A sombra do liberalismo: Interpretações políticas da obra de Hannah Arendt no Brasil da “virada”.

Autores

  • Álvaro Ribeiro Regiani Mestrando em história ”“ Programa de pós Graduação em História ”“ UnB ”“Universidade de Brasília. Docente de História da América e da África da Universidade Estadual de Goiás ”“ UEG.
  • Kênia Érica Gusmão Medeiros Doutoranda em história ”“ Programa de pós graduação em História ”“ UFG ”“ Universidade Federal de Goiás. Docente de história do Instituto Federal Goiano ”“ IFGoiano.

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i29.14748

Palavras-chave:

Liberalismo. Hannah Arendt. Jornalismo.

Resumo

Este artigo visa compreender a recepção da filosofia da história de Hannah Arendt no meio jornalístico na década de 80 no Brasil. Sabe-se que o suplemento Cultura do jornal O Estado de São Paulo, difundia ideias e valores em um formato abrangente, bem como procurava conciliar, através de uma linguagem acessível, um conteúdo com aspirações acadêmicas. Por isso diversos colaboradores, nacionais e internacionais, escreveram artigos, resenhas e colunas destinadas sobre os mais variados temas sobre história, filosofia e, principalmente, política. A recepção e a resignificação desses temas inferiam um primado, o liberalismo, como estatuto lógico e coerente para o progresso brasileiro. É por meio desta ótica que as ideias e a vida de Hannah Arendt foram colocadas como legitimidade liberal nos “anos de chumbo .

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARENDT, Hannah. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 2005.

ARENDT, Hannah. Sobre a violência. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2010.

KAZIN, Alfred. Hannah Arendt: O amor e a solidão. Estado de São Paulo, São Paulo, 11. Set. 1983. Ano IV. Suplemento Cultura.

KUJAWSKI, Gilberto de Mello. Acondição humana. Estado de São Paulo, São Paulo, 16 jan. 1983. Ano II. Suplemento Cultura.

KUJAWSKI, Gilberto de Mello. A ideiade progresso. Estado de São Paulo, São Paulo, 18 Out. 1986. Ano IV. Suplemento Cultura.LAFER, Celso. O Brasil em discussão. Estado de São Paulo, São Paulo, 22 Dez. 1985. Ano V. Suplemento Cultura.

MARTES, Ana Cristina Braga. Da violência. Estado de São Paulo, São Paulo, 12 set. 1986. Ano VI. Suplemento Cultura.

MOREIRA, Marcílio Marques. Desta árvore pode nascer um Brasil melhor?Estado de São Paulo, São Paulo, 22 mar. 1981. Ano I. Suplemento Cultura

RUBINSTEIN, Richard. Sobre o totalitarismo. Estado de São Paulo, São Paulo, 22 nov. 1981. Ano II. Suplemento Cultura.SADEK, Maria Tereza. Da revolução: O resgate do espírito revolucionário. Estado de São Paulo, São Paulo, 01 Out. 1988. Ano VII. Suplemento Cultura.

WHITE, Hayden. Do fé ao fatalismo. Estado de São Paulo, São Paulo, 2. Fev. 1986. Ano V. Suplemento Cultura.BARTHES, Roland.O rumor da língua.Brasília: Editora Brasiliense, 1988.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica. Ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 2012

BOBBIO, Noberto (org). Dicionário de Política. Brasília: Editora Universidade de Brasília: São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2000.

DIAS, André Bonsanto, As memórias da Folha de S. Paulo durante o regime militar no Brasil: O processo de construção de uma identidade a partir de suas lembranças e esquecimentos. Revista Estudos em Comunicação [Comunication Studies], Beira: Portugal, n. 2. Dec. 2011. Disponível em: <http://www.ec.ubi.pt/ec/10/pdf/EC10-2011Dez.pdf>. Acessado em: 4 mar. 2016.

FAUSTO, Boris. História concisa do Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, Imprensa Oficial do Estado, 2002.FRY, Karina A. Compreender Hannah Arendt. Petrópolis: RJ: Editora Vozes, 2010.KOSELLECK, Reinhart. Uma história dos conceitos: Problemas teóricos e práticos. Estudos históricos. Teoria e história Rio de Janeiro, 1992, vol 5, n. 10.

LORENZOTTI, Elizabeth de Sousa. Do artístico ao jornalístico: vida e morte de um suplemento; Suplemento literário de O Estado de São Paulo (1956 ”“1974). São Paulo: USP, 2002. Dissertação (Mestrado em jornalismo) ”“Escola de comunicação e artes da Universidade de São Paulo.

RÉMOND, René (Dir.). Por uma história política. Tradução Dora Rocha. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

SOUZA, Mauro Wilson de (Org.). Sujeito: O lado oculto do receptor. Tradução e transcrição Sílvia Cristina Dotta e Kiel Pimenta. São Paulo: Brasiliense, 1995.

SCHARWZ, Roberto. Ao vencedor as batatas. São Paulo: Duas Cidades, 1992.

Downloads

Publicado

2017-04-03

Como Citar

REGIANI, Álvaro R.; MEDEIROS, K. Érica G. A sombra do liberalismo: Interpretações políticas da obra de Hannah Arendt no Brasil da “virada”. Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 29, 2017. DOI: 10.26512/emtempos.v0i29.14748. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/14748. Acesso em: 3 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos