Arte(manhas) do demônio no estampadinho da cortina

identidade e representações

Autores

  • Sainy Veloso

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i06.20137

Palavras-chave:

Representação. Identidade. Prazer.

Resumo

A autora reflete a construção da identidade do Demônio delimitada dentro da relação binária de Bem ou Mal, todavia, superada na atualidade em favor do prazer que domina a sensação estética.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sainy Veloso

Mestra em Arte e Tecnologia da Imagem pelo IDA ”“ UnB e aluna ouvinte do doutorado em História.

Referências

ARANTES, Antonio (org.) (2000). O espaço da diferença. Campinas, SP: Papirus.

BAUDRILLARD, Jean (2001). Senhas. Trad. Maria Helena Kuhner. Rio de Janeiro: DIFEL. 84 p.

BAUDRILLARD, Jean. (1992). A Transparência do Mal: ensaio sobre os fenômenos extremos. Trad. Estela dos Santos Abreu. 2o. Ed. Campinas, SP: Papirus. 185 p.

BAUDRILLARD, Jean. (1991). Da sedução. Trad. Estela dos Santos Abreu. Campinas, SP: Papirus. 201 p.

CASTORIADIS, Cornelius (1982). A instituição imaginária da sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

CERTEAU, Michel (1994). A invenção do cotidiano. Artes de fazer. 2a. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

CHARTIER, Roger (1988). A História cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel.

COUSTÉ, Alberto (1996). Biografia do Diabo. São Paulo: Record.

DIDI-HUBERMAN, Georges (1998). O que vemos, o que nos olha. São Paulo: Ed. 34. 264 p.

DINIZ, Ariovaldo da S. (2001). A iconografia do medo. In KOURY, Mauro G. (org.). Imagem e memória: ensaios em Antropologia visual. Rio de Janeiro: Garamond.

DUBOIS, Claude-Gilbert (1995). O imaginário da Renascença. Brasília: Ed. Universidade de Brasília.

DURAND, Gilbert (1988). A imaginação simbólica. São Paulo: Cultrix.

DURAND, Gilbert. (2000). As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes.

ELIAS, Norbert e SCOLSON, John L (2000). Os estabelecidos e os outsiders. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

FREUD, Sigmund (1929). O mal-estar da civilização. São Paulo: Martins Fontes.

JUNG, Carl G. (org.) (1964). O homem e seus símbolos. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira.

JODELET, Denise (org.) (2001). As representações sociais. Rio de Janeiro: EdUERJ.

KOURY, Mauro G. (org. 2001). Imagem e memória: ensaios em Antropologia visual. Rio de Janeiro: Garamond.

MAFFESOLI, Michel (1996). No fundo das aparências. Trad. Bertha Halpern Gurovitz. Petrópolis, RJ: Vozes.

MAFFESOLI, Michel. (1997). A transfiguração do político. Porto Alegre: Sulina.

MUCHEMBLED, Robert (2002). Uma história do diabo: séculos XII-XX. Trad. Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Bom Texto.

NOGUEIRA, Carlos Roberto F. (2000). O diabo no imaginário Cristão. Edusp, Bauru/SP.

PAGELS, Elaine (1996). As origens de Satanás. São Paulo: Ediouro.

PENA-VEJA e ALMEIDA, Elimar P. (1999). O pensar complexo: Edgar Morin e a crise da modernidade. Rio de Janeiro: Garamond.

QUINET, Antonio (1995). A imagem rainha. In O imaginário no ensino de Jacques Lacan. 2a. Ed. Escola Brasileira de Psicanálise, seção Rio de janeiro.

SANTAELLA, Lucia e NÖTH, Winfried (1997). Imagem: cognição, semiótica, mídia. São Paulo: Iluminuras Ltda., 222p.

SARAMAGO, José (1991). O Evangelho segundo Jesus Cristo: romance. São Paulo: Companhia das Letras.

SILVA, Tomaz Tadeu da (org.) (2000). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes.

SOUZA, Laura de Mello e (1986). O diabo e a Terra de Santa Cruz: feitiçaria e religiosidade popular no Brasil colonial. São Paulo: Companhia das Letras.

Downloads

Publicado

2011-02-07

Como Citar

VELOSO, S. Arte(manhas) do demônio no estampadinho da cortina: identidade e representações. Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 06, 2011. DOI: 10.26512/emtempos.v0i06.20137. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/20137. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos