Viagens e Turismo

Emília Snethlage e Heloisa Alberto Torres as cientistas e viajantes da Amazônia do século XX

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/revistacenario.v9i1.35032

Palavras-chave:

Viagens. Turismo. Viajantes. Turistas. Amazônia

Resumo

As viagens na região Amazônica trazem à tona muitas perspectivas de pesquisa em
diferentes áreas do conhecimento. Estudos na História, principalmente, mostram-se
como janelas para a noção desse espaço que sempre tomou conta do imaginário
eurocêntrico. E o Turismo também tem buscado ampliar as investigações sobre a
região, com base nas teorias das viagens. Os viajantes e naturalistas foram os
principais personagens que vieram e aqui desembarcaram para escrever, pintar e
estudar os componentes naturais e humanos da região. Esses viajantes, no
masculino, formavam maioria. Mas, as mulheres também se fizeram presentes aqui,
explorando e pesquisando a Amazônia, especificamente o Estado do Pará. A ciência
foi um dos principais pilares para que a exploração da Amazônia se tornasse parte da
vivência desses e dessas, talvez, “primeiros e primeiras turistas”. O objetivo desta
pesquisa é o de apresentar como duas cientistas, uma alemã Emília Snethlage e uma
brasileira Heloísa Alberto Torres desenvolveram pesquisas na Amazônia paraense e a
partir de seus estudos apontar uma possível conexão com a História do Turismo na
região. Essas duas cientistas tornaram-se nomes importantes das ciências naturais e
sociais, respectivamente, no Brasil e no mundo. Abordagem teórica desse artigo está
construída na História da Ciência e no Turismo. Passando pelo estudo do Gênero,
pois o foco são duas mulheres cientistas. A metodologia abalizada na História, onde
as fontes em bibliotecas como Museu Paraense Emílio Goeldi, e em sites da
Biblioteca Nacional Digital e do acervo do Arquivo Nacional do Rio de Janeiro são os
objetos de análise das viagens dessas cientistas. Instrumentos utilizados são os
relatórios de viagens, cartas, recortes dos jornais, publicações em que surgem as
incursões dessas pesquisadoras. Dentre os principais resultados até o presente
momento tem-se que as viagens dessas mulheres cientistas contaram com elementos
que hoje entende-se como equipamentos turísticos, tais como: hospedagem,
transportes, alimentação, redes de guias. Interessante notar como essas pesquisas
Diana Priscila Sá Alberto
Cenário ”“ Revista Interdisciplinar em Turismo e Território, Brasília,V9(1), Jan/abr. 2021 105
Keywords:
Travel;
Tourism;
Travelers;
Tourists;
Amazon.
Palabras clave:
Viajes;
Turismo;
Viajeros;
Turistas;
Amazonas.
aproximam-se de compreender como a região foi investigada por elas. E mais ainda
suas cartas e relatórios apontam como essas viagens além de científicas,
vislumbraram a compreensão de como a História e o Turismo podem unir-se enquanto
disciplinas para se entender como a atividade turística desenvolveu-se na região
amazônica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diana Priscila Sá Alberto, Universidade Federal do Pará

Bacharel em Turismo, Universidade Federal do Pará.

Doutoranda pelo Programa de Pós-graduação em História Social da Amazônia, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Mestre em Planejamento do Desenvolvimento ”“ Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Universidade Federal do Pará.

Docente da Faculdade de Turismo do Instituto de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal do Pará.

E-mail: profadianaalberto@gmail.com

Orcid: https://orcid.org/0000-0001-5720-5603

Referências

ALBERTO, Diana P. Sá; PACHECO, Agenor Sarraf. Viagens Cientificas, Gênero e Turismo: análise da travessia de Emília Snethlage do Xingu ao Tapajós em 1909. ALVES, Kerley S. (Org.). Diálogos Sociais em Turismo: elementos hegemônicos e contra hegemônicos. Belo Horizonte: Editora Dialética, 2020, p. 265-280.

ALBERTO, Diana; SANJAD, Nelson. Emília Snethlage (1868-1929) e as razões para comemorar os 150 anos de nascimento. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum., Belém, v. 14, n. 3, p. 1047-1070, 2019.

ASSUNÇÃO, Paulo de. História do Turismo no Brasil entre os séculos XVI e XX ”“ viagens, espaço e cultura. Barueri, SP: Manole, 2012.

BENI, Mario Carlos; MOESCH, Marutschka Martini. A teoria da complexidade e o ecossistema do turismo. Turismo - Visão e Ação, Balneário Camboriú, v. 19, n. 3, p. 430-457, 2017. Disponível em: < https://dx.doi.org/10.14210/rtva.v19n3.p430-457 > DOI: 10.14210/rtva.v19n3.p430-457.

BIBLIOTECA Digital Nacional. Acervo da Hemeroteca. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 2018-2019. (Digital (https://bndigital.bn.gov.br/).

BOURGUET, Marie-Noëlle. O Explorador. In: VOVELLE, M. (Dir.). O Homem do Iluminismo. Lisboa: Presença, 1997, p. 207-249.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade. 15 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017. p 17-70.

CORRÊA, Mariza; MELLO, Januária (Orgs.). Querida Heloísa/ Dear Heloísa ”“ cartas de campo para Heloísa Alberto Torres. Núcleo de Estudos de Gênero ”“ PAGU. São Paulo: UNICAMP, 2008.

________. Dona Heloísa e a pesquisa de campo. Antropólogas & Antropologia. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2003.

