QUEM JULGA AQUELES QUE JULGAM: O PACTO NARCÍSICO DO JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A MANUTENÇÃO DOS PRIVILÉGIOS DA BRANQUITUDE

Autores

Palavras-chave:

Judiciário, Pacto, Narcísico, Branquitude, Racismo

Resumo

Este artigo tem como escopo analisar alguns acontecimentos dos últimos tempos que causaram estupor em parte da sociedade brasileira que, acreditando ter superado teorias racistas, se deparou com sentenças de membros do judiciário que nos remetem à discussão tida como legítima até meados da metade do século XX, quando a ciência e as instituições sociais consideravam a “raça” e o fenótipo determinantes para o comportamento dos indivíduos. Superadas essas teorias não somente pela ciência, mas pelo discurso público que perpassou as instituições, rechaçando veementemente o uso de teorias racistas para legitimar práticas de discriminação, nos vemos diante do desafio, novamente, de explicar o que pode estar na base de sentenças do judiciário, que aponta a raça, ora para absolver um indivíduo, ora para condená-lo, e ,explicar a ratificação dos termos dessas sentenças pelos julgadores dos órgãos responsáveis por investigar e punir irregularidades cometidas por juízes no exercício de suas funções. A reflexão que segue traz a composição do judiciário brasileiro, duas sentenças de primeiro grau que repercutiram na sociedade e as decisões dos responsáveis que julgaram às magistradas que proferiram tais sentenças, à luz dos estudos sobre as questões raciais que têm tomado conta do debate e lançado novas luzes para uma magistratura perpetuadora do privilégio branco no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Viviane Vidigal , Universidade de Campinas, UNICAMP, Brasil.

Doutoranda em Sociologia na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Mestra em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas (2020). Especialista em Direito do Trabalho (NTC, 2011) . Possui graduação em Ciências Sociais e Jurídicas pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2006)

Fabiane Albuquerque, Universidade de Campinas, UNICAMP, Brasil.

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Goiás (2007). Mestrado em sociologia pela Universidade Estadual de Campinas. Doutorado pela Universidade Estadual de Campinas.

Referências

ADORNO, S. Racismo, criminalidade e justiça penal: réus brancos e negros em perspectiva comparativa. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n. 18, p. 1-22,1996

ALMEIDA S. Racismo Estrutural in Feminismo Plurais, Ribeiro D.(org.), Polen, São Paulo, 2019.

ALMEIDA, Sílvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018, p.19.

ALVES, D. (2017). Rés negras, juízes brancos: uma análise da interseccionalidade de gênero, raça e classe na produção da punição em uma prisão paulistana. Revista CS, 21, pp. 97-120. Cali, Colombia: Facultad de Derecho y Ciencias Sociales, Universidad Icesi.

ANDRADE, Mailô de Menezes Vieira. “Podem os privilegiados escutar?”: provocações dos feminismos marginais à crítica criminológica. Rev. Direito Práx., Rio de Janeiro, v. 11, n. 4, p. 2302-2329, Dec. 2020 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S2179-89662020000402302&lng=en&nrm=iso>. access on 20 Apr. 2021. Epub Nov 16, 2020. https://doi.org/10.1590/2179-8966/2019/43476.

BENTO, Maria Aparecida Silva. Pactos narcísicos no racismo: branquitude e poder nas organizações empresariais e no poder público. Tese (doutorado). 169 p. Departamento de Psicologia da Aprendizagem, do Desenvolvimento e da Personalidade. Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo: São Paulo, 2002.

BENTO, M. A. S.; CARONE,I. Org. Psicologia Social do Racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. ed. 6.Petrópolis: Vozes, 2014.

COLLINS, P. H. Black sexual politics african americans, gender, and the new racism: New York: Routledge, 2004.

COLLINS, Patricia Hill. Black Feminist Thought: knowledge, consciousness and the politics of empowerment: New York, Routledge, 2009.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o Encontro de Especialistas em Aspectos da Discriminação Racial Relativos ao Gênero. Revista Estudos Feministas. Ano 10 (1). Florianópolis, 2002.

