O filme que sai do armário

o Cinema Lésbico a partir da obra de Adelia Sampaio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v1i37.34185

Palavras-chave:

Amor Maldito. Adelia Sampaio. Cinema Lésbico.

Resumo

O Cinema Lésbico é ainda um gênero cinematográfico em construção dentro do cinema nacional, e são poucos os cineastas brasileiros que assinaram filmes que colocam em evidência o amor romântico e sexual entre mulheres. Entre esses cineastas, em sua maioria homens, está Adelia Sampaio, a primeira diretora negra a fazer um longa-metragem no Brasil. Sua obra é importante, para além de seu talento, por seu pioneirismo; Amor Maldito, lançado em 1984, também é um dos primeiros filmes nacionais a protagonizar um casal lésbico. Trazendo a história conturbada de Fernanda e Sueli, Amor Maldito se diferencia da maioria dos filmes com temática lésbica, que tendem a punir as personagens que negam seu papel social, imposto pela heteronormatividade, enquanto mulheres que abraçam a possibilidade de amar outras mulheres. Em inúmeros filmes essas personagens terminam a trama mortas, agredidas e humilhadas, colocando em evidência a função pedagogizadora destes filmes. Ao contrário destes, Amor Maldito termina com Fernanda, que durante a trama é acusada por causar a morte de Sueli, absolvida pelo tribunal e livre para voltar a amar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BIANCHI, Naiade S. Em busca de um cinema lésbico nacional. Periódicus, vol. 1, n. 7, maio-out 2017. p. 236-247

CANDIDO, M.; MARTINS, C.; RODRIGUES, R.; FERES JÚNIOR, J. Boletim GEMAA 2: Raça e Gênero no Cinema Brasileiro (1970-2016). Boletim GEMAA. Rio de Janeiro, n. 2, p. 1 - 5, 2017.

DALCASTAGNÈ, Regina. O lugar de fala. In: _____. Literatura brasileira: um território contestado. 2a Edição. Vinhedo: Editora Horizonte: 2012; Rio de Janeiro: Editora da UERJ, 2012. p. 17-48.

DIAS, Aline. Relações de gênero e diversidade sexual: construções possíveis das identidades sapatão em ambientes de ensino. In:______. Sexualidade, gênero e diversidade: práticas, currículos e saberes. Editora Oyá: Porto Seguro, 2019. p. 297-328

HOOKS, bell. Mulheres Negras: moldando a teoria feminista. In._______ Feminist theory: from margin to center. Roberto Cataldo Costa. 2a Edição. Cambridge, MA: South End Press, 2015. p. 193 - 2010

HOOKS, bell. Olhares Negros: Raça e representação. Stephanie Borges. 1a Edição. São Paulo: Editora Elefante, 2019

MORAES, Eliane R. O efeito obsceno. In.____. Cadernos Pagu. 1a Edição. Campinas: Núcleo de Estudos de Gênero - Pagu. 2003, p. 121 - 130.

RAPOSO, Thaís. Sapatonas no Cinema: A produção brasileira de Cinema Lésbico. 2016. 59 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Curso de Produção e Política Cultural) - Universidade Federal do Pampa, Jaguarão, 2016.

SEDGWICK, Eve K. A Epistemologia do Armário. In:______. Cadernos Pagu. 1a Edição. Campinas: Núcleo de Estudos de Gênero - Pagu. 2007, p. 19-54

SHOHAT, E.; STAM, R. Do eurocentrismo ao policentrismo. In ____ Crítica da imagem eurocêntrica: multiculturalismo e representação. Marcos Soares. 1a Edição. São Paulo: Editora Cosac Naify. 2006. p. 37 - 88

VEIGA, Ana Maria. Radicalizar o “Cine Imperfecto” cubano. Hist. R., Goiânia, v. 23, n. 1, p. 28”“48, jan./abr. 2018

WITTIG, Monique. The Straight Mind and other Essays, Boston: Beacon, 1992

Downloads

Publicado

2020-12-03

Como Citar

DONINI, B. B. O filme que sai do armário: o Cinema Lésbico a partir da obra de Adelia Sampaio. Em Tempo de Histórias, [S. l.], v. 1, n. 37, 2020. DOI: 10.26512/emtempos.v1i37.34185. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/34185. Acesso em: 5 fev. 2023.