CUNHA, Osvaldo Rodrigues da. Maria Elizabeth Emília Snethlage. In: CUNHA, O. R. Talento e Atitude: estudos biográficos do Museu Emílio Goeldi, 1, Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 1989, p. 83-102.

DRITSAS, Lawrence. From Lake Nyassa to Philadelphia: a geography of the Zambesi Expedition, 1858-64. The British Journal for the History of Science, v. 38, n. 1, p. 35-52, 2005.

EWBANK, Cecilia de Oliveira. Antropólogos, curadores de museus e museografia durante a gestão de Heloísa Alberto Torres no Museu Nacional (1938-1955). Revista MUSAS, n. 8, p. 8-22, 2018.

FIGUEIREDO, Silvio L. Viagens & Viajantes. São Paulo: Annablume, 2010.

GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes ”“ o cotidiano e as ideias de moleiro perseguido pela Inquisição. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

GRAHAM, Maria. Diário de uma viagem ao Brasil ”“ E de uma estada nesse país durante parte dos anos de 1821, 1822 e 1823. São Paulo: Companhia Editorial Nacional, 1956.

HARDING, Sandra. A instabilidade das categorias analíticas na teoria feminista. Revista Feminista. n.1, p. 7-31, 1993.

JUNGHANS, Miriam. Among Birds and Net(Work)S: Material and Social Practices in the Trajectory of Ornithologist Emilie Snethlage (1868”“1929). HoST History of Science and Technology, v. 10, p. 71-101, 2016.

_______. Abrindo as gavetas: Emília Snethlage (1868-1929) e as coleções ornitológicas do Museu Goeldi e do Museu Nacional do Rio de Janeiro em 1922. In: LOPES, M. M.; HEIZER, A. (Orgs.). Colecionismos, práticas de campo e representações. Campina Grande: EdUEPB, 2011. p. 61-73.

LAFUENTE, Antonio; LÓPEZ-OCÓN, Leoncio. Tradiciones científicas y expediciones ilustradas en la América hispana del siglo XVIII. In: SALDAÑA, J. J. (Coord.). Historia social de las ciencias en América Latina. Cidade do México: UNAM/Miguel Ángel Porrua, 1996, p. 247-281.

LEITE, Miriam L. M. Viajantes naturalistas ”“ caracterização. In: LEITE, M. L. M. Livros de Viagem (1803-1900). Rio de Janeiro: UFRJ, 1997, p. 161-198.

LOPES, Maria Margaret. “Aventureiras” nas ciências: refletindo sobre gênero e história das ciências naturais no Brasil. Cadernos Pagu. n. 10, p. 345-368, 1998.

_______. O Brasil descobre a Pesquisa Científica: Os Museus e as Ciências Naturais no Século XIX. 2 ed. São Paulo: Editora Hucitec/Editora Unb, 2009.

MCCORMACK, Carey. Collection and Discovery: Indigenous Guides and Alfred Russel Wallace in Southeast Asia, 1854-1862. Journal of Indian Ocean World Studies, v. 1, p. 110-127, 2017.

MIGLIEVICH-RIBEIRO, Adélia. Heloisa Alberto Torres e Marina de Vasconcelos ”“ pioneiras na formação das ciências sociais no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2015.

MIGLIEVICH-RIBEIRO, Adélia. Revisitando o Museu Nacional e a História da Antropologia no Brasil pelas mãos de Heloísa Alberto Torres. Rev. Política & Sociedade, v. 18, n. 41, p. 27-59, 2019.

MOESCH, Marutschka Martini; BENI, Mário Carlos. Do discurso sobre a ciência do turismo para a ciência do turismo. Anais.. São Paulo: ANPTUR, 2015.Disponível em: < https://www.anptur.org.br/anais/anais/files/12/48.pdf>.

OLINTO, Gilda. A inclusão das mulheres nas carreiras de ciência e tecnologia no Brasil. Inc. Soc., Brasília, DF, v. 5 n. 1, p.68-77, jul./dez. 2011.

PANOSSO NETTO, Alexandre. Filosofia do Turismo ”“ Teoria e epistemologia. São Paulo: Aleph, 2005.

PINSKY, Carla B. (Org.). Fontes históricas. 2 ed. São Paulo: Contexto, 2008.

SANJAD, Nelson. A coruja de Minerva ”“ O Museu Paraense entre o Império e a República (1866-1907). Brasilia: Instituto Brasileiro de Museus; Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi; Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, 2010.

________. et al. Emília Snethlage (1868-1929): um inédito relato de viagem ao rio Tocantins e o obituário de Emil-Heinrich Snethlage. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum, Belém, v. 8, n. 1, p. 195-221, 2013.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul/dez, 1995.

SNETHLAGE, E.-Heinrich. Dr. Emilie Snethlage zum Gedächtnis. Journal für Ornithologie, v. 78, n. 1, p. 123-134, 1930. Tradução de João Batista Poça da Silva.

SNETHLAGE, Emília. Travessia entre o Xingu e o Tapajós. Boletim do Museu Goeldi, Belém, vol. XII, S. 49-92, 1912.

TRIGO, Luiz G. Godoi. A Viagem ”“ caminho e experiência. São Paulo: Aleph, 2013.

Downloads

Publicado

2021-01-29

Como Citar

Sá Alberto, D. P. (2021). Viagens e Turismo: Emília Snethlage e Heloisa Alberto Torres as cientistas e viajantes da Amazônia do século XX. Cenário: Revista Interdisciplinar Em Turismo E Território, 9(1), 104–119. https://doi.org/10.26512/revistacenario.v9i1.35032

Edição

Seção

Artigos