A pandemia de coronavírus

uma análise descritiva sobre o contexto laboral das mulheres trans

Autores

  • Endrick Eduardo Rodrigues Martins Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Julie Alves
  • Ana Cláudia Lima de Oliveira
  • Camila Eduarda
  • Lavinia de Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.26512/insurgncia.v8i2.38428

Palavras-chave:

Mulheres Trans, Mercado de Trabalho, Pandemia de Coronavírus

Resumo

Sobre a perspectiva de que se é cada vez mais difícil a inserção no mercado de trabalho, principalmente quando não há habilidades profissionais/educacionais suficientes, para solucionar o problema da marginalização laboral na maioria das empresas, estudamos a inserção das mulheres trans neste. Este artigo objetiva analisar a situação ocupacional de mulheres trans no contexto da pandemia de coronavírus. A pesquisa possui caráter descritivo bibliográfico, utilizando-se também o método dedutivo e, consequentemente, a análise de artigos, documentos e reportagens para a fundamentação do estudo. O problema da pesquisa busca responder: Quais são as barreiras que as impedem de entrar no mercado de trabalho no contexto da Covid-19? Os resultados da nossa pesquisa mostram que os principais fatores que dificultam a entrada de mulheres trans no mercado de trabalho dentro do contexto pandêmico são o preconceito de gênero familiar, a invisibilização social, a inobservância do Estado sobre a criação essencial de políticas públicas de inserção das mulheres trans aos ambientes educacionais de nível médio e superior, a marginalização e, à vista disso, a prostituição.

Referências

ADLER, P.A.; KLESS, S.J.; ADLER, P. Socialization to gender roles: Popularity among elementary school boys and girls. Sociol. Educ. 1992, 65, 169–187.

ALMEIDA, Cecilia Barreto de. & VASCONCELLOS, Victor Augusto. Transexuais: transpondo barreiras no mercado de trabalho em São Paulo? Direitos Humanos e Empresas • Rev. direito GV 14 (2) • Ago. 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1590/2317-6172201814. Acessado em: maio de 2021.

Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA). Dicas para travestis e mulheres trans profissionais do sexo em tempos de covid-19. Disponível em: https://antrabrasil.files.wordpress.com/2020/04/dica-profissionais-do-sexo-covid19-antra.pdf. Acessado em: maio de 2021.

Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA). DOSSIÊ – assassinatos e violência contra travestis e transexuais brasileiras em 2019. Disponível em: https://antrabrasil.files.wordpress.com/2020/01/dossic3aa-dos-assassinatos-e-da-violc3aancia-contra-pessoas-trans-em-2019.pdf. Acessado em: maio de 2021.

Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA). DOSSIÊ – assassinatos e violência contra travestis e transexuais brasileiras em 2020. Disponível em: https://antrabrasil.files.wordpress.com/2021/01/dossie-trans-2021-29jan2021.pdf. Acessado em: maio de 2021.

Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA). Nota pública da Antra em luto por Lorena Muniz e Sobre a Saúde Trans. Disponível em: https://antrabrasil.org/noticias/. Acessado em: maio de 2021.

BENEVIDES, Bruna. Precisamos falar sobre o suicídio das pessoas trans! ANTRA. Disponível em: https://antrabrasil.org/2018/06/29/precisamos-falar-sobre-o-suicidio-das-pessoas-trans/. Acessado em: maio de 2021.

BENJAMIN, H. The Transsexual Phenomenon; Julian Press: New York, NY, USA, 1966.

BENTO, Berenice. Nome social para pessoas trans: cidadania precária e gambiarra legal. Contemporânea ISSN: 2236-532X v. 4, n. 1 p. 165-182 jan.–jun. 2014.

BENTO, Berenice. Na escola se aprende que a diferença faz a diferença. Rev. Estud. Fem. 2011, vol.19, n.2, pp.549-559. ISSN 0104-026X.

BOLIN, A. Transsexualism and the limits of traditional analysis. Am. Behav. Sci. 1987, 31, 41–65.

BRASIL. Decreto nº 8.727, de 28 de abril de 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/decreto/d8727.htm. Acessado em: maio de 2021.

CARDOSO, Michele Rodrigues e FERRO, Luís Felipe. Saúde e população LGBT: demandas e especificidades em questão. Psicol. cienc. prof. 32 (3) • 2012. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1414-98932012000300003. Acessado em: maio de 2021.

CRENSHAW, Kimberlé W. A interseccionalidade na discriminação de Raça e Gênero. University of California, Los Angeles (2002).

DIETERT, M.; DENTICE, D. Growing up Trans: Socialization and the gender binary. J. GLBT Fam. Stud. 2013, 9, 24–42.

GARCIA, Carla Cristina; SILVA, Fábio Mariano da & SANCHEZ, Marcelo Hailer. Capitalismo e razão neoliberal: ódio colonial e extermínio de travestis e transexuais no Brasil. Serv. Soc. (138) • May-Aug 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0101-6628.215. Acessado em: maio de 2021.

GLYNN, T.R.; GAMAREL, K.E.; KAHLER, C.W.; IWAMOTO, M.; OPERARIO, D.; NEMOTO, T. The role of gender affirmation in psychological well-being among transgender women. Psychol. Sex. Orientat. Gend. Divers. 2016, 3, 336.

