Educação popular e extensão universitária na promoção da educação em direitos humanos: um estudo de caso do projeto EDPH em Ceilândia

Autores

  • Adriana Silva Alves Universidade de Brasília

Palavras-chave:

Educação. Direitos Humanos. Educação Popular. Ceilândia.

Resumo

Este artigo propõe-se a discutir e problematizar o papel da Educação Popular e da Extensão universitária na promoção da educação em direitos humanos com base na experiência do Projeto Educação Popular e Direitos Humanos: Capacitação de Atores Sociais no Distrito Federal e Estado de Goiás (EPDH). O projeto foi realizado pelo Núcleo de Estudos para Paz e os Direitos Humanos da Universidade de Brasília (NEP-UnB), em parceria com a Secretaria de Direitos Humanos (SDH-PR). Tomou-se como objeto, as oficinas de capacitação de atores promovidas na comunidade Sol Nascente, um dos principais bairros da cidade satélite de Ceilândia-DF. A partir da descrição metodológica das oficinas, analisa-se o papel da educação popular e da extensão universitária, ao estabelecer laços entre realidades, aprendizagens, pesquisa e sala de aula na promoção dos direitos humanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAPTISTA, M. G. P.; PALHANO, T. R. Educação, Extensão Popular e Pesquisa: metodologia e prática. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2011.
BOTOMÉ, Silvio Paulo . In: FARIA, Doris Santos de (org.). Construção Conceitual da Extensão na América Latina. Brasília: UnB, 2001.
BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Pesquisa participante. 7. ed. São Paulo: Brasiliense. 1988.
CARLOS, Ana Fani. Espaço-tempo na metrópole: a fragmentação da vida cotidiana. São Paulo: Ed. Contexto. 2001.
DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948.
FREIRE, Paulo Pedagogia do Oprimido. 48 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1996, p.
FURTADO, R. & FURTADO, E. A Intervenção participativa dos Atores ”“ INPA: uma metodologia de capacitação para o desenvolvimento sustentável. Brasília: IICA, 2000.
GUTIÉRREZ, Francisco. Educação Como Práxis Política; tradução de Antônio Negrino ”“ São Paulo: Summus, 1998.
HALL, Stuart. A Identidade Cultural na pósmodernidade. Rio de Janeiro: DP & A. 7ª ed. 2002.
HOLLIDAY, Oscar Jara. Para Sistematizar Experiências; tradução de: Maria Viviana V. Resende. 2. Ed. Revista - Brasília: MMA. (Série Monitoramento e Avaliação),2006.
MACHADO, Maria Salete Kern; SOUSA, Nair Heloisa Bicalho de. Ceilândia: Mapa da cidadania em rede na defesa
dos direitos humanos e na formação do novo profissional do direito. Brasilia: Universidade de Brasília, 1998.
Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos/Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, UNESCO, 2009.
SILVEIRA, Rosa Maria Godoy (org). Educação em Direitos Humanos: Fudamentos teóricometodológicos. Secretaria Especial de Direitos Humanos, Brasília. 2010.
THIOLLENT, Michel. Metodologia da PesquisaAção. São Paulo:Cortez, 1985
TRIPP, David, Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Universidade de Murdoch. Disponível em: www.scielo.br/pdf/ep/v31n3/a09v31n3.pdf. Acesso em:13 de setembro de 2012.
VIGIL, José Carlos. Educación popular y protagonismo historico: una opcion para América Latina. Editorial HVMANITAS, Buenos Aires, 1989.

Downloads

Publicado

2014-01-31

Como Citar

ALVES, Adriana Silva. Educação popular e extensão universitária na promoção da educação em direitos humanos: um estudo de caso do projeto EDPH em Ceilândia. Participação, [S. l.], n. 23/24, p. 7–16, 2014. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/participacao/article/view/25107. Acesso em: 17 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos de desenvolvimento teórico

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.