Revista Direito.UnB | Maio-Agosto 2021, V. 05, N. 02 | ISSN 2357-8009 | pp. 183-210

CRENSHAW, Kimberlé, Bonis Oristelle, “Mapping the Margins: Intersectionality, Identity Politics, and Violence against Women of Color”, Cahiers du Genre, 2005/2 (No 39), p. 51-82. DOI: 10.3917/cdge.039.0051. URL: https://www.cairn-int.info/journal-cahiers-du- genre-2005-2-page-51.htm. Acesso em 15 de janeiro de 2021.

DURKHEIM, E. As regras do método sociológico. 13.ed. São Paulo: Nacional, 1987 (Texto originalmente publicado em 1985)

FANON F. Pele negra, máscaras brancas: Salvador, EDUFBA, 2008.

FOCAULT M. Vigiar e Punir: nascimento da prisão: Petrópolis, Ed. Vozes, 1994.

FRASER, Nancy. Reenquadrando a justiça em um mundo globalizado. Lua Nova, n.77, São Paulo, 2009.

HOOKS, B. Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra. São Paulo: Elefante,2019.

KILOMBA, G. Memórias da Plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LOMBROSO, Cesare. O Homem Delinquente. Tradução: Sebastian José Roque. 1. Reimpressão. São Paulo: Ícone, 2010.

MOREIRA, A. J. Racismo recreativo. São Paulo: Pólen,2019.

MOREIRA, Adilson José. Pensando como um negro. Ensaio de hermenêutica jurídica. São Paulo: Contracorrente, 2019.

MOREIRA, Adilson José. Racismo no Judiciário reflete senso comum e ‘imaginário’ brasileiro, 2020. https://www.redebrasilatual.com.br/cidadania/2020/09/racismo-no- judiciario-reflete-senso-comum-e-imaginario-brasileiro/. Acesso em 15 de janeiro de 2020.

MOURA, C., O racismo como arma ideológica de dominação. Portal Geledes, 19/01/2014. Disponível em: https://www.geledes.org.br/o-racismo-como-arma-ideologica-de- dominacao/. Acesso em 15 de janeiro de 2021.

NASCIMENTO, Carine. O pacto de morte do racismo. Em entrevista, Cida Bento compartilha reflexões sobre a questão racial e sua produção acadêmica e atuação na sociedade civil. Folha de São Paulo. Disponível em: https://quatrocincoum.folha.uol.com.br/br/noticias/ ciencias-sociaiso-pacto-de-morte-do-racismo. Acesso em 15 de janeiro de 2020.

PABLOS DE MOLINA, Antonio Garcia; GOMES, Luiz Flávio. Criminologia. 8. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013.

(Coleção: Feminismos Plurais)

___________Quem tem medo do feminismo negro? São Paulo: Companhia das letras,2018.

SCHUCMAN VAINER L., Entre o “encardido”, “o branco” e o “branquíssimo”: Raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulista, (tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós Graduação em Psicologia da Universidade de São Paulo), São Paulo, 2012.

VAN DIJK, T. A. Discurso e poder. São Paulo: Contexto, 2010.

VAN DIJK, T. A. Discurso e contexto: uma abordagem sociocognitiva. Trad. Rodolfo Ilari. São Paulo: Contexto, 2012.

VAN DIJK, T. A. Política, Ideologia e Discurso. In: MELO, I. F. (org.). Introdução aos estudos críticos do discurso: teoria e prática. Campinas, SP: Pontes Editora, 2012.

Revista Direito.UnB |Maio - Agosto, 2021, V. 05, N. 2

Downloads

Publicado

2021-08-31

Como Citar

VIDIGAL , Viviane; ALBUQUERQUE, Fabiane. QUEM JULGA AQUELES QUE JULGAM: O PACTO NARCÍSICO DO JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A MANUTENÇÃO DOS PRIVILÉGIOS DA BRANQUITUDE . Direito.UnB - Revista de Direito da Universidade de Brasília, [S. l.], v. 5, n. 2, p. 183–210, 2021. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/revistadedireitounb/article/view/36131. Acesso em: 17 jul. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.