Interações sociais dos participantes da revolta de Vila Rica com agentes econômicos atuantes no espaço econômico do ouro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v1i38.36345

Palavras-chave:

Análise de rede social. Espaço econômico do ouro. Procuração bastante.

Resumo

O artigo estuda as interações sociais estabelecidas por participantes da revolta de Vila Rica de 1720 com agentes mercantis atuantes no espaço econômico do ouro. Para tanto, analisa procurações emitidas pelos participantes da revolta para procuradores sediados nas capitanias do Rio de Janeiro, da Bahia, de Pernambuco e de São Paulo. Mais de perto, identifica os procuradores imersos em atividades de mercancia, principalmente em âmbito ultramarino. A documentação coligida compreende todas as procurações registradas nos livros de nota do primeiro e do segundo ofícios depositados no Arquivo da Casa Setecentista de Mariana entre os anos de 1711 e 1756. Em termos teórico-metodológicos, o artigo se vale das noções de espaço econômico do ouro e de análise de rede social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANASTASIA, Carla. Vassalos rebeldes: violência coletiva nas Minas na primeira metade do século XVIII. Belo Horizonte, C/Arte, 1998.

BIDART, Claire; CACCIUTTOLO, Patrice. En busca del contenido de las redes sociales: los "motivos" de las relaciones. REDES Revista hispana para el análisis de redes sociales, v. 7, n. 2, p. 178-202, jun. 2009.

BLAU, Peter. Teoria macrossociológica de la estrutura social. In: In: SANTOS, Félix (Org.). Análisis de redes sociales: Orígenes, teorias y aplicaciones. Madrid: Centro de Investigaciones sociológicas, 2003, p. 270-307.

BRAUDEL, Fernand. Civilização material, economia e capitalismo, séculos XV-XVIII. Vol. 2. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

CAMPOS, Maria Verônica. Governo de mineiros: “de como meter as Minas numa moenda e beber-lhe o caldo dourado” 1693 a 1737. Tese. (Programa de Pós-graduação em História Social) ”“ Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

COCLANIS, Peter (Org.). The Atlantic economy during the Seventeenth and Eighteenth centuries. South Carolina: USCP, 2005.

COOK, Karen. La vinculación de actores y estructuras desde la perspectiva de las redes de intercambio. In: SANTOS, Félix (Org.). Análisis de redes sociales: Orígenes, teorias y aplicaciones. Madrid: Centro de Investigaciones sociológicas, 2003, p. 478-497.

HANNEMAN, Robert. Introduction to social network methods. University of Califórnia: Riverside, 2001.

DISCURSO histórico e político sobre a sublevação que nas Minas houve no ano de 1720. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, 1994. Estudo crítico de Laura de Mello e Souza.

KELMER MATHIAS, Carlos Leonardo. As múltiplas faces da escravidão. Rio de Janeiro: Mauad X, 2012.

__________________. Jogos de interesses e estratégias de ação no contexto da revolta mineira de Vila Rica, c. 1709 ”“ c. 1736. Dissertação (Programa de Pós-graduação em História Social) ”“ Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

LEIVA, Pilar. Redes sociales y ejercicio del poder en la América Hispana: consideraciones teóricas y propuesta de análisis. Revista Complutense de História de América, Madrid, v. 34, p. 15-34, 2008.

LOZARES, Carlos. La teoría de redes sociales. Papers. Revista de Socilogia, Barcelona, v. 48, p. 103-126, 1996. Disponível em < https://papers.uab.cat/article/view/v48-lozares >. Acesso em 24 out. 2020.

MICELI, Jorge. Los problemas de validez en el análisis de redes sociales: algunas reflexiones integradoras. REDES ”“ revista hispana para el análisis de redes sociales, Barcelona, v. 14, n. 1, p. 1-45, jun. 2008. Disponível em < https://revistes.uab.cat/redes/article/view/v14-n1-miceli >. Acesso em 24 out. 2020.

MOLINA, José. El análisis de redes sociales. Una introducción. Barcelona: Ballatera, 2001.

ROMEIRO, Adriana. Paulistas e emboabas no coração das Minas: ideias, práticas e imaginário político no século XVIII. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2008.

SANTILLI, Daniel. Representación gráfica de rede sociais: un método de obtención y yn ejemplo histórico. Mundo agrário, Buenos Aires, v. 3, n. 6, p. 1-21, 2003. Disponível em < https://www.mundoagrario.unlp.edu.ar/article/view/v03n06a01/1451 >. Acesso em 24 out. 2020.

SAMPAIO, Antônio. Na encruzilhada do império: hierarquias sociais e conjunturas econoÌ‚micas no Rio de Janeiro (c. 1650 ”“ c. 1750). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.

SANTOS, Félix. Redes sociales y sociedade civil. Madrid: Centro de Investigaciones Sociológicas, 2008.

SANTOS, Félix. Orígenes sociales del análisis de redes. In: SANTOS, Félix (Org.). Análisis de redes sociales: Orígenes, teorias y aplicaciones. Madrid: Centro de Investigaciones sociológicas, 2003, p. 4-12.

SCOTT, John. Social network analysis. 3ª ed. Los Angeles: SAGE, 2003.

SMITH, David G. The mercantile class of Portugal and Brazil in the seventeenth century: a social-economic study of the merchants of Lisbon and Bahia, 1620-1690. Tese ”“ University of Texas, 1975.

TRACY, James (orgs). The rise of merchant empires: long-distance trade in the early modern world. Cambridge: CUP, 1990.

Downloads

Publicado

2021-06-25

Como Citar

MATHIAS, C. L. K. Interações sociais dos participantes da revolta de Vila Rica com agentes econômicos atuantes no espaço econômico do ouro. Em Tempo de Histórias, [S. l.], v. 1, n. 38, 2021. DOI: 10.26512/emtempos.v1i38.36345. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/36345. Acesso em: 1 abr. 2023.