Em busca do Consenso Golpista

O papel da rede da democracia no Golpe Civil-Militar de 1964

Autores

  • Eduardo Silva

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i11.20075

Palavras-chave:

Rede da Democracia. Golpe civil-militar de 1964. revisionismo historiográfico.

Resumo

O presente artigo procurará analisar o papel da Rede da Democracia no processo de promoção e consolidação do Golpe civil-militar de 1964, bem como problematizar as atuais
abordagens historiográficas entendidas como ‘revisionistas’ em relação àquele processo. Cadeia midiática formada pelas emissoras de rádio e jornais das empresas Globo, Jornal do Brasil e Diários Associados, acredita-se que a Rede da Democracia tenha exercido papel fundamental na campanha de desestabilização do governo Goulart, e que sua criação não pode ser apontada como uma mera reação ao “clima de radicalização” daquele período ”“ como quer fazer acreditar a historiografia revisionista sobre o Golpe. Iniciar a discussão em torno deste revisionismo, apontar suas teses e sua relação com a Rede da Democracia também serão, portanto, alguns dos objetivos que este artigo almeja alcançar

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Silva

Mestrando em História Social do PPGH/UFF. O presente trabalho foi realizado com apoio da

 

FBN ”“ Fundação Biblioteca Nacional do Brasil, do qual o autor é pesquisador-bolsista.

Referências

BANDEIRA, M. O Governo João Goulart. As lutas sociais no Brasil 1961-1964. 6ª ed. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 1983.

BARBOSA, M. e MENDONÇA, S. R. Estado e comunicação no Brasil: em torno do pensamento de Antonio Gramsci. In: CD-ROM do IV Congresso Nacional de História da Mídia. São Luís: AMI, 2006.

DREIFUSS, R.A. 1964: A conquista do Estado. Ação Política, poder e golpe de classe. Trad.: Laboratório de Tradução da UFGM. 4ª ed. Petrópolis: Ed. Vozes, 1986.

FERREIRA, J. A estratégia do confronto: A Frente de Mobilização Popular. In: Revista Brasileira de História. São Paulo: Anpuh. Vol. 24, nº.47 jan-jun 2004.

FONSECA, F. A grande imprensa e a constituição da agenda ultraliberal na “Nova República”. In: Estudos Históricos ”“ Mídia. No. 31. Rio de Janeiro: CPDOC/FGV, 2003.

GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere. Maquiavel. Notas sobre o Estado e a política. Trad.: Carlos Nelson Coutinho. Vl. 03. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000b.

IGUEIREDO, A.C. Democracia ou reformas? Alternativas democráticas à crise política: 1961-1964. Trad.: Carlos Roberto Aguiar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

MELO, D.B. A miséria da historiografia: o revisionismo historiográfico 40 anos depois do golpe de 1964. Monografia (Bacharelado em História, UFRJ). Rio de Janeiro: 2005.

MOTTA, R. P. S. Em guarda contra o “perigo vermelho”. O anticomunismo no Brasil (1917-1964). São Paulo: Perspectivas/FAPESP, 2002.

SMITH, A. M. Um acordo forçado: o consentimento da imprensa à censura no Brasil. Trad.: Waldívia M. Portinho. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2000.

TOLEDO, C.N. 1964: Golpismo e democracia. As falácias do revisionismo. In: <http://www.unicamp.br/cemarx/criticamarxista/critica19ok.pdf>, acessado em 27/08/2006>.

Downloads

Publicado

2011-02-03

Como Citar

SILVA, E. Em busca do Consenso Golpista: O papel da rede da democracia no Golpe Civil-Militar de 1964. Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 11, 2011. DOI: 10.26512/emtempos.v0i11.20075. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/20075. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos