Governo Algorítmico e Conexões

Novos Aspectos da Subjetividade a partir de Michel Foucault

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/rfmc.v8i3.34300

Palavras-chave:

Tecnologias. Algoritmos. Indivíduos. Subjetividade.

Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir a racionalidade do governo gerenciado pela lógica dos algoritmos. Trata-se de uma lógica de cálculos e estatísticas utilizada para conduzir as ações individuais, mesclada às funções das máquinas autônomas, caracterizando um novo regime de produção de subjetividades. Estruturando as relações entre o humano e a máquina, no espectro virtual da imediatidade, e recolhendo o máximo de informações sobre os desejos e necessidades dos indivíduos, o governo algorítmico opera com a ideia de uma regulação inerente à própria circulação intermitente de dados, afetando experiências pessoais e sociais, através da vigilância sistêmica e do controle gradativo dos processos das manifestações subjetivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Jefferson Silva, Centro Universitário Salesiano de São Paulo - Unidade Lorena

Doutor em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica da São Paulo (PUC-SP). Professor do Centro Universitário Salesiano de São Paulo (Unidade Lorena) e da Faculdade Canção Nova (Cachoeira Paulista).

Marcius Tadeu Maciel Nahur, Centro Universitário Salesiano de São Paulo, UNISAL - Unidade Lorena

Mestre em Direito pelo Centro Universitário Salesiano de São Paulo (Unisal). Bacharel em Direito e em História pela Unisal. Professor do Unisal (Unidade Lorena) e da Faculdade Canção Nova (Cachoeira Paulista).

Referências

ARENDT, Hannah. A condição humana. Trad. de Roberto Raposo. 10 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007. 352 p.

BENTHAM, Jeremy. O Panóptico. Trad. de Guacira Lopes Louro, M. D. Magno, Tomaz Tadeu. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008. 87 p.

DELEUZE, Gilles. Foucault. Trad. de C. S. Martins. São Paulo: Brasiliense, 2006.144 p.

DELEUZE, Gilles. O ato de criação. Tradução de J. M. Macedo. Folha de S. Paulo, 27 de junho de 1999, p. 4-5. Disponível em http://intermidias.blogspot.com.br/2007/07/oato-de-criao-por-gilles-deleuze.html. Acesso em: 05 dez. 2016.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I. A vontade de saber. Trad. de M. T. C. Albuquerque e J. A. G. Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 2011. 176 p.

FOUCAULT, Michel. O governo de si e dos outros. Trad. de Ediardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2010. 384 p.

FOUCAULT, Michel. Segurança, Território, População. Curso dado no Collège de France Trad. de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008a. 572 p.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Trad. de Luiz Felipe Baeta Neves. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008b. 238 p.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: Aula Inaugural no Collé€ge de France pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Trad. de Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Loyola, 1996. 79 p.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad. de Raquel Ramalhete. Petrópolis, Vozes, 1987. 288p.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 4. ed, Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984. 111 p.

FOUCAULT, Michel. A Hermenêutica do Sujeito: curso dado no collège de France (1981-1982). Trad. de Márcio Alves da Fonseca e Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 2006. 680 p.

GROS, Frédéric. A parresía em Foucault. In: GROS, Frédéric (org.). Foucault: a coragem da verdade. São Paulo: Parábola Editorial, 2004. p. 156-204.

HAN, BYUNG-Chul. No enxame: perspectivas do digital. Trad. de Lucas Machado. Petrópolis: Vozes, 2018. 134 p.

LANIER, Jaron. Dez argumentos para você deletar agora suas redes sociais. Trad. de Bruno Casotti. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2018. 152 p.

LAZZARATO, M. Signos, máquinas, subjetividades. Trad. P. D. Oneto. São Paulo: Sesc, 2014.

PARRA, H. Abertura e controle na governamentalidade algorítmica. Revista Ciência e Cultura, São Paulo, v. 68, n. 1, mar. de 2016. Disponível em http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009- 67252016000100013&lng=en&nrm=isso. Acesso em: 28 nov. 2016.

ROUVROY, A., BERNS, T. Governamentalidade algorítmica e perspectivas de emancipação: o díspar como condição de individuação pela relação? Trad. de P H. Andrade. Revista Eco Pós, Rio de Janeiro, v. 18, n. 2, p. 36-56. 2015.

Downloads

Publicado

2021-01-31

Como Citar

SILVA, J.; TADEU MACIEL NAHUR, M. . Governo Algorítmico e Conexões: Novos Aspectos da Subjetividade a partir de Michel Foucault. Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 155–180, 2021. DOI: 10.26512/rfmc.v8i3.34300. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/fmc/article/view/34300. Acesso em: 19 out. 2021.