A tragédia grega como discurso de legitimação do poder: debates historiográficos e o caso d'As Suplicantes, de Eurípides

Autores

  • Luiz Carlos Camargo Oberst Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i29.14743

Palavras-chave:

Tragédia. Política. Império Ateniense. As suplicantes.

Resumo

Este artigo tem o objetivo de analisar o viés político que as tragédias gregas tinham e sua influência na formação e na legitimação do poder exercido pelo império ateniense durante a Guerra do Peloponeso (431 ”“ 404 a.C). Para isso, deve se teorizar como tais tragédias ”“ consideradas fontes de segunda importância ”“ podem ser essenciais para o desenvolvimento da nova história política nessa área, assim como apresentar o debate de historiadores que trataram desse tema, o qual até hoje não encontra consenso. Para reforçar esta proposta, o artigo também traz uma análise da tragédia As Suplicantes, de Eurípides, evidenciando seu propósito político, no sentido de que a apresentação dessa ”“ assim como de outras tragédias ”“ era aproveitada pelo Estado ateniense como ferramenta de formação cívica e exaltação da superioridade moral de Atenas às outras cidades-estado que eram dominadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BALOT, Ryan. Courage in the democratic polis: ideology and critique in classical Athens. New York: Oxford University Press, 2014.

FERREIRA, José. Aspectos políticos nas Suplicantes de Eurípides. Humanitas [Online], Coimbra, 1985-1986. Disponível em: <http://www.uc.pt/fluc/eclassicos/publicacoes/ficheiros/humanitas37-38/03_Ribeiro_Ferreira.pdf>. Acesso em: 31 jan. 2014

GRIFFIN, Jasper. The social function of Attic tragedy. The Classical Quarterly 48: 39-61, 2009.

KOVACS, David. Text and transmission. In: GREGORY, Justina. (coord.). A companion to Greek tragedy. Malden; Oxford; Victoria: Blackwell Publishing, 2005. pp. 379-393.

LE GOFF, Jacques. O maravilhoso e o quotidiano no Ocidente medieval. Lisboa: Edições 70, 1985.

LESKY, Albin. História da literatura grega. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1995.

MARTIN, Thomas. Ancient Greece: from Prehistoric to Hellenistic times. Yale: Yale University Press, 2000.

MCLEISH,Kenneth. A guide to Greek theatre and drama. London: Methuen Drama, 2003.

MICHELINI,Ann. Political themes in Euripides’ Suppliants. The American Journal of Philology 115: 219-252, 1994.

MORWOOD, James. Euripides’ Suppliant Women, Theseus and athenocentrism. Mnemosyne 65: 552-564, 2012.

MOSSÉ, Claude. Atenas: a história de uma democracia. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1971.

POCOCK, John. Linguagens do ideário político. São Paulo: EdUSP, 2003.

RHODES, Peter. Nothing to do with democracy: Athenian drama and the polis. Journal of Hellenic Studies 123: 104-119, 2003.

ROSANVALLON, Pierre. Por uma história do político. São Paulo: Alameda, 2010.SCODEL, Ruth. An introduction to Greek tragedy. New York: Cambridge University Press, 2011.

SMITH, Wesley. Expressive form in Euripides’ Suppliants. Harvard Studies in Classical Philology 71: 151-170, 1967.

TZANETOU,Angeliki. City of suppliants: tragedy and the Athenian empire. Austin: University of Texas Press, 2012.

WINKLER, John. The ephebes’ song: tragôidia and polis. Representations 11: 26-62, 1985.

ZUNTZ, Günther. The Political Plays of Euripides. Manchester: Manchester University Press, 1955.

Downloads

Publicado

2017-04-03

Como Citar

OBERST, L. C. C. A tragédia grega como discurso de legitimação do poder: debates historiográficos e o caso d’As Suplicantes, de Eurípides. Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 29, 2017. DOI: 10.26512/emtempos.v0i29.14743. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/14743. Acesso em: 3 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos