Educação e religiosidades afro-brasileiras: a experiência dos candomblés

Autores

  • Denise Botelho Universidade de Brasília
  • Wanderson Flor do Nascimento Universidade de Brasília

Palavras-chave:

Candomblés. Educação. Diversidade. Relações raciais.

Resumo

O texto apresenta algumas linhas gerais de compreensão dos candomblés como importantes tópicos da cultura afro-brasileira. O contexto de apresentação destas idéias é a implementação das modificações na LDB, no que diz respeito à introdução da história e cultura africanas e afro-brasileiras nos currículos da educação básica, rumo a uma educação para a diversidade. Os candomblés oferecem uma maneira particular de interpretação do mundo, que enfatiza a ligação com a história da própria comunidade, a ancestralidade e a negociação dos espaços de intervenção com o próprio sagrado. Neste contexto, os marcados pela a valorização das diferenças podem contribuir para uma nova maneira de interpretar a educação, de modo a oferecer um espaço de desenvolvimento para educandas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denise Botelho, Universidade de Brasília

Doutora em educação pela USP e professora adjunta da Faculdade de Educação da UnB (PAD-FE).

Wanderson Flor do Nascimento, Universidade de Brasília

Mestre em filosofia e doutorando em bioética pela UnB e professor colaborador do Projeto Filosofia na
Escola (DEX-FE/UnB) e do Projeto Afroatitude (DEX/UnB).

Referências

AUGRAS, Monique. O duplo e a metamorfose: a identidade mítica em Comunidades Nagô. Petrópolis: Vozes, 1983.
BASTIDE, Roger. O candomblé da Bahia: rito nagô. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.
BERGER, Peter; LUCKMANN Thomas A construção social da realidade: Tratado de sociologia do conhecimento. Floriano S. Fernandes (Trad.). Petrópolis: Ed. Vozes, 1976.
BOTELHO, Denise. Maria. Educação e orixás: processos educativos no Ilê Axé Iya Mi Agba. Tese (Doutorado) ”“ Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, 2005.
BOTELHO, Denise. Maria. Aya nini (Coragem). Educadores e Educadoras no enfrentamento de práticas racistas em espaços escolares. São Paulo e Havana São Paulo. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Integração da América Latina da Universidade de São Paulo, 2000.
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais/ Secretaria de Educação
CAMPBELL, Joseph (1997). O Herói de Mil Faces. São Paulo: Cultrix/Pensamento, 1997.
ELIADE, Mircea. Mito e realidade. São Paulo: Perspectiva, 1972.
LODY, Raul. Candomblé. Religião e resistência cultural. São Paulo: Ática, 1987.
LOPES, Nei. Enciclopédia Brasileira da Diáspora Africana. São Paulo: Selo Negro, 2004.
NASCIMENTO, Wanderson Flor do. Esboço de crítica à escola disciplinar. São Paulo: Loyola, 2004.
PARÉS, Luis Nicolau. A formação do Candomblé. História e ritual da nação jeje na Bahia. Campinas: Edunicap, 2007.
VERGER, Pierre. Notas sobre o culto aos Orixás e Voduns na Bahia de Todos os Santos, no Brasil, e na antiga costa dos escravos, na África. São Paulo: EDUSP, 1999.
SANTOS, Juana Elben dos. Os Nàgôs e a morte: Pàdé, Àsèsè e o culto Égun na Bahia. Petrópolis: Vozes, 1976.
SIQUEIRA, Maria de Lourdes (1998). Agô Agô Lonan. Belo Horizonte: Mazza,1998.
XAVIER, Juarez Tadeu de Paula. Exu, Ikin e Egan: Equivalências Universais no Bosque das Identidades Afrodescendente Nagô e Lucumi. Estudo comparativo da religião iorubá no Brasil e em Cuba. Programa de Pós-Graduação em Integração da América Latina da Universidade de São Paulo, 2000.

Downloads

Publicado

2011-12-21

Como Citar

BOTELHO, D.; NASCIMENTO, W. F. do. Educação e religiosidades afro-brasileiras: a experiência dos candomblés. Participação, [S. l.], n. 17, 2011. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/participacao/article/view/24204. Acesso em: 25 mar. 2023.

Edição

Seção

Artigos de desenvolvimento teórico