GOFFMAN, E. Stigma: On the Management of Spoiled Identity; Prentice-Hall: Englewood Cliffs, NJ, USA, 1963.

HELIODORO, Giovanna. Mercado de trabalho impõe barreiras à população trans. Disponível em: https://ufmg.br/comunicacao/noticias/quais-sao-as-chances-da-populacao-trans-no-mercado-de-trabalho. Acessado em: maio de 2021.

JAMES, S. E., Herman, J. L., Rankin, S., Keisling, M., Mottet, L., & Anafi, M. The report of the 2015 U.S. transgender survey. Washington, DC: National Center for Transgender Equality, 2016.

JAMES, S.E.; HERMAN, J.L.; RANKIN, S.; KEISLING, M.; MOTTET, L.; ANAFI, M. The Report of the 2015 U.S. Transgender Survey; National Center for Transgender Equality: Washington, DC, USA, 2016. Disponível em: https://transequality.org/sites/default/files/docs/usts/USTS-Full-Report-Dec17.pdf. Acessado em: 12/05/2021.

KATZ-WISE, S.L.; BUDGE, S.L.; FUGATE, E.; FLANAGAN, K.; TOULOUMTZIS, C.; ROOD, B.; PEREZ-BRUMER, A.; LEIBOWITZ, S. Transactional pathways of transgender identity development in transgender and gender nonconforming youth and caregivers from the Trans Youth Family Study. Int. J. Transgend. 2017, 18, 243–263.

LEVITT, H.M.; IPPOLITO, M.R. Being Transgender: The Experience of Transgender Identity Development. J. Homosex. 2014, 61, 1727–1758.

MACHADO, Rodrigo Tavares. O percurso escolar dos transgêneros no Brasil. Disponível em: http://www.gradadm.ifsc.usp.br/dados/20162/SLC0631-1/transgeneros.pdf. Acessado em: maio de 2021.

MARCONI, M. de A. LAKATOS, E. M. Metodologia Científica. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2011.

MOON, H. Brotherboys and Sistergirls: We Need to Decolonise our Attitude Towards Gender in This Country. Disponível em: https://junkee.com/brotherboy-sistergirl-decolonise-gender/262222. Acessado em: 18 de maio de 2021.

MOURA, Renan Gomes de. & LOPES, Paloma de Lavor. Comportamento Organizacioal Frente a Diversidade: a inclusão de travestis e transexuais no mercado de trabalho. XIV SEGeT – Ética & Gestão, 26 e 27 de outubro, 2017.

NOLAN, I.T.; KUHNER, C.J.; DY, G.W. Demographic and temporal trends in transgender identities and gender confirming surgery. Transl. Androl. Urol. 2019, 8, 184–190.

OLIVEIRA, Alessandra Mawu Defendi. La realidad de mujeres transexuales y sus movimientos sociales en Sudamérica en tiempos de COVID-19. Revista Ciencias y Humanidades, v. 10, n. 10, p. 101-131, 2020.

PETERS, J. A Feminist Post-Transsexual Autoethnography: Challenging Normative Gender Coercion. Routledge: London, UK, 2018.

PROJETO TAMAR. Disponível em: <http://www.tamar.org.br/index.php>. Acesso em: 12 mai. 2021.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A cruel pedagogia do vírus. Ebook. Coimbra: Almedina, 2020.

STONE, S. The empire stikes back: A posttransexual manmifesto. In the Transgender Studies Reader; Stryker, S., White, S., 1° Eds.; Routledge: New York, NY, USA; 2006., pp. 221–235.

TRANS MURDER MONITORING (TMM) by (TGEU). Trans Day of Remembrance (TDoR) 2018. Disponível em: https://transrespect.org/wpcontent/uploads/2018/11/TvT_TMM_TDoR2018_Tables_EN.pdf. Acessado em: maio de 2021.

USSHER, J.; HAWKEY, A.J.; PERZ, J.; LIAMPUTTONG, P.; SEKAR, J.; MARJADI, B.; SCHMIED, V.; DUNE, T.; BROOK, E. Crossing boundaries and fetishization: Lived experiences of sexual violence for trans women of colour in Australia. J. Interpers. Violence 2020.

XAVIER, J., Bradford, J., Hendricks, M., Safford, L., McKee, R., Martin, E., & Honnold, J. A. Transgender health care access in Virginia: A qualitative study. International Journal of Transgenderism, 14(1), 3-17, 2013.

Downloads

Publicado

31.07.2021

Como Citar

RODRIGUES MARTINS, Endrick Eduardo; ALVES, Julie; LIMA DE OLIVEIRA, Ana Cláudia; PINTO FIGUEIREDO, Camila Eduarda; DE OLIVEIRA CASTILHO, Lavinia. A pandemia de coronavírus: uma análise descritiva sobre o contexto laboral das mulheres trans. InSURgência: revista de direitos e movimentos sociais, Brasília, v. 7, n. 2, p. 126–148, 2021. DOI: 10.26512/insurgncia.v8i2.38428. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/insurgencia/article/view/38428. Acesso em: 25 jul. 2024.

Artigos Semelhantes

<< < 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.