“Pagodeiras Desenfreadas”

Sambas, Lazer e Controle Social na “Paris dos Trópicos” (1896-1919)

Autores

  • Josivaldo Bentes Lima Júnior Secretaria de Estado de Educação e Qualidade de Ensino

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v1i40.42305

Palavras-chave:

Samba. Controle Social. Manaus

Resumo

Este artigo analisa os mecanismos de controle sobre os sambas em Manaus, durante o período denominado Belle Époque amazônica (1896 - 1919). Para tal, empreendeu-se uma pesquisa investigando os diferentes significados e sentidos dos sambas para a imprensa, para a polícia e, em alguma medida, para os seus apreciadores. As fontes jornalísticas evidenciam as sucessivas tentativas da imprensa em atribuir aos sambas uma conotação criminosa. Com efeito, os jornais foram instrumentos usados para denunciar à polícia os incômodos e os perigos causados por essas práticas populares de lazer, desnudando a política civilizadora das classes dominantes com intencionalidades de urbanização e modernização aos moldes europeus pelos quais passava a “Paris dos Trópicos”, em detrimento dos costumes e dos hábitos de uma população que insistia em não aceitar o projeto avassalador de mudança social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

A MARRETA. Cousas Cabulosas. Edição 0012. Manaus, 19/01/2013.

AZEVEDO, Amailton Magno. Samba: um ritmo negro de resistência. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 70, p. 44-58, 2018.

BRAGA, Sérgio Ivan Gil. Os bois-bumbás de Parintins. Rio de Janeiro: Funarte/Editora da Universidade Federal do Amazonas, 2002.

CAMPOS, Luciane Maria Dantas de. Trabalho e emancipação: um olhar sobre as mulheres de Manaus (1890-1940). Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2010.

CHALHOUB, Sidney. Trabalho, lar e botequim: o cotidiano dos trabalhadores no Rio de Janeiro da belle époque. 3 ed. – Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2012.

COSTA, Antonio Maurício Dias da. Guerreiros da pândega: batuques negros e encontros de bois-bumbás nos jornais de Belém do Pará no pós-Abolição (1888-1908). Tempo, v. 27, p. 247-268, 2021.

COSTA, Carlos Eduardo Coutinho da. Faltam braços no campo e sobram pernas na cidade: famílias, migrações e sociabilidades negras no pós-abolição no Rio de Janeiro (1888-1940). 1ª ed. Curitiba: Appris, 2020.

CRUZ, Heloisa de Faria; PEIXOTO, Maria do Rosário da Cunha. Na oficina do historiador: conversas sobre história e imprensa. Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, v. 35, n. 2, 2007.

DIARIO OFFICIAL. Segurança Pública. Edição 00701. Manaus, 30/04/1896.

DIAS, Edinea Mascarenhas. A Ilusão do Fausto – Manaus 1890-1920. 3ª edição – Manaus: Editora Valer, 2019.

GOMES, Ângela de Castro; ABREU, Martha. A nova “Velha” República: um pouco de história e historiografia. Revista Tempo, v. 13, n. 26, p. 1-14, 2009.

GUIMARÃES, Alberto Passos. As classes perigosas: banditismo urbano e rural/ Alberto Passos Guimarães, 1908-1993. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2008. (revisitando o Brasil; v. 1).

JORNAL DO COMMERCIO. As festas profano-religiosas do “Felippe”. Edição 03205. Manaus, 30/03/1913.

JORNAL DO COMMERCIO. As queixas do povo. Edição 03678. Manaus, 23/07/1914.

JORNAL DO COMMERCIO. Coisas policiais: um samba arreliado. Edição 05279. Manaus, 10/01/1919.

JORNAL DO COMMERCIO. Em um samba – panellada fatal. Edição 02886. Manaus, 03/05/1912.

JORNAL DO COMMERCIO. Na polícia: samba quente. Edição 01304. Manaus, 11/11/1907.

JORNAL DO COMMERCIO. No Inauhiny novo assassinato a registrar-se. Edição 04636. Manaus, 22/03/1917.

JORNAL DO COMMERCIO. O samba. Edição 02288. Manaus, 16/08/1910.

