Dzi Croquetes e as masculinidades disparadas

  • Natanael de Freitas Silva UFRRJ - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Ditadura, Gênero, Sexualidade

Resumo

A ditadura civil-militar brasileira é tema de uma ampla produção historiográfica. Entretanto, discussões sobre a complexa trama entre ditadura, gênero e sexualidade, entre os anos 1964-85, demandam mais estudos e reflexões. Assim sendo, o objetivo deste artigo é apresentar um breve debate sobre a historiografia do período, atentando para as relações de gênero e sexualidade e situar alguns elementos para se repensar as masculinidades e feminilidades disparatadas em Secos & MolhadosDzi Croquettes e As Tais Frenéticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALONSO, Angela; DOLHNIKOFF, Miriam. (orgs). 1964: do golpe a democracia. São Paulo, Editora HEDRA, 2015.
ALVAREZ, Raphael; ISSA, Tatiana. DVD, Dzi Croquettes: Brasil. 110 min. 2010.
AQUINO, Maria. Censura, Imprensa e Estado autoritário (1968-1978): o exercício cotidiano da dominação e da resistência: O Estado de São Paulo e Movimento/ Bauru: EDUSC, 1999.
BRAGA, Cíntia. Desejos desviantes e imagem cinematográfica. Dissertação (Mestrado) UFBA, Salvador, UFBA, 2013.
COLLING, Ana. A resistência da mulher à ditatura militar no Brasil. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1997.
________. 50 anos da Ditadura no Brasil: questões feministas e de gênero. OPSIS, Catalão, v. 15, n. 2, 2015.
CORREA, Mariza; PISCITELLI, Adriana. “Flores do Colonialismo”. Masculinidades numa perspectiva antropológica. Entrevista com Miguel Vale de Almeida. Cadernos Pagu (11), 1998.
CORREA, Mariza. Do feminismo aos estudos de gênero no Brasil: um exemplo pessoal. Cadernos Pagu, Campinas, n. 16, p. 13-30, 2001.
COWAN, Benjamin. Homossexualidade, ideologia e “subversão” no regime militar. In: GREEN, James; QUINALHA, Renan. (orgs.). Ditadura e homossexualidades: repressão, resistência e a busca da verdade. São Carlos: EduFSCar, 2014.
CYSNEIROS, Adriano. Da Transgressão confinada às novas possibilidades de subjetivação: resgate e atualização do legado Dzi a partir do documentario Dzi Croquettes. Dissertação - UFBA, 2014.
DINIZ, Sheyla. Desbundados e Marginais: A MPB “pós-tropicalista” no contexto dos anos de chumbo. XII brasa: congresso internacional da brazilian studies association King’s College, Londres, Inglaterra, 20 a 23 de agosto de 2014.
DREIFUSS, René. 1964: a Conquista do Estado Ação Política, Poder e Golpe de Classe. Petrópolis, VOZES, 1981.
FICO, Carlos. Espionagem, polícia política, censura e propaganda: os pilares básicos da repressão. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucilia De Almeida Neves. (orgs.). O tempo da ditadura: regime militar e movimentos sociais em fins do século XX. RJ: Civilização Brasileira, 2003.
________. Versões e controvérsias sobre 1964 e a ditadura militar. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 24, nº 47, 2004.
________. O Golpe de 1964: momentos decisivos. RJ, Editora FGV, 2014.
FISCHER, Rosa. Trabalhar com Foucault- arqueologia de uma paixão. BH: Autêntica Editora, 2012.
FOSTER, David. “Cultural re-visions of the brazilian troupe, Dzi Croquettes”. Revista KARPA 6, Journal of Theatricalities and Visual Culture, California State University - Los Ángeles, 2013.Disponível em:< http://web.calstatela.edu/misc/karpa/Karpa6.2/Site%20Folder/foster1.html> Acesso: 22/12/2016.
FOUCAULT, Michel. A História da Sexualidade I: A vontade de saber. RJ. 21ª reimpressão; Edições Graal, 1988.
________. Michel Foucault, uma entrevista: sexo, poder e a política de identidade. Verve, 5, 2004.
________. O que é um autor? In: Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. Org. Manoel Barros da Motta. 4ªed. RJ: Forense Universitária, 2015.
FREITAS, Talitta. Life is a Cabaret: a obra dos Dzi para além das lentes do cinema. Tese (Doutorado em História), UFU, 2016.
GREEN, James. Além do carnaval. A homossexualidade masculina no Brasil do século XX. - São Paulo: Editora UNESP, 2000.
