O ensino da metalinguagem para aprendizes de tradução como forma de promoção da autorregulação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/belasinfieis.v10.n2.2021.29996

Palavras-chave:

Didática da Tradução. Metacognição. Competência Tradutória. Autonomia do aprendiz Material didático.

Resumo

Esta pesquisa procura vincular o ensino da metalinguagem da tradução à promoção da autorregulação em uma disciplina introdutória de tradução. O objetivo proposto é discutir a contribuição da metalinguagem na promoção da autorregulação em aprendizes de tradução, procurando refletir sobre o modo como a metalinguagem própria da tradução poderia contribuir para a transição da heterorregulação para a autorregulação ao longo do processo de aprendizagem do aluno. A metalinguagem explorada neste trabalho está associada à noção de Competência Tradutória (CT) e sua aquisição (ACT), assim como de autorregulação. Parto do entendimento de que o ensino da metalinguagem permite incrementar os processos metacognitivos, mais especificamente, o comportamento autorregulatório de aprendizagem do estudante. A fundamentação teórica é informada pelo conceito de tradução apresentado por Hurtado Albir (1999, 2005, 2015); como fundamentação metodológica são utilizados os conceitos de heterorregulação e autorregulação (Wertsch, 1979, 1985) e as noções de conceito espontâneo e científico (Vigotski, 2018). A proposta do material didático foi elaborada a partir de uma perspectiva cognitivo-construtivista de aprendizagem (Hurtado Albir, 2015), com o aporte metodológico do ensino por tarefas de tradução, organizadas em Unidades didáticas (UDs), as quais propiciaram ao aluno os instrumentos necessários para a aquisição e desenvolvimento da Competência Tradutória, permeadas pela metalinguagem específica da tradução. O presente trabalho aponta alguns dos resultados obtidos após as investigações realizadas em uma disciplina do Curso de Letras da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) dedicada ao ensino de tradução, os quais sugerem uma relação entre o ensino da metalinguagem e o desenvolvimento dos processos metacognitivos dos aprendizes, especificamente a autorregulação. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Filipe Mendes Neckel, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutor (2019) e Mestre (2011) em Estudos da Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina. Graduado em Letras (2007) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Pesquisador autônomo. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Referências

Castellví, M. T. C. (2003). Theories of terminology: Their description, prescription and explanation. Terminology, 2(9), 163–199.

Delisle, J. (1993). La traduction raisonnée. Les Presses de l’Université d’Ottawa.

El Euch, S., & Huot, A. (2015). Strategies to develop metalinguistic awareness in adult learners. WEFLA 2015, International Conference on Foreign Languages, Communication and Culture, Holguin (Cuba), 1-12.

Neckel, F. M. (2019). Metalinguagem e autorregulação na formação de tradutores: uma proposta de disciplina e material didático sob a ótica da perspectiva cognitivo-construtivista de aprendizagem. [Tese doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina]. http://tede.ufsc.br/teses/PGET0437-T.pdf

Gonçalves, J. L. (2015). Repensando o desenvolvimento da competência tradutória e suas implicações para a formação do tradutor. Revista Graphos, 17(1), 114-130.

Hurtado Albir, A. (1999). Enseñar a Traducir. Metodología en la formación de traductores e intérpretes. Edelsa.

Hurtado Albir, A. (2005). A aquisição da competência tradutória: aspectos teóricos e didáticos. In A. M. Pagano, C. Magalhães, & F. Alves (Eds.), Competência em tradução: cognição e discurso (pp. 19-57). Editora UFMG.

Hurtado Albir, A. (2007). Competence-based Curriculum Design for Training translators. The Interpreter and Translator Trainer, 1(2), 163-195.

Hurtado Albir, A. (2011). Traducción y traductología. Introducción a la traductología. Cátedra.

Hurtado Albir, A. (2015). Aprender a traducir del francês al español. Competências y tareas para la iniciación a la traducción. Edelsa.

Marco, J. (2009). The terminology of translation: Epistemological, conceptual and intercultural problems and their social consequences. In Y. Gambier, & L. van Doorslaer (Eds.), The Metalanguage of Translation (pp. 65-80). John Benjamins Publishing Company.

PACTE. (2000). Acquiring Translation Competence: Hypotheses and Methodological Problems in a Research Project. In A. Beeby, D. Ensinger, & M. Presas (Eds.), Investigating Translation (pp. 99-106). John Benjamins.

PACTE. (2005). Investigating Translation Competence: Conceptual and Methodological Issues. Meta, 50(2), 609-618.

Vigotski, L. S. (2018). A construção do pensamento e da linguagem. P. Bezerra (Trad.), 2ª ed. Editora WMF Martins Fontes.

Wertsch, J. V. (1979). From social interaction to higher psychological processes: A clarification and application of Vygotsky's theory. Human Development, 22(1), 1-22.

Wertsch, J. V. (1985). Vygotsky and the social formation of mind. Harvard University Press.

Downloads

Publicado

13-05-2021

Como Citar

NECKEL, Filipe Mendes. O ensino da metalinguagem para aprendizes de tradução como forma de promoção da autorregulação. Belas Infiéis, Brasília, Brasil, v. 10, n. 2, p. 01–21, 2021. DOI: 10.26512/belasinfieis.v10.n2.2021.29996. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/article/view/29996. Acesso em: 27 maio. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.