JORNAL DO COMMERCIO. Ocorrências. Edição 03001. Manaus, 26/08/1912.

JORNAL DO COMMERCIO. Religião: Festa de S. Benedito. Edição 01468. Manaus, 26/04/1908.

JORNAL DO COMMERCIO. Samba arreliado!. Edição 02301. Manaus, 29/08/1910.

JORNAL DO COMMERCIO. Todas as três no xadrez. Edição 04589. Manaus, 02/02/1917.

LIRA, Bárbara Rebeka Gomes de. A difícil vida fácil: o mundo da prostituição e suas representações na cidade de Manaus (1890-1925). Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2014.

MARQUES, Janote Pires. Festas negras na Fortaleza do final do século XIX. In: FUNES Eurípedes A.; RODRIGUES, Eylo Fagner Silva; RIBARD, Franck (Orgs.). Histórias de Negros no Ceará [recurso eletrônico] - Porto Alegre, RS: Editora Fi, 2020, p. 107-131.

MARTINS, Carolina. A imprensa e as festas populares e negras na Ilha do Maranhão (1880-1929). Outros Tempos: Pesquisa em Foco-História, v. 18, n. 32, p. 327-249, 2021.

MATTOS, Hebe. Das cores do silêncio: os significados de liberdade no Sudeste paulista (Brasil, século XIX). 3ª ed. ver. – Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2013.

NEPOMUCENO, Eric Brasil. “Diabos encarnados”: carnaval, liberdade e racialização (1880-1900). In: ABREU, Martha; PEREIRA, Mateus Serva (orgs). Caminhos da Liberdade: histórias da abolição e do pós-abolição no Brasil – Niterói: PPGHistória – UFF, 2011, p. 450-468.

O CHICOTE. Reviravoltas. Edição 0014. Manaus, 04/10/1913.

PARANHOS, Adalberto. A invenção do Brasil como terra do samba: os sambistas e sua afirmação social. História (São Paulo), v. 22, p. 81-113, 2003.

PEREIRA, Leonardo Affonso de Miranda. E o Rio dançou. Identidade e tensões nos clubes recreativos cariocas (1912-1922). In CUNHA, Maria Clementina Pereira (org.). Carnavais e outras f(r)estras: ensaios da história social da cultura. Campinas, SP: Editora UNICAMP, CECULT, 2002, p. 419-444.

PINHEIRO, Luís Balkar Sá Peixoto. Imigração, trabalho e imprensa em Manaus, 1890-1928. Revista Litteris, n.14, p. 1-21, 2014.

PINHEIRO, Maria Luiza Ugarte. A cidade sobre os ombros: trabalho e conflito no Porto de Manaus (1899-1925). 3ª ed. – Manaus: FUA, 2015.

QUO VADIS?. Queixas do povo. Edição 00265. Manaus, 21/01/1904.

REIS, João José. Tambores e Tremores: a festa negra na Bahia na primeira metade do século XIX. In CUNHA, Maria Clementina Pereira (org.). Carnavais e outras f(r)estras: ensaios da história social da cultura. Campinas, SP: Editora UNICAMP, CECULT, 2002, p. 101-156.

ROSA, Vinícius Alves da. A Comunidade do Barranco de São Benedito em Manaus: processos para o reconhecimento do território quilombola. Dissertação (Mestrado Interdisciplinar Em Ciências Humanas) - Universidade Estadual Do Amazonas, Manaus, 2018.

SAMPAIO, Patrícia Melo (org). Posturas Municipais, Amazonas (1838-1967). Manaus: EDUA, 2016.

TENÓRIO, Adriano Magalhães. Pajelanças e Cultos Pretos em Manaus (1904 a 1940). Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2021.

WEBER, Beatriz Teixeira. Códigos de posturas e regulamentação do convívio social em Porto Alegre no século XIX. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1992.

Downloads

Publicado

2022-09-03

Como Citar

LIMA JÚNIOR, J. B. “Pagodeiras Desenfreadas”: Sambas, Lazer e Controle Social na “Paris dos Trópicos” (1896-1919). Em Tempo de Histórias, [S. l.], v. 1, n. 40, 2022. DOI: 10.26512/emtempos.v1i40.42305. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/42305. Acesso em: 3 fev. 2023.