________. Revolucionário e Gay: A vida extraordinária de Herbert Daniel. RJ, Civilização Brasileira, 2018.
GREEN, James; QUINALHA, Renan. (orgs.). Ditadura e homossexualidades: repressão, resistência e a busca da verdade. São Carlos: EduFSCar, 2014.
JENKINS, Keith. A História Repensada. SP: Contexto, 2001.
JOFFILY, Mariana. Aniversários do golpe de 1964: debates historiográficos, implicações políticas. Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 10, n. 23, jan./mar. 2018.
JORNAL DO BRASIL. Caderno B; Rio de Janeiro, 1973.
JÚNIOR, Carlos; MELLO, Demian; CALIL, Gilberto. (Orgs.). Contribuição à crítica da historiografia revisionista. RJ: Consequência Editora, 2017.
JÚNIOR, Durval. O historiador Naif ou a análise historiográfica como prática de excomunhão. In: GUIMARÃES, Manoel (Org.). Estudos sobre a escrita da história. RJ: 7Letras, 2006.
JÚNIOR, Ottoni. O baú do guerrilheiro: memórias da luta armada urbana no Brasil. Editora Record, 2004.
LOBERT, Rosemary. A Palavra Mágica: A vida cotidiana do Dzi Croquettes. Campinas, SP: Editora Unicamp, 2010.
LOPES, Fábio. Corpos trans! visibilidade das violências e das mortes. Dossiê Transversos: O Corpo na História e a História do Corpo, Rio de Janeiro, v. 05; n. 05, Ano 02. 2015.
________. Visibilidade da experiência Trans! Corpos, idades e imagens. Sociopoética (Online), v.1, 2016.
________. Travestilidades e ditadura civil-militar brasileira: Apontamentos de uma pesquisa. Revista Esboços, Florianópolis, v. 23, n. 35, 2016.
MARCELINO, Douglas. Subversivos e Pornográficos. Censura de livros e diversões públicas nos anos 1970. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2011.
MORAES, Maria. O Golpe de 1964: testemunho de uma geração. In: AARÃO REIS, Daniel; RIDENTI, Marcelo & MOTTA, Rodrigo P. Sá (orgs.). O golpe e a ditadura militar – 40 anos depois (1964- 2004). Bauru: EdUSC, 2004.
MORANDO, Luiz. Por baixo dos panos: repressão a gays e travestis em Belo Horizonte (1963-1969). In: GREEN, James; QUINALHA, James (orgs.). Ditadura e homossexualidades: repressão, resistência e a busca da verdade. São Carlos: EduFSCar, 2014.
MOTTA, Rodrigo. Cultura política e ditadura: um debate teórico e historiográfico. Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 10, n. 23, 2018.
MELO, Demian. A miséria da historiografia: uma crítica ao revisionismo contemporâneo. RJ: Editora Consequência, 2014.
MISKOLCI, Richard; SIMÕES, Júlio (Org.). Dossiê Sexualidades Disparatadas - n. 28, Campinas: Cadernos Pagu, p. 9-18, 2007.
MISKOLCI, Richard. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças - BH: Autêntica Editora, UFOP-2012.
NAPOLITANO, Marcos. Coração civil: arte, resistência e lutas culturais durante o regime militar brasileiro (1964-1980). Tese de Livre-Docência em História, USP, 2011; RIDENTI, Marcelo. Resistência e mistificação da resistência armada contra a ditadura: armadilhas para os pesquisadores. In: REIS, Daniel Aarão; RIDENTI, Marcelo & MOTTA, Rodrigo P. Sá (orgs.). O golpe e a ditadura militar – 40 anos depois (1964- 2004). Bauru: EdUSC, 2004.
________. As oposições à ditadura: resistência e integração. In: REIS, Daniel Aarão; RIDENTI, Marcelo & MOTTA, Rodrigo (orgs.). A ditadura que mudou o Brasil: 50 anos do golpe de 1964.1ªed. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.
OLIVEIRA, Edson. Falta de definições ou exploração da ambigüidade? Dzi Croquettes e a busca por uma teoria queer. Anais do Colóquio Nacional de Estudos de Gênero e História – LHAG/UNICENTRO, 2013.
OLIVEIRA, Haroldo. Te contei, não?: a “glitter revolution” Dzi escrita em plumas e sangue. Dissertação (Mestrado em Letras) PUC-RJ, 2015.
ORTEGA, Francisco. Para uma política da amizade Arendt, Derrida e Foucault. Relume Dumará. 2000.
PEDRO, Joana; WOLFF, Cristina (orgs.). Gênero, Feminismos e Ditaduras no Cone Sul. Florianópolis; Ed. Mulheres, 2010.
