Tradução de Itens Culturais em Vidas Secas/Barren Lives: Uma Análise do Produto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/belasinfieis.v11.n1.2022.37246

Palavras-chave:

Estratégias de tradução. Estudos Descritivos da Tradução. Normas. Produto. Graciliano Ramos.

Resumo

Ancorado nos Estudos Descritivos da Tradução e no conceito de normas proposto por Toury (1995/2012), este estudo objetiva analisar a tradução de itens culturais no romance brasileiro Vidas Secas (1938) de Graciliano Ramos e em sua tradução para o inglês Barren lives (1999) por Ralph Edward Dimmick. Mais especificamente, objetivamos a) identificar o grupo predominante de estratégias de tradução - sintáticas, semânticas ou pragmáticas - (Chesterman, 1997/2016) utilizadas para traduzir itens culturais (Newmark, 1988); b) examinar qual estratégia predominou na tradução dos itens culturais e c) analisar se a estratégia predominante está relacionada ao conceito de normas proposto por Toury. A coleta de dados é composta por quatro passos: 1) leitura do texto fonte; 2) identificação dos itens culturais no texto fonte seguido de sua inserção em planilha Excel; 3) leitura do texto alvo; e 4) seleção da tradução de cada item cultural seguido de sua inserção na planilha. A análise dos dados foi realizada quantitativamente e qualitativamente. Os resultados mostram que a maioria das estratégias utilizadas pelos tradutores pertence ao grupo pragmático. Em relação ao tipo de estratégia utilizado mais frequentemente para traduzir os itens culturais, a análise revelou que a maioria deles foi traduzida por meio do Filtro Cultural, o que evidencia que o tradutor adaptou a maioria dos itens com o uso de equivalentes culturais ou funcionais na língua de chegada. A utilização do Filtro Cultural (estratégia pragmática) sugere que o tradutor foi influenciado pelas normas da cultura de chegada, baseando-se em ideias, valores e conhecimentos compartilhados pela comunidade falante de língua inglesa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Batista de Arruda , Faculdade Educacional da Lapa

Graduada em Letras Inglês (licenciatura) pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Professora de língua inglesa na instituição privada Red Balloon.

Arlene Koglin, Universidade Federal de Pernambuco

Professora Adjunta do Departamento de Letras da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e pesquisadora líder do Grupo de Estudos e de Pesquisa em Tradução e Tecnologia (GETRADTEC-UFPE). Atua também como docente colaboradora do Programa de Pós-graduação em Estudos da Tradução (PPGET) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Doutora em Estudos Linguísticos (2015), na Linha de Pesquisa Estudos da Tradução, pela Universidade Federal de Minas Gerais, com pesquisa desenvolvida sobre a pós-edição de metáforas traduzidas automaticamente em comparação à tradução humana deste tropo. Mestre em Estudos da Tradução (2008) pela Universidade Federal de Santa Catarina com pesquisa sobre a legendagem do humor e de metáforas.

Referências

Aixela, J. F. (1996). Culture-Specific Items in Translation. In R. Alvarez & M. Carmen-Africa Vidal (Eds.), Translation, Power, Subversion (pp. 52-78). Multilingual Matters.

Arruda, A. P. B. de (2020). Cultural Items in Vidas Secas/ Barren Lives: an Analysis of Translation Strategies [Undergraduate thesis, Universidade Federal de Pernambuco].

Brasiené, B. (2013). Literary Translation of Culture-Specific Items in Lithuanian Translation of Orwell’s Down and Out in Paris and London [Master’s thesis, Vytautas Magnus University: Department of English Philology].

Chesterman, A. (2016). Memes of Translation – The Spread of Ideas in Translation Theory. John Benjamins Publishing Company. (Original work published 1997)

Costa, P. (2012). Vidas secas: Uma análise crítica da paratextualidade e componentes culturais da tradução para o inglês. Belas Infiéis, 1(2), 83–97.

Guerra, A. F. (2012). Translating Culture: Problems, Strategies and Practical Realities. [sic] – A Journal of Literature Culture and Literary Translation, 3(1), 1–27.

Hashemian, M., & Daghoughi, S. (2016). Analysis of Culture-Specific Items and Translation Strategies Applied in Translating Jalal Al-Ahmad’s by the Pen. English Language Teaching, 9(4), 171–185.

Hatje-Faggion, V. (2011). Tradutores em caminhos interculturais – a tradução de palavras culturalmente determinadas. In C.A.B. Santos, C. R. Bessa, V. Hatje-Faggion & G. H. P. Sousa, Tradução e Cultura (pp. 73–88). 7Letras.

Holmes, J. (1972). The Name and Nature of Translation Studies. In Translated Papers on Literary Translation and Translation Studies (pp. 172–185). Rodopi.

Kerecuk, N. (2016). Book Club: Graciliano Ramos/ Vidas Secas. https://sistemas.mre.gov.br/kitweb/datafiles/Londres/en-us/file/cul-bookclub-04-gracilianoramos.pdf

Melo, C. V. (2017). Mapping Brazilian Literature Translated into English. Modern Languages Open, 1–37.

Morinaka, E. M. (2018). Brazilian Fiction Translated in the United States in the 1940s. Cadernos de Tradução, 38(2), 202–218.

Newmark, P. (1988). A Textbook of Translation. Shanghai Foreign Language Education Press.

Pezzini, O. (2005). Análise das estratégias de tradução de cem resumos/abstracts da revista Delta (segundo Chesterman 1997) [Master’s thesis, Universidade Federal de Santa Catarina].

Ramos, G. (1999). Barren Lives (R.E. Dimmick, Transl.). University of Texas press. (Original work published in 1938)

Ramos, G. (2017). Vidas secas (135th ed.). Editora Record. (Original version published in 1938)

Toury, G. (2012). Descriptive Translation Studies and Beyond. (Revised edition, v. 100). John Benjamins Publishing Company. (Original work published 1995)

Zare-Behtash, E., & Firoozkoohi, S. (2010). Culture Specific Items in Literary Translation. Translation Journal, 14(1). https://translationjournal.net/journal/51culture.htm

Downloads

Publicado

25-04-2022

Como Citar

ARRUDA , Ana Paula Batista de; KOGLIN, Arlene. Tradução de Itens Culturais em Vidas Secas/Barren Lives: Uma Análise do Produto. Belas Infiéis, Brasília, Brasil, v. 11, n. 1, p. 01–20, 2022. DOI: 10.26512/belasinfieis.v11.n1.2022.37246. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/article/view/37246. Acesso em: 14 jul. 2024.

Artigos Semelhantes

<< < 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.