A experiência trans

uma disputa semântica nas mídias digitais

Autores

  • Luiz Augusto Mugnai Vieira Junior UNIPAR/ UNESP

DOI:

https://doi.org/10.26512/insurgncia.v8i2.38575

Palavras-chave:

transgênero, travesti, transexual, pessoa trans, mídias digitais

Resumo

Longe de um acordo geral entre a academia, a militância e as próprias vivências das pessoas trans, as experiências de gêneros se mostram de maneiras tensas e de negociações quanto à sua discussão de como identificá-las e nomeá-las. Denominações como transgênero, travesti e transexual revelam deslocamentos do sistema binário de gênero e nem por isso podem ser definidas como sinônimas e homogêneas. O advento das mídias digitais trouxe visibilidade da experiência trans e consequentemente novos conceitos como a palavra transgênero ganharam força no on-line o que possibilitou discutir se definir é uma forma de organizar politicamente ou de limitar a realidade? Os dados levantados no Portal Globo.com e na rede social Facebook demonstram que há uma disputa semântica conceitual da experiência trans quanto à legitimação das identidades trans.

Referências

Fontes:

GLOBO. In: EGO (2008). Roberta Close afirma que é mulher, casada e feliz. Disponível em:< http://ego.globo.com/Gente/Noticias/0,,MUL314531-9798,00-ROBERTA+CLOSE+AFIRMA+QUE+E+MULHER+CASADA+E+FELIZ.html>. Acesso em: 03/05/ 2018.

GLOBO. In: G1. (2018). 'Monstro, prostituta, bichinha': como a Justiça condenou a 1ª cirurgia de mudança de sexo do Brasil e sentenciou médico à prisão. Disponível em:< https://g1.globo.com/bemestar/noticia/monstro-prostituta-bichinha-como-a-justica-condenou-a-1a-cirurgia-de-mudanca-de-sexo-do-brasil-e-sentenciou-medico-a-prisao.ghtml> Acesso em: 28/03/2018.

FAVERO, Sofia. In: Travesti reflexiva. In: Facebook. Disponível em:< https://www.facebook.com/TReflexiva?fref=ts>. Acesso em: 10/08/ 2014.

LANZ, Leticia. In: Transgente. Disponível em:< https://www.facebook.com/groups/transgente/?fref=ts>. Acesso em: 28/08/2014.

LANZ, Leticia. Letícia Lanz: arquivo transgênero. Disponível em:< http://leticialanz.blogspot.com/livrostrans>. Acesso em: 18/10/2015.

NLUCON. (2017). “Oi? Papa Francisco diz que aceitar pessoas trans fará com que todos sejam inférteis” Disponivel em: https://nlucon.com/2017/10/13/oi-papa-francisco-diz-que-aceitar-pessoas-trans-fara-com-que-todos-sejam-inferteis/. Acesso em: 13/10/ 2017.

SCHMICH, Mary. In: CHICAGO TRIBUNE (2016). A rápida evolução do termo 'transexual'. Disponível em:< https://emais.estadao.com.br/noticias/comportamento,a-rapida-evolucao-do-termo-transexual,10000052985 >. Acesso em: 23/05/2016.

Referencias bibliográficas

AGIER, Michel. Distúrbios identitários em tempos de globalização. Mana, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 7-33, out. 2001.

BARBOSA, Bruno Cesar. Normas e Diferenças: uma etnografia dos usos das categorias travesti e transexual. Dissertação de Mestrado em Antropologia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2010.

BENTO, Berenice. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

BENTO, Berenice. (2014). In: DIAS, Diego Madi. Brincar de gênero, uma conversa com Berenice Bento. Cad. Pagu no.43 Campinas July/Dec. 2014.

BENTO, Berenice. Transviad@s: gênero, sexualidade e direitos humanos. Salvador: Edufba, 2017.

BENTO, Berenice. (2011). Política da diferença: feminismos e transexualidade. In: COLLING, Leandro. Stonewall 40 + o que no Brasil? Salvador: Edufba, 2011.

BERUTTI, Elaine Borges. Transgenders: questionando os gêneros. In: LYRA, Bernadette; GARCIA, Wilton. (Org.). Corpo & imagem. São Paulo: Arte & Ciência, 2002.

BRAGA, Adriana Andrade. Técnica etnográfica aplicada à comunicação online: uma

discussão metodológica. UNIrevista (UNISINOS. Online), v. 1, p. 1-11, 2006

BRANT, T. Eterno aprendiz. In: MOIRA, Amara; ROCHA Márcia; BRANDT, T.;NERY, João W. Vidas trans: a coragem de existir - a luta de transgêneros brasileiros em busca de seu espaço social. Bauru: Astral Cultural, 2017.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2003.

BUTLER, Judith. Judith Butler: “o queer é uma aliança de pessoas em vidas precárias”.In: AGÊNCIA PATRÍCIA GALVÃO. (2015). Disponível em:< https://agenciapatriciagalvao.org.br/mulheres-de-olho/judith-butler-o-queer-e-uma-alianca-de-pessoas-em-vidas-precarias/>. Acesso em 10/10/ 2018.

CARVALHO, Mario; CARRARA, Sergio. Em direção a um futuro trans? Contribuição para a história do movimento de travestis e transexuais no Brasil. Sexualidad, Salud y Sociedad - Revista Latinoamericana, núm. 14, agosto, 2013.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. Volume I. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

COLLING, Leandro. “Que os outros sejam o normal": transas e tensões entre movimento LGBT e ativismo queer. Salvador. Edufba, 2015.

DIAS, Diego Madi. Brincar de gênero, uma conversa com Berenice Bento. Cad. Pagu no.43 Campinas July/Dec. 2014.

GUERRA, Joana Rita Vieira. A discriminação sexual com pessoas transgénero. dissertação de mestrado. Mestrado em Mediação Intercultural e Intervenção Social. Escola Superior de Educação e Ciências Sociais. Instituto Politécnico de Leiria, 2017.

KAAS, Hailey. (2013). Trans* como termo guarda-chuva. Disponível em:< https://transfeminismo.com/trans-umbrella-term/>. Acesso em: 20/04/2018.

KRASOTA, Alisson Gebrim. Uma noção de pessoa trans não-binária. Dissertação apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Antropologia Social, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2016.

JESUS, Jaqueline Gomes de. Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termos / Jaqueline Gomes de Jesus. Brasília, 2012.

LANZ, Letícia. O corpo da roupa - A pessoa transgênero entre a conformidade e a transgressão das normas de gênero: Uma introdução aos Estudos de Gênero. Curitiba: Transgente, 2015.

MISKOLCI, Richard. A Teoria Queer e a Sociologia: o desafio de uma analítica da normalização. Sociologias. n.21, Porto Alegre, 2009.

NIETZSCHE, Friedrich. (Coleção Os pensadores). Sobre verdade e mentira no sentido extra-moral. Rio de Janeiro: Nova Cultura, 1991.

Downloads

Publicado

31.07.2021

Como Citar

MUGNAI VIEIRA JUNIOR, Luiz Augusto. A experiência trans: uma disputa semântica nas mídias digitais. InSURgência: revista de direitos e movimentos sociais, Brasília, v. 7, n. 2, p. 78–103, 2021. DOI: 10.26512/insurgncia.v8i2.38575. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/insurgencia/article/view/38575. Acesso em: 22 jul. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.