos surdos.

 

Referências

BRASIL. Lei nº 10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10436.htm Acesso em: 23 fev. 2018.

BRASIL. Decreto nº 5626 de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm Acesso em: 23 fev. 2018.

BRASIL. Lei nº 12.319 de 1º de setembro de 2010. Regulamenta a profissão do Tradutor/Intérprete de Língua de Sinais – LIBRAS. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12319.htm Acesso em: 26 fev. 2018.

BRASIL. Lei 13.146 de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm Acesso em: 26 fev. 2018.

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Lei nº 11.405, de 31 de dezembro de 1999: Dispõe sobre a oficialização da LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais e dá outras providências. Disponível em: http://www.al.rs.gov.br/filerepository/repLegis/arquivos/11.405.pdf

Acesso em: 28 fev. 2018.

GASKELL, G. Entrevistas Individuais e Grupais. In: BAUER, M. W.; GEORGE,G. (Orgs.). Pesquisa Qualitativa Com Texto imagem e Som: Um manual prático. Tradução de Pedrinho A. Guareschi. 9ª ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

LACERDA, C. B. F. Tradutores e Intérpretes de Língua de Sinais: formação e atuação nos espaços educacionais inclusivos. Cadernos de Educação, FaE/PPGE/UFPel | Pelotas [36]: 133 - 153, maio/agosto 2010.

LAGUNA, M. C. V. Moralidade, Idoneidade e Convivência: discursos sobre as práticas dos repetidores de classe do INES no período de 1855 a 1910 que incidem na atuação profissional dos tradutores-intérpretes de língua de sinais da atualidade. 2015. 155f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação. Faculdade de Educação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

LEITE, E. M. C. Comunidade Surda Brasileira: Sua Língua e Educação. In: Os Papeis do intérprete de Libras na sala de aula inclusiva. Coleção Cultura e Diversidade. Petrópolis/RJ: Arara Azul, 2005.

QUADROS, R. M. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa. Secretaria de Educação Especial; Programa Nacional de Apoio à Educação de Surdos - Brasília: MEC; SEESP, 2004.

ROCHA, S. M. INES e a Educação de Surdos no Brasil: aspectos da trajetória do Instituto Nacional de Educação de Surdos em seu percurso de 150 anos. Vol. 01- Rio de Janeiro: Editora INES, 2008.

RUSSO, Â. Intérpretes de Língua de Sinais: Uma posição discursiva em construção. 2010. 133f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

SILVEIRA, R. M. H. A entrevista na pesquisa em educação: uma arena de significados. In: COSTA, Marisa Vorraber (org.). Caminhos Investigativos II. 2ª. Ed. Rio de Janeiro: Lamparina editora, 2007.

SCHUCK, M. A educação dos surdos no RS: currículos de formação de professores de surdos. 2011.154 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2011.

Publicado
2019-01-31
Como Citar
GoulartD. S. M. G. S. M., & BoninI. T. B. T. (2019). A Profissionalização de tradutores/intérpretes de língua de sinais na cidade de Pelotas/RS:. Belas Infiéis, 8(1), 55-74. https://doi.org/10.26512/belasinfieis.v8.n1.2019.12821
Seção
Artigos