PROST, Antoine. Doze lições Sobre a História: Autêntica Editora, Belo Horizonte, 2008.
QUINALHA, Renan. Contra a moral e os bons costumes: A política sexual da ditadura brasileira (1964-1988). Tese (Doutorado em Relações Internacionais), USP, 2017.
RAINHO, Maria. Moda e Revolução nos anos 1960. RJ: Contracapa, 2014.
RAGO, Margareth. A aventura de contar-se: feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade, Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2013.
REGULAÇÕES DE GÊNERO. Cadernos Pagu. n.42, 2014.
REIS, Daniel. Ditadura e democracia no Brasil: do golpe de 1964 à Constituição de 1988. Rio de Janeiro: Zahar, 2014..
RODRIGUES, Jorge. Impressões de Identidade:um olhar sobre a imprensa gay no Brasil. Niterói: EduFF, 2010.
RODRIGUES, Rita. De Daniel a Chrysóstomo - quando travestis, boencas e homossexuais entram em cena. Tese (Doutorado em História), Nitéroi: UFF, 2012.
ROJAS, Carlos. Antimanual do mau historiador. Tradução de Jurandir Malerba. Londrina: EDUEL, 2007.
ROSA, Susel. Mulheres, ditaduras e memórias: não imagine que precise ser triste para ser militante. São Paulo: Intermeios, 2013.
SALES, Jean. A luta armada contra a ditadura militar: a esquerda brasileira e a influência da revolução cubana. SP: Fundação Perseu Abramo, 2007.
SCHÜTZE, Jéssica. DZI CROQUETTES: Teatro de resistência no período da ditadura militar brasileira. (Monografia em história), UFSC, Florianópolis, 2015.
SILVA, Natanael de Freitas. Guerrilha e revolução: a luta armada contra a ditadura militar no Brasil. RJ: Lamparina, 2015.
________. Desmistificando a “resistência democrática” à ditadura civil-militar (1964-1985). Dia-Logos, UERJ, vol, 10, n.1, 2016a.
________. Masculinidades hierarquizadas: entre o 'gay macho' e a 'bicha louca', performances de gênero nos anos 1970. Gênero, Masculinidades e Estudos Queer, Contemporâneos – Revista de Artes e Humanidades, n. 14, 2016b.
________. Ditadura civil-militar no Brasil e a ordem de gênero: masculinidades e feminilidades vigiadas. Mosaico, v. 7, n. 11, 2016c.
________. DZI CROQUETTES: invenções, experiências e práticas de si - masculinidades e feminilidades vigiadas. Dissertação (Mestrado em História), UFRRJ, 2017.
TEÓFILO, Magno. Modos de subjetivação na experiência Queer: micropolíticas do corpo, do gênero e da sexualidade no filme Dzi Croquettes. Doutorado em Psicologia, UNIFOR, Fortaleza, 2015.
THÜRLER, Djalma. Dzi Croquettes: Uma política queer de atravessamentos entre o real e o teatral. In: Congreso Iberoamericano de Masculinidades y Equidad: Investigación y Activismo, Barcelona. (trans)formando la masculinidad: de la teoría a la acción, 2011.
TOLEDO, Ricardo. Corpo e cultura: um estudo sobre a arte do grupo Dzi Croquettes. Trabalho de conclusão de curso (bacharelado - Educação Física) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências de Rio Claro, 2015.
TREVISAN, João: Devassos no paraíso – A homossexualidade no Brasil, da colônia à atualidade –Ed. revisada e ampliada- 8ª Ed. – RJ: Record, 2011.
SIMÕES, Júlio & FACCHINI, Regina. Do movimento homossexual ao LGBT. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abrano, 2009.
VERAS, Elias; JÚNIOR; DURVAL, Muniz. (Org.). Revista Esboços - Dossiê: Quando Clio encontra as “sexualidades disparatadas”. v.23, n.35. Florianópolis: UFSC, 2016.
WEEKS, Jeffrey. O corpo e a sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes (org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 3 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.
WELZER-LANG, Daniel. Os homens e o masculino numa perspectiva de relações sociais de sexo. In: SCHPUN, Mônica Raisa (org.). Masculinidades. São Paulo: Boitempo Editorial; Santa Cruz do Sul, Edunisc, 2004.
ZACHARIADHES, Grimaldo. 1964: 50 anos depois: a ditadura em debate. Aracajú: EDISE, 2015.
Publicado
2018-11-26
Como Citar
Silva, N. (2018). Dzi Croquetes e as masculinidades disparadas. História, Histórias, 6(12). https://doi.org/10.26512/hh.v6i12.19275