Alexandre Magno: Um conquistador de seu próprio tempo

Autores

  • Danilo Correa Bernardino Universidade de Brasilia

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i32.14707

Palavras-chave:

Alexandre III. Reino da Macedônia. Império Aquemênida.

Resumo

Tendo adotado uma relativa variedade de costumes persas, tais quais insígnias e trajes, e promovido ações como a integração de todo um contingente persa ao exército macedônico parte da literatura especializada - em função disso, o público em geral - criou uma imagem idealizada do rei Alexandre. Sob essa perspectiva, personificada em figuras como a de Droysen (1833) e, em seguida, de Tarn (1933), Alexandre teria a clara e nobre intenção mediante a sua expedição ao Oeste asiático de unir greco-macedônios e persas em uma mesma e original sociedade a partir de uma perspectiva conciliadora, quase aos moldes democráticos modernos. Ao contrário, pretende-se apresentar uma alternativa que vai de encontro com essa já antiga tese, isto é, de que a fundação por Alexandre de uma nova monarquia pessoal apenas foi possível graças a uma já antiga cultura política de criação de impérios universais oriunda desse mesmo Oeste asiático, fundada pelo grande Império neo assírio e perpetuado pelo império neo Babilônico e Aquemênida. Dessa maneira, coloca-se em perspectiva as conquistas macedônicas e o idealismo do rei macedônio, de modo a refutar uma inspiração individual de união dos povos oriunda da Grécia. Para abrir caminho para essa tese, se fará a análise de três momentos decisivos durante as expedição de Alexandre que foram comumente percebidos como tentativas de integrar os persas e os macedônios de forma igual, mas que, na realidade, apenas evidenciam que o novo modelo de dominação arquitetado pelo rei mantinha uma hierarquia rígida entre macedônios, dominadores, e persas, dominados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BEAULIEU, Paul-Alain. World Hegemony, 900”“300 BCE. In: SNELL, Daniel C. (org), A Companion to the Ancient Near East. Blackwell Publishing. 2005.

BRIANT, Pierre. Alexandre, o Grande. Porto Alegre. RS. L&PM. 2010.

BRIANT, Pierre. Alessandro Magno: Dalla Grecia All’Oriente. Trieste, Editoriale Libraria. Electa/Gillimard.1992.

BRIANT, Pierre. From Cyrus to Alexander: a history of the Persian Empire. Indiana. Einsenbrauns. 2002.

BOSWORTH, A.B.. Alexander and the East: The Tragedy of Triumph. Oxford University Press. 1996.

CHAVALAS, Mark. The Age of Empires, 3100”“900 BCE. In: SNELL, Daniel C. (org), A Companion to the Ancient Near East. Blackwell Publishing. 2005.

COLLINS, Andrew W. The Royal Costume and Insignia of Alexander the Great. American Journal of Philology, Vol. 133, N. 3, pp. 371-402. The Johns Hopkins University Press. 2012.

DOYLE, Michael W. Empire. Cornell University. Cornell University Press. 1986.

DROYSEN, Johann Gustav. Alexandre, o Grande. Rio de Janeiro. Contraponto Editora. 2010.

FREDRICKSMEYER, Ernst. Alexander the Great and the Kingship of Asia. In: BOSWORTH, A. B., BAYNHAM, E. J. (org), Alexander the Great in Fact and Fiction. Oxford. Oxford University Press. pp. 136-166. 2000.

FLOWER, Michael. Alexander the Great and panhellenism. In: Bosworth, Adrian; Baynham, Eric (orgs.). Alexander the Great in Fact and Fiction. Oxford. Oxford University Press. p. 96-135. 2000.

GREEN, Peter. Alexander of Macedon, 356-323 B.C.: A historical Biography.California. University of California Press. 1974.

GREEN, Peter. Alexandre, o Grande, e o Período Helenístico.Rio de Janeiro. Objetiva. 2014.

HAMMOND, Nicholas. The Kingdom of Asia and the Persian Throne. University of Adelaide/Cambridge. 1986.

MOSSÉ, Claude. Alexandre, o Grande. São Paulo. Estação Liberdade. 2004.

SHIPLEY, Graham. Recent trends and new directions. In: Bugh, Glenn (Org). The Cambridge Companion to the Hellenistic world. Cambridge University Press. p. 315-326. 2007.

WORTHINGTON, Ian (org). Alexander and the “Unity of Mankind”. Alexander the Great: a reader. London and New York: Routledge. p. 198-235. 2005

Downloads

Publicado

2018-08-21

Como Citar

BERNARDINO, D. C. Alexandre Magno: Um conquistador de seu próprio tempo. Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 32, 2018. DOI: 10.26512/emtempos.v0i32.14707. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/14707. Acesso em: 1 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos